Jeff Bezos doa US$ 791 milhões para ONGs que trabalham pelo clima e por justiça ambiental

Em fevereiro deste ano, o bilionário americano Jeff Bezoso homem mais rico do mundo (ranking de 2019 da revista Forbes) – anunciou o lançamento de um fundo de apoio a cientistas, ativistas e organizações não governamentais (ONGs) focados em soluções para mitigação e contenção dos efeitos das mudanças climáticas no planeta. E, assim, reservou US$ 10 bilhões por meio do Bezos Earth Fund (Fundo da Terra Bezos, em tradução livre), para tais ações, como noticiamos aqui.

Levando em conta o valor de mercado da Amazon (US$ 1 trilhão), da qual Bezos é CEO, pode parecer pouco. Mas, para as organizações contempladas – de grandes a pequenas -, trata-se de um apoio fantástico, que ajudará a incrementar e a dar outra velocidade a suas ações.

Passados nove meses, esta semana (em 16/11), o bilionário anunciou a primeira doação de seu fundo – US$ 791 milhões – para 16 organizações que lutam contra a mudança climática e por justiça ambiental, e declarou: “Este é apenas o começo do meu compromisso para financiar cientistas, ativistas, ONGs, entre outros”.

Logo que o Bezos Earth Fund foi anunciado, representantes de organizações selecionadas para participar desta primeira fase do projeto se encontraram com ele e sua parceira, Lauren Sánchez, para conversar sobre o destino dos subsídios que receberiam. A partir dessas informações, uma pequena equipe de especialistas os ajudou a definir a distribuição dessa parte do fundo.

“Bezos fez muitas perguntas. Ficou claro que já havia aprendido muito sobre mudanças climáticas e tinha muito conhecimento”, contou Fred Krupp, presidente do Environmental Defense Fund ao jornal The Washington Post. “Ele havia estudado o assunto e estava muito focado em causar o maior impacto possível com sua contribuição”.

Em um post no Instagram, o filantropo contou que passou os últimos meses “aprendendo com um grupo de pessoas incrivelmente inteligentes que transformaram o trabalho de suas vidas na luta contra as mudanças climáticas e seu impacto nas comunidades ao redor do mundo”.

Ele demonstrou grande satisfação e inspiração com o trabalho desses grupos e por poder ajudá-los a crescer em suas ações. “Todos nós podemos proteger o futuro da Terra tomando medidas ousadas agora.

Filantropia e clima

“A mudança climática é a maior crise que a humanidade enfrenta, mas, apesar da importância, tem sido uma área da filantropia subfinanciada”, declarou Jules Kortenhorst, diretora da ONG Rocky Mountain Institute. “A doação de Bezos destaca a urgência e a importância do trabalho que está sendo feito pela sociedade civil para reduzir drasticamente as emissões de gases de efeito estufa“.

De acordo com o The Washington Post, no ano passado, dos US$ 730 bilhões de doações filantrópicas realizadas no mundo menos de 2% foram destinados ao combate dos efeitos das mudanças climáticas. Com o aumento dos incêndios florestais e dos furacões nos Estados Unidos, parece que essa realidade deixou de ser uma abstração e as doações têm aumentado.

E Krupp, do Environmental Defense Fund, completa: “O obstáculo para resolver a crise climática não é encontrar soluções, mas garantir o financiamento para dimensionar soluções rapidamente. Nossa esperança é que este presente do fundo de Bezos incentive outros filantropos a apoiar soluções climáticas na escala necessária”.

Organizações contempladas

Mais da metade dos US$ 791 milhões foi destinada a grupos ambientais como Environmental Defense Fund (EDF), Natural Resources Defense Council (NRDC), The Nature Conservancy (TNC), World Resources Institute (WRI) e World Wildlife Fund (WWF). Cada um vai receber US$ 100 milhões.

Cento e noventa e cinco milhões de dólares apoiam organizações de reflorestamento, energia limpa e de estudos e pesquisas científicas como Climate and Clean Energy Equity Fund; ClimateWorks Foundation, Eden Reforestation Projects, Energy Foundation; NDN Collective; Salk Institute for Biological Studies; The Solutions Project; Rock Mountain Institute e Union of Concerned Scientists.

O restante foi direcionado para organizações dedicadas à justiça ambiental como Green For All do Dream Corps, o Hive Fund for Climate and Gender Justice e Solutions Project.

Algumas ações

Em seu site, a ONG The Nature Conservancy (TNC) anunciou a doação de US$ 100 milhões e que a usará “para promover a ciência do clima e proteger florestas antigas, como a Emerald Edge nos EUA e Canadá, além da agricultura ‘amiga do clima’ no noroeste da Índia”.

Jennifer Morris, CEO da ONG, declarou: “Uma das melhores ferramentas que temos para lidar com a emergência climática é a própria natureza. Com este generoso presente do Bezos Earth Fund (BEF), a TNC e parceiros em todo o mundo poderão expandir nosso trabalho pioneiro desenvolvendo e implementando soluções climáticas naturais. Esse fundo nos ajudará a promover nossa ciência de ponta e compromissos com parcerias locais para acelerar projetos escaláveis ​​de impacto duradouro”.

Krupp, do Environmental Defense Fund, adiantou que grande parte da doação recebida financiará um satélite que a organização planeja colocar em órbita para monitorar as emissões de metano.

“O metano é um poderoso gás de efeito estufa que pode ser 80 vezes mais potente do que o dióxido de carbono. Graças a este e a outros financiamentos, reduziremos a poluição por metano da indústria de petróleo e gás em 45% até 2025, o que será o mesmo benefício de 20 anos do fechamento de um terço das usinas de energia do mundo”.

O Rock Mountain Institute pretende aplicar a doação na descarbonização de edifícios, além de interromper a queima de gás natural em aquecedores de água, fogões e caldeiras. “Nos últimos anos, o gás natural substituiu o carvão, mas continua sendo um combustível fóssil com ‘enorme impacto’ na saúde, contou Jules Kortenhorst.

“Este compromisso reconhece que não se pode resolver a mudança climática sem natureza”, disse o presidente-executivo do WWF, Carter Roberts. A ONG vai usar a doação de US$ 100 milhões para proteger e restaurar manguezais na Colômbia, Fiji, Madagascar e México, além de “promover o desenvolvimento de novos mercados para as algas marinhas como alternativa aos produtos derivados do petróleo”.

Com a doação recebida, a Green for All – uma das menores organizações contempladas pelo fundo de Bezos – poderá dobrar o tamanho de sua equipe de seis funcionários e incrementar a promoção de políticas locais, estaduais e federais para a capacitação e orientação de pessoas de baixa renda para trabalhar em reformas de casas ou no setor de energia limpa. A ONG integra o Dream Corps, grupo que atua em Oakland, na Califórnia, no apoio de prisioneiros libertados em busca de emprego.

Fonte: The Washington Post, NY Times, Quartz, G1

Foto: Divulgação/Amazon

Mônica Nunes

Jornalista com experiência em revistas e internet, escreveu sobre moda, luxo, saúde, educação financeira e sustentabilidade. Trabalhou durante 14 anos na Editora Abril. Foi editora na revista Claudia, no site feminino Paralela, e colaborou com Você S.A. e Capricho. Por oito anos, dirigiu o premiado site Planeta Sustentável, da mesma editora, considerado pela United Nations Foundation como o maior portal no tema. Integrou a Rede de Mulheres Líderes em Sustentabilidade e, em 2015, participou da conferência TEDxSãoPaulo.

Deixe uma resposta