Jeff Bezos, CEO do Amazon, anuncia fundo de US$ 10 bilhões para financiar cientistas, ativistas e ONGs no combate à crise climática

Jeff Bezos, CEO do Amazon, anuncia fundo de US$ 10 bilhões para financiar cientistas, ativistas e ONGs no combate à crise climática

Não é que ele seja tão bonzinho assim. O bilionário americano Jeff Bezos, o homem mais rico do mundo – segundo ranking de 2019 da revista Forbes -, é fundador e CEO da gigante Amazon e proprietário do jornal The Washington Post. E com atual crise climática em destaque no mundo inteiro, fica muito ruim, ou melhor, péssimo para a imagem das empresas que não se engajam na luta para combater este que é considerado o principal desafio da humanidade nos dias de hoje.

Seja esta razão ou também a pressão feita pelos próprios funcionários da Amazon, que criticaram a falta de ação da empresa em implementar ações contra as mudanças climáticas, Bezos anunciou na segunda (17/02), através de suas redes sociais, que estava lançando um fundo para financiar o trabalho de cientistas, ativistas e organizações não governamentais (ONGs) que buscam soluções para mitigar e conter os efeitos das alterações do clima no planeta.

Batizado de Bezos Earth Fund, a iniciativa terá um investimento inicial de US$ 10 bilhões, que nem é tanto assim para o dono da Amazon, com valor de mercado estimado em US$ 1 trilhão.

“A mudança climática é a maior ameaça ao nosso planeta. Quero trabalhar ao lado de outras pessoas para dar escala a soluções já existentes e explorar novas maneiras de combater o impacto devastador das mudanças climáticas que todos compartilhamos. Essa iniciativa global financiará qualquer esforço que ofereça uma possibilidade real de ajudar a preservar e proteger o mundo natural”, escreveu Bezos. “Nós podemos salvar a Terra. Para isso, são necessárias medidas coletivas de grandes e pequenas empresas, estados-nação, organizações globais e indivíduos”.

O fundo começara a selecionar projetos para receber dinheiro nos próximos meses, no verão do Hemisfério Norte.

Ao comentar a notícia sobre o lançamento do novo fundo, o grupo Amazon Employees for Climate Justice, de funcionários da companhia que pedem mais ações pelo clima, afirmou que agora Bezos precisa ser coerente e parar de trabalhar com empresas de petróleo e gás ou financiar grupos que negam as mudanças climáticas.

No final de janeiro, outro bilionário também anunciou sua contribuição para lutar contra o aquecimento global. George Soros criou uma universidade internacional para combater crise climática e governos autoritários. O filantropo investirá US$ 1 bilhão em uma plataforma global de ensino. Um dos principais objetivos é promover os valores da sociedade aberta – incluindo a liberdade de expressão e a diversidade de crenças.

Leia também:
Concentração de CO2 na atmosfera da Terra bate novo recorde histórico
Planeta tem calor recorde em janeiro e Antártica a temperatura mais alta já registrada em sua história
‘Relógio do Fim do Mundo’ indica que mudanças climáticas e risco de uma guerra nos aproximam do apocalipse. Amazônia é citada
Um trilhão de árvores: a iniciativa global pela preservação da biodiversidade e combate às mudanças climáticas
Desastres climáticos estão entre cinco maiores preocupações para a próxima década em relatório do Fórum Econômico Mundial

Foto: divulgação Amazon

Suzana Camargo

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante 6 anos. Entre 2007 e 2011, morou na Suíça, de onde colaborou para publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Depois de dois anos e meio em Londres, vive agora em Washington D.C.

Deixe uma resposta