Jane Goodall recebe o Templeton Prize, prêmio internacional por trabalho que alia ciência e espiritualidade

Jane Goodall recebe o Templeton Prize, prêmio internacional por trabalho que alia ciência e espiritualidade

Jane Goodall é um consenso mundial. Seu trabalho dispensa apresentações. A cientista, primatóloga e antropóloga britânica, de 87 anos, dedicou sua vida ao estudo dos chimpanzés, à proteção da natureza e também, nas últimas décadas, a promover o acesso da educação aos jovens. Por toda sua linda e admirável trajetória, ela foi escolhida para receber o Templeton Prize 2021.

A premiação, concedida pela Fundação John Templeton, homenageia “indivíduos cujas realizações abraçam o poder das ciências para explorar as questões mais profundas do universo e do lugar e propósito da humanidade nele”.

Em 1960, aos 26 anos, munida de binóculos e um caderno de anotações, Jane Goodall deixou a Inglaterra e seguiu para a Tanzânia para estudar o universo dos chimpanzés.

Seis décadas depois, ela é considerada a maior especialista internacional nessa espécie e uma das mais importantes e respeitadas vozes quando o assunto é preservação ambiental.

Jane Goodall recebe o Templeton Prize, prêmio internacional por trabalho que alia ciência e espiritualidade

Jane, na Colômbia, num encontro com jovens do projeto Roots & Shoots

Além do trabalho em seu Jane Goodall Institute, a ativista e Embaixadora das Nações Unidas pela Paz viaja o mundo dando palestras e fazendo alertas sobre a crise climática e a extinção em massa da fauna e da flora do planeta. Em 1991, ela também fundou o Jane Goodall Institute’s Roots & Shoots, um programa para inspirar jovens a serem agentes de mudanças em suas comunidades. Atualmente o projeto está presente em 65 países.

Ao anunciar Jane Goodall como a recebedora do Templeton Prize deste ano, Heather Templeton Dill, neta do fundador da organização e sua atual CEO, lembrou que seu avó criou esse reconhecimento para celebrar aqueles que perseguem a curiosidade científica e espiritual para responder às perguntas mais profundas sobre o universo.

“Suas descobertas alteraram profundamente a visão de mundo da inteligência animal e enriqueceram nossa compreensão da humanidade de uma forma que é tanto humilde quanto exaltante. Em última análise, seu trabalho exemplifica o tipo de humildade, curiosidade espiritual e descoberta que meu avô, John Templeton, escreveu e falou durante sua vida”, afirmou Heather.

Por causa da pandemia, desde o ano passado Jane está reclusa em sua casa. Mas isso não a fez parar. Pelo contrário. Tem usado as redes sociais ativamente e participado de palestras, encontros virtuais e podcasts. E descobriu que desta maneira, com a ajuda da tecnologia, consegue atingir ainda mais pessoas ao redor do mundo. Foi assim, pela internet, que gravou um vídeo para falar sobre sua trajetória e como ela enxerga mágica na natureza.

“Quando estou na floresta sinto esse poder e força espiritual muito fortes e que está presente em todos os seres ao seu redor. Para mim essa força espiritual é o que chamamos de alma ou espírito e se nós a temos, as outras criaturas também a têm”, acredita. “Espero que consigamos aprender a ter um novo tipo de relação com o mundo natural, do qual nós somos parte e dependemos para a nossa própria existência”.

Jane contou que desde pequena era muito curiosa. Que quando tinha quatro ou cinco anos ficou horas acompanhando uma galinha para descobrir como ela botava ovos. E desde então, soube que seu lugar era ao lado da natureza.

“Aprendi mais sobre os dois lados da natureza humana e estou convencida de que existem mais pessoas boas do que más. Há tantos enfrentando tarefas aparentemente impossíveis e tendo sucesso. Somente quando a cabeça e o coração trabalham em harmonia podemos atingir nosso verdadeiro potencial humano”, diz a primatóloga.

Jane Goodall recebe o Templeton Prize, prêmio internacional por trabalho que alia ciência e espiritualidade

Uma das mais famosas fotos de Jane, ao lado de um chimpanzé, na Tanzânia

Ao ser perguntada por Heather qual seria das suas descobertas qual a deixa mais orgulhosa, ela respondeu. “Descobrir que animais são seres sencientes, que têm sentimentos. Acho que nasci sabendo disso porque sempre amei animais”, revelou.

Jane é a primeira etóloga (especialidade da biologia que estuda o comportamento animal) e a quarta mulher a receber o Templeton Prize desde seu início em 1972. O prêmio, de cerca de U$ 1,5 mihão, já foi concedido a outras inesquecíveis personalidades da história mundial como Dalai Lama, Madre Teresa e o reverendo Desmond Tutu.

Em 2019, o físico brasileiro Marcelo Gleiser se tornou o primeiro latinoamericano a ser homenageado com o Templeton.

No vídeo abaixo, em inglês, Jane Goodall fala sobre sua vida, sua emoção em estar perto da natureza e como ela acredita que tudo no planeta está interligado, por isso mesmo, é essencial a proteção de cada espécie que habita a Terra:

E logo a seguir, assista ao vídeo em que Jane recebe, virtualmente, o Templeton Prize:

Leia também:
“A Covid-19 e a crise climática são terríveis manifestações da falta de compreensão e respeito pelo mundo natural”, diz Jane Goodall

“Precisamos ter mais compaixão e respeito pelos animais e por seus habitats para criar um futuro melhor”, alerta Jane Goodall
Animação de poema infantil sobre um novo olhar para a natureza pós-pandemia ganha a narração de Jane Goodall

Pela primeira vez em seus 175 anos, publicação científica declara apoio a candidato a presidente nos Estados Unidos

Fotos: divulgação Templeton Prize/reprodução Facebook Jane Goodall/ Shawn Sweeney (abertura)

Suzana Camargo

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante 6 anos. Entre 2007 e 2011, morou na Suíça, de onde colaborou para publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Depois de dois anos e meio em Londres, vive agora em Washington D.C.

Um comentário em “Jane Goodall recebe o Templeton Prize, prêmio internacional por trabalho que alia ciência e espiritualidade

  • 21 de maio de 2021 em 2:45 PM
    Permalink

    Um prêmio mais do que merecido, Jane, pela sua empatia, compreensão, consciência, compaixão, alma e coração em favor da Natureza e dos animais. Humildemente beijo suas mãos, irmã, pedindo a Deus a proteja e guarde sob Seu Olhar de Pai.

    Resposta

Deixe uma resposta