Jacutinga, espécie em risco de extinção, é reintroduzida na natureza, em reserva de Mata Atlântica em Minas Gerais

Jacutinga, espécie em risco de extinção, é reintroduzida na natureza, em reserva de Mata Atlântica em Minas Gerais

Originalmente, a jacutinga (Aburria jacutinga) era encontrada desde o sul da Bahia até o Rio Grande do Sul, norte da Argentina e Paraguai, porém atualmente ela ocorre apenas em poucas áreas protegidas de Mata Atlântica. Infelizmente, essa linda ave desapareceu de nossas matas.

“As principais causas da diminuição dos planteis nativos foram os desmatamentos, pois causam a degradação do seu habitat natural, e a caça indiscriminada, que reduziu muito suas populações, o que já ocasionou a extinção da espécie em muitas regiões do Brasil onde era abundante. Acredite, ela é caçada até em reservas protegidas por lei”, afirma o criador Roberto Azeredo, fundador da CRAX- Sociedade e Pesquisa da Fauna Silvestre.

A coloração dessa ave é belíssima. A espécie possui penas predominantemente negras com tons arroxeados, detalhes em branco nos ombros e na cabeça, bico azulado e nas barbelas as cores azul e vermelha. Outra característica que a difere dos representantes do gênero Aburria é a fronte negra e a região ao entorno dos olhos em branco. E quando fica em estado de alerta, ganha uma um crista eriçada e branca.

Jacutinga, espécie em risco de extinção, é reintroduzida na natureza, em reserva de Mata Atlântica em Minas Gerais

E na semana passada o colorido da jacutinga voltou a uma pequena área de Mata Atlântica da região Sudeste. Graças aos esforços de três criatórios – o CRAX de Minas Gerais, o Tropicus de São Paulo e o Criadouro Guaratuba, do Paraná -, foi realizada a reintrodução de quatro casais de jacutinga na Reserva Ambiental do Ibitipoca, próximo ao município mineiro de Lima Duarte.

“A jacutinga é uma ave símbolo de resistência, que ainda habita a Mata Atlântica. Ela presta serviços ambientais muito importantes, pois é considerada uma das principais dispersoras das sementes do palmito-juçara, espécie vegetal também ameaçada de extinção”, enfatiza Victor Fasano, fundador do criadouro Tropicus. “Ao realizar suas migrações altitudinais, vão subindo e descendo morros, seguindo a frutificação do palmito, o seu fruto predileto, e acabam dispersando as sementes por toda região”, explica.

Jacutinga, espécie em risco de extinção, é reintroduzida na natureza, em reserva de Mata Atlântica em Minas Gerais

A espécie não costuma fazer voos longos. Permanece a maior parte do tempo na copa das árvores. Quando vai ao chão, é sempre por pouco tempo. Sua dieta é muito diversificada. “Além da semente do palmito, come vários frutos pequenos e é grande admiradora do fruto da embaúba. Prefere comer as frutas no alto das árvores e não no chão. Se alimenta também de folhas, flores e insetos”, conta o criador da CRAX.

A partir de agora, os casais de jacutinga serão monitorados por funcionários da Reserva de Ibitipoca, envolvidos nas atividades de segurança, ações de combate a incêndios, além de pesquisadores que fazem estudo na propriedade.

“Essas pessoas estão sendo orientadas a registrar todos os avistamentos com o máximo de detalhes, com informações sobre, por exemplo, quantidade de indivíduos avistados, horário, comportamento e outros dados julgados importantes”, destaca Azeredo.

Jacutinga, espécie em risco de extinção, é reintroduzida na natureza, em reserva de Mata Atlântica em Minas Gerais

A intenção do grupo é soltar mais 15 casais de jacutinga até 2021

“É um orgulho fazer parte desta história. Acompanhei o trabalho desde a seleção dos pais, a incubação dos ovos, o desenvolvimento dos filhotes até esse ponto alto: o momento de soltura na natureza. Apesar dos 1.200 mil quilômetros que percorremos para chegar até Lima Duarte, não poderia deixar de participar deste momento muito especial e emocionante”, revela Wasilewski.   

O trabalho dos três criatórios mostra como é importante a reprodução em cativeiro realizada por essas instituições. Através delas, é possível fazer a reintrodução de espécies na natureza, que já tinham sido extintas na vida selvagem.

Da esquerda pra direita: Marcos Wasilewski, Roberto Azeredo
e Victor Fasano

Leia também:
Jacutinga volta à Mata Atlântica graças ao trabalho de biólogos brasileiros
Cerca de 48 espécies de mamíferos e aves são salvas da extinção graças a esforços de conservação, entre elas, algumas brasileiras
Ararinhas-azuis chegam ao Brasil para início do processo de reintrodução na natureza

Fotos: Edgar Fernandez

Suzana Camargo

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante 6 anos. Entre 2007 e 2011, morou na Suíça, de onde colaborou para publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Depois de dois anos e meio em Londres, vive agora em Washington D.C.

Um comentário em “Jacutinga, espécie em risco de extinção, é reintroduzida na natureza, em reserva de Mata Atlântica em Minas Gerais

  • 19 de outubro de 2020 em 6:05 AM
    Permalink

    Parabéns aos envolvidos na reintrodução desta belíssima espécie na natureza!
    Lamentavelmente, o ser humano, mais uma vez, sendo responsável por quase extinguir uma espécie da fauna exuberante, porém a força de vontade em impedir essa ação catastrófica foi superior. Isso graças à pessoas que fazem a diferença!

    Resposta

Deixe uma resposta