Israel se torna primeiro país do mundo a proibir comercialização de peles de animais

Israel se torna primeiro país do mundo a proibir comercialização de peles de animais

“Usar a pele e os pelos de animais selvagens para a indústria da moda é imoral e certamente desnecessário. Casacos de pele de animais não podem encobrir a indústria de assassinatos brutais de quem os fabrica”, afirmou a ministra de Proteção ao Meio Ambiente de Israel, Gila Gamliel, ao assinar a nova lei que proíbe a venda, incluindo a importação e exportação, de peles de animais naquele país.

“A indústria de peles causa a morte de centenas de milhões de animais em todo o mundo e inflige crueldade e sofrimento indescritíveis. A assinatura desta lei tornará o mercado da moda israelense mais ecologicamente correto e muito mais gentil com os animais”, garantiu Gamliel.

A nova legislação, que conta com aprovação de 86% dos israelenses, entra em vigor em seis meses. Todavia, há uma exceção para “as necessidades de pesquisa, educação e certas tradições religiosas”. Neste último caso, quer dizer que os judeus ortodoxos poderão continuar a a fabricar o “Schtreimel”, um chapéu feito com rabos de alguns animais, como a raposa.

O Ministério da Proteção ao Meio Ambiente de Israel celebrou a decisão e afirma ser o primeiro país do mundo a tornar ilegal a comercialização da pele animal. Há, entretanto, várias legislações estaduais e municipais em outras nações que já baniram esse comércio. É o caso, por exemplo, de São Paulo, no Brasil, e a Califórnia, nos Estados Unidos.

“Esta vitória histórica irá proteger incontáveis raposas, visons, coelhos e outros animais de serem violentamente mortos por suas peles”, afirmou a organização PETA em comunicado.

“Há outra razão pela qual todos os países devem seguir os passos de Israel: agrupar animais doentes e estressados em condições nada higiênicas em fazendas de peles cria o terreno fértil perfeito para doenças mortais. O novo coronavírus foi encontrado em fazendas de pele de vison em uma dúzia de países – Canadá, Dinamarca (onde uma variante da doença em humanos infectou visons), França, Grécia, Itália, Letônia, Lituânia, Holanda, Polônia, Espanha, Suécia e os EUA – resultando no massacre emergencial de dezenas de milhões de animais”, alertou a PETA (leia mais sobre o sacrifício dos visons nesta outra reportagem).

Leia também:
Campanha internacional pede fim do comércio de peles de animais e alerta sobre risco de nova pandemia
STF valida lei do Rio de Janeiro que proíbe testes em animais pelas indústrias de higiene pessoal e limpeza
Marca de roupas que usa pele de coiotes e penas de aves sofre boicote internacional
Artistas retratam sofrimento de animais na campanha e exposição “Sinta na Pele”

Foto: pixabay/domínio público

Suzana Camargo

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante 6 anos. Entre 2007 e 2011, morou na Suíça, de onde colaborou para publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Depois de dois anos e meio em Londres, vive agora em Washington D.C.

Deixe uma resposta