Inspirada nos sapos amazônicos, coleção de calçados leva biomateriais e resíduos reciclados

Inspirada nos sapos amazônicos, nova coleção de sandálias leva biomateriais e resíduos reciclados

A Amazônia é o lar de milhares de espécies de plantas e animais. É considerada um dos maiores hotspots da biodiversidade do planeta. Entre os muitos habitantes da maior floresta tropical do mundo estão os sapos da família Dendrobatidae, popularmente chamados de sapos ponta de flecha. Pequenos, coloridos e venenosos, recebem esse nome porque em alguns lugares, como na Colômbia, a toxina de sua pele é usada em dardos de zarabatana para a caça de presas por indígenas.

E foi nos sapos ponta de flecha que o designer brasileiro Pedro Andrade criou a nova coleção de calçados para a marca Rider.

“Comecei a realizar uma pesquisa na Fauna Amazônica, e durante meus primeiros meses de pesquisa, percebi minha obsessão pelos sapos ponta de flecha, os famosos sapinhos venenosos da Amazônia. Encontrei neles, atrás da beleza de cores, texturas e formas, uma maneira de fazer com que as pessoas prestassem atenção em um assunto importante, que é a preservação da Floresta Amazônica, tanto da fauna quanto da flora”, diz Pedro.

Segundo o estilista, as padronagens em alto relevo têm partes translúcidas que remetem à textura da pele do sapo. Já o formato da parte traseira lembra a perna dobrada do anfíbio. Por último, a sola vem com formas em alusão às patas do animal.

Inspirada nos sapos amazônicos, nova coleção de sandálias leva biomateriais e resíduos reciclados

As peças da coleção Rider FrogR + P. Andrade são fabricadas com matéria-prima 100% reciclável e estão disponíveis nas cores preta e laranja. As partes em EVA têm pelo menos 25% da composição com origem na cana-de-açúcar e as em PVC têm em média 30% de material reciclado pré-consumo, ou seja, com reaproveitamento de resíduos que seriam descartados.

Inspirada nos sapos amazônicos, nova coleção de sandálias leva biomateriais e resíduos reciclados

De acordo com a Rider, todos os calçados da marca são veganos, certificados pela Vegan Society do Reino Unido.

“A ideia foi criar um calçado que fosse inspirado nas formas e nas cores dos sapos, e que carregam os princípios de sustentabilidade do berço ao berço, feito com polímeros à base de plantas e com baixo carbono”, ressalta Pedro.

Leia também:
Com ajuda de arte e educação, biólogos querem salvar da extinção os sapos-arlequim, entre eles, dois brasileiros
A ‘balada’ dos répteis e anfíbios na Amazônia
Duas novas espécies de “sapos-de-vidro”, com pele transparente, são descobertas em florestas tropicais da região dos Andes, no Equador

Montagem de abertura: divulgação Rider e foto do sapo (Adelphobates galactonotus) cedida gentilmente pelo biólogo Pedro Peloso/Projeto DoTS

Deixe uma resposta

Suzana Camargo

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante 6 anos. Entre 2007 e 2011, morou na Suíça, de onde colaborou para publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Depois de dois anos e meio em Londres, vive agora em Washington D.C.