Iniciativa do governo do Maranhão conecta empreendedores solidários e consumidores

Empreendimentos da economia solidária, que comercializam seus produtos e serviços especialmente em feiras, eventos e espaços públicos, enfrentam muitas dificuldades com a pandemia do coronavirus e a consequente necessidades de isolamento social.

Para ajudar a melhorar esse quadro, o governo do estado do Maranhão lançou a proposta de uma plataforma virtualReSolVi – Rede Solidária de Comércio Virtual -para dar visibilidade aos produtos e empreendimentos solidários, além de promover acesso a capacitações e linhas de crédito aos empreendedores.

A ideia é que os empreendedores, formais ou informais, possam comercializar itens e serviços mesmo na quarentena. Podem integrar a plataforma empreendimentos solidários, familiares, microempreendedores, autônomos, prestadores de serviços e demais trabalhadores que atuam nesse segmento.

O projeto é coordenado pela Secretaria de Estado do Trabalho e da Economia Solidária (Setres) e, neste momento, acolhe as inscrições dos interessados em integrar a Rede, que tem a ambição de se tornar referência estadual e nacional no comércio solidário e virtual. Seu objetivo é contribuir para o fortalecimento da cultura da economia solidária, da geração de trabalho e renda, da promoção do desenvolvimento local, ambiental e social de modo sustentável.

“O objetivo é ampliar os resultados e alcançar a população, ajudando a superar esse momento difícil”, diz o titular da Setres, Jowberth Alves. Ele destaca que, simultaneamente a essa ação direta da secretaria, parcerias estão sendo firmadas com outros órgãos estaduais para reforçar o trabalho de apoio aos micro e pequenos empreendedores maranhenses.

Incentivo e ações concretas

Em São Luiz, capital do Maranhão, o governo do estado faz a gestão compartilhada com pequenos agricultores do Cresol (Centro de Referência Estadual em Economia Solidária), criado em 2018. Lá são atendidos quase 50 empreendimentos, de 27 municípios, com oferta de formações e espaço para exposição e comercialização dos produtos e serviços. A Setres informa que prevê a implementação de mais unidades do Cresol nas cidades de Alcântara e Rosário.

Em 2019, o governo desse estado deu início à realização do circuito de feiras territoriais na região metropolitana de São Luís, investindo em equipamentos e estruturação dos eventos. No fim do mesmo ano, assinou termo de colaboração com a Associação Agroecológica Tijupá para fortalecer a iniciativa em 2020. A projeção era alcançar uma média de 20 empreendimentos, beneficiando de forma direta cerca de 250 famílias.

Também tem promovido outras frentes de fomento junto a catadores de materiais recicláveis e por meio do projeto Maranhão Desenvolvido, Mais Justo e Solidário, que atende mais de uma centena de empreendimentos em 50 municípios de várias regiões do estado, oferecendo formações para gestão em associativismo e cooperativismo, assessoramento técnico e doação de equipamentos e insumos.

Aqui, seguimos na torcida para que o ReSolVi tenha êxito e se torne mais um passo no fomento à economia solidária no Maranhão. Acompanharemos de perto o desdobrar da iniciativa.

Com informações da Agência de Notícias do Maranhão

Foto: Andrea Piacquadio/Pexels

Mônica Ribeiro

Jornalista e mestre em Antropologia. Coordenou a Comunicação da Secretaria do Verde da Prefeitura de São Paulo – quando criou as campanhas ‘Eu Não Sou de Plástico’ e, em parceria com a SVB, a ‘Segunda Sem Carne’. Colabora com a revista Página 22, da FGV-SP e com a Plataforma Parceiros Pela Amazônia, e atua nas áreas de meio ambiente, investimento social privado, economia solidária e negócios de impacto, linkando projetos e pessoas na comunicação para um mundo melhor

Deixe uma resposta