Inglaterra anuncia fundo de £1 bilhão para ajudar estudantes a recuperar conteúdo perdido durante fechamento de escolas

Inglaterra anuncia fundo de £1 bilhão para ajudar estudantes a recuperar conteúdo perdido durante fechamento de escolas

Dados das Nações Unidas apontam que o fechamento das escolas em 188 países, por causa da pandemia da COVID-19, deixou em casa cerca de 1,5 bilhão de estudantes. Em alguns países – os mais ricos -, foi possível adotar um sistema de ensino à distância, pela internet, mas isso não é uma realidade em nações mais pobres.

Na Inglaterra, as escolas foram fechadas em 20 de março. A única exceção foi feita para crianças pequenas, filhos de trabalhadores essenciais, como médicos/as e enfermeiros/as, que continuaram a ser recebidos nas salas de aula.

Recentemente, as escolas foram reabertas, mas com medidas de distanciamento social, e apenas de algumas séries. Os alunos do Ensino Médio só estarão em sala de aula quando todas as escolas voltarem a funcionar, normalmente, promete o governo, no início do próximo ano letivo, em setembro.

Para ajudar esses estudantes que deixaram de ter o apoio presencial de professores e também, grande parte do conteúdo, o primeiro-ministro do Reino Unido, Boris Johnson, anunciou um fundo de £1 bilhão, cerca de R$ 6 bilhões.

O dinheiro deverá ser usado no reforço necessário para os estudantes com maior dificuldade, de comunidades mais vulneráveis. Do total, £650 milhões serão destinados aos Ensinos Fundamental I e II.

Apesar da divulgação do investimento, alguns especialistas do setor de educação afirmaram que o valor não é suficiente para fazer o que realmente é necessário.

Já para aqueles que vivem em países em que seus governos nem cogitam tentar auxiliar a área de educação em tempos normais, quem dirá em meio a uma pandemia, a atitude de Boris Johnson parece ser louvável e responsável.

O Reino Unido aparece como o 5o colocado no ranking global que indica o número de pessoas contaminadas pela COVID-19. 306 mil britânicos testaram positivo para o coronavírus e mais de 47 mil morreram.

O primeiro-ministro britânico foi um daqueles que contraiu o coronavírus e precisou ser hospitalizado, mas não teve seu quadro agravado. Após receber alta, mudou seu comportamento para enfrentar a pandemia. O Reino Unido foi o último país da Europa a impor o chamado “lockdown”, a determinação de que todas as pessoas ficassem em casa e os serviços não essenciais fossem fechados.

Leia também:
Tecnologia para o bem: um direito de todas as crianças, durante a quarentena e fora dela
1,5 bilhão de crianças no mundo sofrem impacto pelo fechamento de escolas: 369 milhões dependem da merenda para se alimentar
Professor da rede pública fala dos desafios do ensino virtual durante a pandemia
80 milhões de crianças deixam de ser vacinadas contra sarampo, polio e difteria por causa da pandemia de COVID

Foto: domínio público/pixabay

Suzana Camargo

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante 6 anos. Entre 2007 e 2011, morou na Suíça, de onde colaborou para publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Depois de dois anos e meio em Londres, vive agora em Washington D.C.

Deixe uma resposta