Infância ao ar livre e com autonomia, o legado inspirador de Paulo Freire


Em 19 de setembro de 1921, nasceu em Recife (PE), o menino Paulo Freire. Criado com mais três irmãos, aprendeu a ler e escrever embaixo do pé de manga com seus pais. Apenas aos 16 anos ingressou na escola e aos 21 já iniciou a docência.  

Ao longo de sua trajetória, esse educador, que foi considerado como patrono da educação brasileira em 2012, escreveu dezenas de livros, que foram traduzidos em cerca de 30 países e construiu um grande legado para a educação.

Foto: Divulgação

Para quem tem acompanhado o trabalho do programa Criança e Natureza, do Instituto Alana, sabe que há alguns anos nós defendemos a importância do desemparedamento da infância, ideia tão bem traduzida pela professora Léa Tiriba (UNIRIO).

Se Richard Louv, em seu livro A última criança na natureza (2015) nos chamou à atenção para o transtorno de déficit de natureza, Tiriba propôs um caminho e chamou a atenção à necessidade da criança em ter mais experiências ao ar livre e junto à natureza, considerando sua filiação a ela e os benefícios dessa vivência para o seu desenvolvimento integral.    

Essa ideia, embora tenha ganhado alguma força nos últimos anos, não é necessariamente nova. Desde o início do século passado, Anísio Teixeira, Mário de Andrade, Darcy Ribeiro, Paulo Freire, entre outros, já vinham estabelecendo referências brasileiras para uma educação que considerasse no processo de ensino aprendizagem a experiência dos estudantes em todas as dimensões da vida humana: física, social, cultural e emocional, constituindo assim bases para o que se entende hoje como educação integral.

A sabedoria das comunidades tradicionais

Indo um pouco mais longe, uma infância desemparedada é vivida por muitas comunidades tradicionais no Brasil. Indígenas, quilombolas, caiçaras, ribeirinhos e suas crianças têm como base da sua formação a experiência no território que habitam. A prática tem centralidade em toda formação do indivíduo e a relação com a natureza é constitutiva para o repertório de saberes socioambientais e culturais dessas comunidades – saberes esses, inclusive, responsáveis pela conservação do seu meio ambiente

Paulo Freire também foi fundamental para o desenvolvimento desta ideia.

O educador questionou concepções presentes até a primeira metade do século XX, que consideravam o/a estudante com um receptáculo de conhecimentos a serem transmitidos pela escola, o que ele denominava como educação bancária.

Freire reconhecia e validava os saberes do ser humano em sua experiência no mundo, se referia como “a assunção [de assumir] da identidade cultural” e apontava como o apagamento desses saberes na relação entre opressores e oprimidos era, acima de tudo, uma questão política e, por isso, a educação não poderia ser neutra.

A marca do seu trabalho com a alfabetização de pessoas adultas foi um bom exemplo disso.

Em vez de considerar que os adultos analfabetos (o que era cerca de 40% da população na década de 60[1]), que nunca tinham conseguido terminar os estudos, como pessoas que sabem menos, ele fazia o contrário. Partia dos saberes e da leitura de mundo de cada um deles para fazer processos de alfabetização.

Para alfabetizar, escolhia as palavras do universo de cada um deles: tijolos, cerâmicas, canoa tornando a aquisição da escrita muito mais significativa (também dizem que mais rápida). 

Freire dizia que não há docência sem discência: “As duas se explicam e seus sujeitos, apesar das diferenças que os conotam, não se reduzem à condição de objeto, um do outro. Quem ensina aprende ao ensinar e quem aprende ensina ao aprender”[2].

Certamente um dos fatores que favorece o desemparedamento da infância e a constituição de territórios educativos, algo que realmente ajuda educadores e educadoras a irem além dos espaços escolares, é certa convicção de que os estudantes aprendem.

Talvez não aprenda aquilo que o/a educador(a) tinha intenção em certo momento, talvez aprenda o mesmo conteúdo da sala de aula de modo diverso e, quem sabe ainda, aprendam coisas que nunca aprenderiam dentro de quatro paredes.

Agentes de transformação

Saber ver o que aprendemos enquanto ensinamos, é uma das bonitezas da educação, como diria o autor. 

Reconhecer que os estudantes aprendem é respeitar sua leitura de mundo, é respeitar os saberes “socialmente construídos na prática comunitária”. Além disso, Freire incentivou que homens e mulheres fossem agentes de transformação de suas histórias e de sua realidade. Ele considerava importante discutir com os alunos a razão de ser de alguns desses saberes em relação ao ensino dos conteúdos.

“Por que não aproveitar a experiência que têm os alunos de viver em áreas da cidade descuidadas pelo poder público para discutir, por exemplo, a poluição dos riachos e dos córregos e os baixos níveis de bem estar das populações, os lixões e os riscos que oferecem à saúde das gentes?”[3]

As relações que cada estudante tem com sua realidade e com seu território são matérias-primas para processos educativos. É olhar o mundo e problematizá-lo na busca por sua transformação, para que ele seja mais justo, humano e igualitário para todo mundo.

São muitos anos de um padrão de ensino e aprendizagem que não considerou esse mundo de possibilidades infinitas presentes do lado de fora. Mas, ao mesmo tempo, temos Freire e tantos/as outros/as que nos deixaram um enorme legado inspirador que não está em paredes, carteiras ou grades escolares. Ele está no olhar para o céu, no toque da terra, da água, de um brotinho de feijão ou, logo ali, na sombra de uma mangueira.  


[1] Dado consultado em Dados do Analfabetismo no Brasil. Inep, 2016.  Acessado em setembro de 2021.
[2] Freire, Paulo. Pedagogia da Autonomia. 1996, pg.25 
[3] Freire, Paulo. Pedagogia da Autonomia. 1996, pg.33 

Foto: Rinaldo Martinucci

Leia também:
A última criança na natureza

Richard Louv e a reconexão com a natureza

Por mais parques, mais natureza e mais autoria na vida das crianças

Paula Mendonça

Mestre em educação pela Universidade de São Paulo, com pesquisa sobre infância indígena. Atuou cerca de 10 anos no Parque do Xingu por meio do Instituto Socioambiental. É co-diretora do curta metragem Waapa, realizado em parceria com o Projeto Território do Brincar. É assessora pedagógica do Programa Criança e Natureza do Alana. Mãe da Nina e Luana.

Deixe uma resposta