PUBLICIDADE

Incríveis criaturas, muitas desconhecidas da ciência, são descobertas em expedição a novos parques marinhos na Austrália

Incríveis criaturas, muitas desconhecidas da ciência, são descobertas em expedição a novos parques marinhos na Austrália

Em abril, o governo da Austrália anunciou a criação de dois novos parques de conservação marinha, numa área duas vezes maior que a Grande Barreira de Corais, localizada a 2.500 km da costa noroeste do país. Comumente chamada de “Galápagos australiana”, a região que circunda as ilhas Christmas e Cocos (Keeling), no Oceano Índico, passou a ter toda sua rica biodiversidade protegida. E como afinal, “só se protege aquilo que se conhece”, pesquisadores embarcaram numa expedição para estudar sua fauna. E as primeiras descobertas já deixaram os cientistas de boquiabertos…

Nas primeiras coletas realizadas pelos pesquisadores do Museums Victoria Research Institute (MVRI) nas ilhas Cocos foram encontradas criaturas incríveis, muitas ainda não descritas pela ciência. Segundo Tim O’Hara, biólogo marinho e cientista chefe da expedição, cerca de 1/3 dos animais devem ser novas espécies.

É o caso de uma enguia impressionante, cega, com o corpo transparente.

PUBLICIDADE

“Ela tem olhos afundados, de fato, se você ver a foto, verá que são como pequenas depressões douradas na pele. Além disso, possui uma pele muito solta, flácida e gelatinosa e é incrivelmente rara”, explica Dianne Bray, uma das cientistas a bordo da expedição do MVRI, em entrevista à ABC News Australia.

Incríveis criaturas, muitas desconhecidas da ciência, são descobertas em expedição a novos parques marinhos na Austrália

Muitas criaturas têm bioluminescência para que suas luzes atraiam presas
ou para usá-las como camuflagem no fundo do mar
(Foto: Ben Healley/Museums Victoria)

Com a ajuda de sonares aquáticos, a equipe está também mapeando, pela primeira vez, montes submarinos, cones vulcânicos, cordilheiras e cânions formados entre 140 a 50 milhões de anos atrás.

Antes mesmo do navio fazer a primeira parada, cientistas já divulgavam em suas redes sociais imagens de peixes raríssimos, como as abaixo, voando acima da água, como as compartilhadas pelo fotógrafo e ictiologista (especialista do ramo da zoologia que estuda os peixes), Yi-Kai Tea.

Incríveis criaturas, muitas desconhecidas da ciência, são descobertas em expedição a novos parques marinhos na Austrália

No total, foram 35 dias de viagem, que cobriu uma área de 13 mil km2. Os pesquisadores usaram redes para coletar peixes e outros organismos marinhos, que têm vivem numa profundidade entre 60 e 5.500 metros. As redes são colocadas no solo e ficam ali por aproximadamente 30 minutos antes de serem trazidas para a superfície.

Depois disso, os cientistas fazem um trabalho minucioso de separação das espécies, que posteriormente serão analisadas em laboratórios.

São criaturas diferentes de tudo que nós, leigos, já vimos, como por exemplo, o incrível peixe-morcego, na imagem que abre este post, que mais parece um pequeno ravióli, com um rosto sorridente. Observado no fundo do mar, ele se arrasta sob suas pequenas patas atarracadas com grandes ‘pés’.

Incríveis criaturas, muitas desconhecidas da ciência, são descobertas em expedição a novos parques marinhos na Austrália

O pequenino peixe-morcego
(Foto: Ben Healley/Museums Victoria)

Outro achado inédito foi de um peixe que se apoia sobre uma espécie de tripé. Ele usa suas barbatanas para ficar acima do chão e conseguir pegar suas presas.

Todavia, o processo de descrição de uma nova espécie pode demorar até alguns anos. Além de exames de DNA, é preciso também fazer a comparação morfológica com outros espécimes parecidos e com relatos científicos anteriores.

“A vida no fundo do mar é muito pouco conhecida”, diz Dianne Bray. “Às vezes temos nódulos gigantes de manganês e peixes e invertebrados misturados lá, às vezes temos principalmente peixes… Temos apenas uma pequena rede, então há muito mais animais que vivem lá que não coletamos”.

O impressionante peixe-tripé
(Foto: Ocean Exploration Trust/WoRMS via @FishesAustralia)

Leia também:
Austrália anuncia proteção de 30% de seu território ao incluir 15 novas espécies em lista de risco de extinção
Pequeno tubarão recém-descoberto na Austrália caminha com as barbatanas e suporta ambientes sem oxigênio, além de altas temperaturas
Regiões central e ao norte da Grande Barreira na Austrália registram a maior cobertura de corais dos últimos 36 anos
Cientistas descobrem nas águas da Austrália a maior planta do planeta: com 180 km de extensão e cerca de 4.500 anos

Fotos: divulgação Museums Victoria

Comentários
guest

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Notícias Relacionadas
Sobre o autor
PUBLICIDADE
Receba notícias por e-mail

Digite seu endereço eletrônico abaixo para receber notificações das novas publicações do Conexão Planeta.

  • PUBLICIDADE

    Mais lidas

    PUBLICIDADE