Imagens do fotógrafo mineiro Augusto Gomes ilustram exposição, na França, sobre a Amazônia

“A Amazônia fica a 8.000 km de Évreux e ainda assim, é tão importante para nós. Venha descobrir a Amazônia: suas maravilhas, os perigos que a ameaça, mas também as ações tomadas para preservá-la … Como, mesmo daqui, podemos agir para protegê-la?”

É esse o convite que os curadores da exposição Notre Amazonie, no Jardin Botânico da cidade de Évreux, a cerca de 100 km da capital Paris, na França, fazem a seus visitantes.

A mostra traz imagens da floresta, de sua fauna e flora, e também dos povos amazônicos. O principal objetivo é levar essas histórias aos olhos do mundo e delinear estratégias para a conservação da maior floresta tropical do mundo.

E o fotógrafo e biológo mineiro, Augusto Gomes, que é um dos nossos queridos colaboradores aqui, no Conexão Planeta, foi convidado a fazer parte da exposição com imagens que fez em algumas de suas expedições à Amazônia.

“Eu contei a eles sobre minhas experiências na região e a realidade local. Também sobre o modo de vida dos povos amazônicos e encontros inusitados, com fauna e flora, que tive por lá”, conta Augusto.

O fotógrafo já esteve na Amazônia cinco vezes, entre 2015 e 2019. Sempre a trabalho, ficava em acampamentos, durante vários meses, isolados no meio da floresta. “Todas as vezes foi uma experiência magnífica, ainda mais para um mineiro, do sertão, das montanhas e do Cerrado”, diz. “Sair daqui e ir para aquele tapete verde é incrível. Lá a água é “rei” e o que predomina são os grandes rios”.

Augusto revela que é essa grandiosidade da floresta, com suas imensas copas, que ele tenta passar através da fotografia. “É uma floresta que pulsa, respira, cheia de vida”, ressalta. “Tudo lá me impressiona muito, seja como fotógrafo ou biólogo”.

Além dos registros do brasileiro, a exposição na França conta ainda com imagens feitas pela Associação belga Frontière de Vie.

“Eu entendo a importância sistêmica da Amazônia para o mundo, já que ela participa de toda a ciclagem de carbono e da água, da regulação do clima global, uma influência que se estende muito além da bacia amazônica. Ela é um termômetro para o planeta. Para mim como biólogo isso é muito claro, mas para muita gente não é. Por isso meu papel é transmitir esse amor que tenho pela biodiversidade e também, a informação científica para as pessoas.

Abaixo algumas das fotos feitas por Augusto Gomes na Amazônia e que fazem parte da exposição:

Imagens do fotógrafo mineiro Augusto Gomes ilustram exposição, na França, sobre a biodiversidade e a preservação da Amazônia
Imagens do fotógrafo mineiro Augusto Gomes ilustram exposição, na França, sobre a biodiversidade e a preservação da Amazônia
Imagens do fotógrafo mineiro Augusto Gomes ilustram exposição, na França, sobre a biodiversidade e a preservação da Amazônia
Imagens do fotógrafo mineiro Augusto Gomes ilustram exposição, na França, sobre a biodiversidade e a preservação da Amazônia
Imagens do fotógrafo mineiro Augusto Gomes ilustram exposição, na França, sobre a biodiversidade e a preservação da Amazônia
Imagens do fotógrafo mineiro Augusto Gomes ilustram exposição, na França, sobre a biodiversidade e a preservação da Amazônia
Imagens do fotógrafo mineiro Augusto Gomes ilustram exposição, na França, sobre a biodiversidade e a preservação da Amazônia

Leia também:
Floresta Amazônica: em prosa e imagens

Fotos: Augusto Gomes

Suzana Camargo

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante 6 anos. Entre 2007 e 2011, morou na Suíça, de onde colaborou para publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Depois de dois anos e meio em Londres, vive agora em Washington D.C.

Deixe uma resposta