ICMBio apreende mais de 1 mil cabeças de gado sendo criadas em uma Unidade de Conservação no Pará

ICMBio apreende mais de 1 mil cabeças de gado sendo criadas em uma Unidade de Conservação no Pará

Fiscais do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) apreenderam há poucos dias 1,3 mil cabeças de gado em duas fazendas dentro Reserva Biológica (Rebio) Nascentes da Serra do Cachimbo, no Pará. Essa Unidade de Conservação Federal (UC) foi criada em 2005 e segundo a legislação ambiental brasileira é de “uso restrito”, ou seja, propriedades privadas são proibidas dentro de sua área e só é permitida a presença nela de pesquisadores e estudantes.

Os animais estavam sendo criados no centro da UC e foram apreendidos durante a chamada Operação X do ICMBio. Com o uso de imagens de satélites e ferramentas de geoprocessamento foram localizados focos de desmatamento ilegal na região.

Além do gado, foi embargada uma área de 26 mil hectares e aplicadas multas que chegaram a R$ 40 milhões. Todavia, os responsáveis pelas fazendas já tinham sido multados outras 16 vezes. Os animais apreendidos foram doados à Agência de Defesa Agropecuária do Pará.

Segundo o ICMBio, os infratores ficam impedidos ainda de registrar rebanhos criados ilegalmente e de receberem guias de transporte desses animais.

A Reserva Biológica Nascentes da Serra do Cachimbo tem 342 mil hectares de ecossistemas de grande riqueza e importância, numa área de transição entre os biomas Cerrado e Amazônia. Ela abriga nascentes formadoras das bacias dos rios Xingu e Tapajós.

Mas a reserva fica situada justamente na região do Arco do Desmatamento, às margens da BR – 163, onde a fronteira agropecuária avança em direção à floresta e também onde encontram-se os mais altos índices de desmatamento da Amazônia.

ICMBio apreende mais de 1 mil cabeças de gado sendo criadas em uma Unidade de Conservação no Pará

Os servidores do ICMBio acreditam que há ainda mais invasores na
Rebio Nascentes da Serra do Cachimbo

Leia também:
Amazônia registra alertas de desmatamento em mais de mil km2 em abril, em plena estação chuvosa: esse número é 74,6% maior que o recorde, em 2021
Áreas de garimpo crescem quase 500% em terras indígenas e 300% em unidades de conservação na última década
Brasil é o país que mais perdeu florestas tropicais primárias no mundo em 2021

Fotos: divulgação ICMBio

Suzana Camargo

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante 6 anos. Entre 2007 e 2011, morou na Suíça, de onde colaborou para publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Depois de dois anos e meio em Londres, vive agora em Washington D.C.

Deixe uma resposta