PUBLICIDADE

ICMBio alerta moradores e turistas a ficarem distantes de aves em Fernando de Noronha por causa de gripe aviária

ICMBio alerta moradores e turistas a ficarem distantes de aves em Fernando de Noronha por causa de gripe aviária

A recomendação já é feita normalmente: devemos nos manter distantes de animais selvagens. Mas atualmente ela deve ser ainda mais respeitada devido ao aumento de casos de gripe aviária no mundo todo, incluindo, na América do Sul. Apesar de os riscos de contaminação para os seres humanos serem muito pequenos, não vale arriscar. Por isso mesmo, o Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) emitiu uma nota pedindo que moradores e turistas de Fernando de Noronha não cheguem perto das aves.

“Com o novo alerta sobre o surto de gripe aviária em alguns países das Américas, emitido no início de janeiro pela Organização Pan-Americana de Saúde, o Centro Nacional de Pesquisa e Conservação de Aves Silvestres do ICMBio reforçou a atenção e o monitoramento em Fernando de Noronha”, diz o alerta.

Composto por 21 ilhas e ilhotas, o arquipélago de Fernando de Noronha é uma Unidade de Conservação (UC), habitat de diversas espécies marinhas e ponto de descanso de aves migratórias. Muitas vezes, turistas e moradores tendem a alimentar esses pássaros para conseguir chegar mais próximos a eles, fazer fotos ou ter algum tipo de interação.

Além disso, o ICMBio recomenda que quem faz criação de galinhas e outras espécies na ilha deve isolar essas aves e não permitir que elas se espalhem para outros locais ou tenham contato com indivíduos de vida livre, assim como, limpar e desinfetar os locais de criação e se atentar se elas apresentam sintomas.

Altamente contagiosa, a gripe aviária é causada pelo vírus da gripe HPAIV (atualmente o que mais circula é a cepa H5N1). Poucos dias após a contaminação, os sintomas já ficam visíveis, como paralisia e inchaço de partes do corpo, e vários órgãos param de funcionar. A taxa de mortalidade chega a 90%.

As aves migratórias, principalmente as aquáticas, como patos e gansos, são apontadas como as principais responsáveis pela transmissão do vírus, entretanto, parecem ter um sistema imune resistente à gripe e permanecem assintomáticas.

Desde o ano passado, Estados Unidos e Europa enfrentam um surto seríssimo da doença. No continente europeu, já se considera a pior crise observada até hoje.

Os riscos em Fernando de Noronha

Até o momento não há nenhum caso registrado de gripe aviária em Noronha. Mesmo assim, é preciso que todos fiquem alertas.

“Para as aves silvestres, há um risco maior. Algumas espécies migratórias, como os maçaricos e as batuíras, podem ser portadoras de influenza. Se houver o contato entre as aves visitantes e pessoas infectadas com os indivíduos residentes, pode ocorrer a disseminação da gripe aviária. Algumas espécies de aves marinhas permanecem aglomeradas em suas colônias e, por isso, quando um indivíduo se contamina, fica fácil de acontecer uma contaminação em série”, explica o biólogo Lucas Penna, responsável pelo monitoramento de aves em Noronha.

Abaixo seguem as recomendações do ICMBio:

O que fazer

– Não chegue perto ou toque nas aves silvestres, seja quando você estiver fazendo observação em campo, pescando ou em atividades de trabalho.

– Não alimente de jeito nenhum os animais de vida livre, com qualquer tipo de alimento. Fazer isso também é considerado crime ambiental.

– No caso de criadouros, faça um cercamento adequado das aves e não deixe elas saírem para outros ambientes ou interagirem com animais de vida livre.

– Se você realiza algum trabalho específico com aves, como no caso de pesquisas, os cuidados devem ser reforçados. Use luvas, máscaras, blusa de manga longa, óculos e demais EPIs (biossegurança e desinfecção). É recomendado lavar as roupas de campo, desinfetar os equipamentos e descartar adequadamente os itens utilizados, bem como evitar o contato com outras aves dentro de 48 horas.

– Se você sentir algum sintoma diferente ou gripal após ter contato com aves, vá até o Posto de Saúde local para reportar e avaliar o caso.

– Se você observar alguma ave com qualquer sintoma estranho, avise imediatamente para o SVO (Serviço Veterinário Oficial), sendo, no caso de Fernando de Noronha, o ICMBio e o NVA os órgãos interlocutores para isso. A influenza aviária é uma doença de notificação obrigatória e imediata ao SVO e aos órgãos responsáveis.

Como proceder se avistar alguma ave doente

1. Não tente mexer no indivíduo

2. Tire uma foto com certa distância da ave avistada

3. Envie a foto para o WhatsApp +55 81 99115-6860 (contato do ICMBio Noronha), informando o LOCAL avistado.

4. Caso não tenha celular na hora, informe para o monitor do Parque Nacional mais próximo de você e peça para avisar ao ICMBio Noronha.

5. Você também pode informar por meio do instagram @icmbionoronha, pelo e-mail: pesquisa.noronha@icmbio.gov.br ou informando na sede administrativa do ICMBio Noronha (Rua Eurico Cavalcanti de Albuquerque, nº 174, Vila do Boldró.

*Com informações do ICMBio Noronha

Leia também:
Morte por gripe aviária de pinguins da única espécie da África, ameaçada de extinção, preocupa especialistas

Suécia registra primeiro caso no mundo de toninha morta pela gripe aviária
Especialistas alertam sobre a morte de dezenas de ‘bald eagles’, vítimas da gripe aviária: águia é símbolo dos Estados Unidos
Mais de 20 milhões de aves, principalmente frangos e perus, morreram nos últimos meses por causa da gripe aviária nos EUA

Foto de abertura: Lucas Penna

Comentários
guest

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Notícias Relacionadas
Sobre o autor
PUBLICIDADE
Receba notícias por e-mail

Digite seu endereço eletrônico abaixo para receber notificações das novas publicações do Conexão Planeta.

  • PUBLICIDADE

    Mais lidas

    PUBLICIDADE