PUBLICIDADE

Ibama nega pedido da Petrobras para explorar petróleo na foz do Rio Amazonas: vitória da biodiversidade!

Ibama nega pedido da Petrobras para explorar petróleo na Foz do Rio Amazonas: vitória da biodiversidade!

A luta em defesa dos Corais da Amazônia conquistou mais uma vitória! Ontem, 17/5, Rodrigo Agostinho, presidente do Ibama (Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis)negou licença para a Petrobras explorar petróleo na foz do rio Amazonas.

A decisão, que segue recomendação da área técnica do órgão, aponta que há um conjunto de inconsistências técnicas nos estudos apresentados pela petrolífera para o início da perfuração marítima do bloco FZA-M-59, região da foz.

Ao negar a licença ambiental, Agostinho argumenta que a nova fronteira exploratória é de alta vulnerabilidade socioambiental e reitera que é necessária a realização da Avaliação Ambiental de Área Sedimentar (AAAS) para as bacias sedimentares que ainda não contam com tais estudos e não foram exploradas, o que coloca a viabilidade ambiental do projeto em xeque.

PUBLICIDADE

O posicionamento do Ibama garante a proteção de uma biodiversidade gigantesca, única e ainda pouco conhecida. Os Corais da Amazônia, por exemplo, foram descobertos há poucos anos e ainda há muito a ser estudado e catalogado pela ciência na região (saiba mais nos links indicados no final deste post).

Ibama nega pedido da Petrobras para explorar petróleo na Foz do Rio Amazonas: vitória da biodiversidade!

Marcelo Laterman, porta-voz da campanha de Oceanos do Greenpeace Brasil, ressalta que a organização recebe a decisão do Ibama com entusiasmo, já que os ecossistemas marinhos, costeiros e dinâmicas sociais da região foram respeitados.

“Estamos chamando a atenção para essa ameaça desde 2017 [veja nos links indicados no final deste post], quando empresas estrangeiras, como a gigante francesa Total, tentaram inaugurar a exploração de petróleo na foz do Amazonas sem o devido conhecimento ou garantias de segurança socioambiental para isso. Em resposta, foram mobilizados esforços científicos para pesquisar e mapear o Grande Sistema de Recifes da Amazônia. Uma causa que contou com o apoio de organizações da sociedade civil, de representantes das comunidades do território e de mais de 2 milhões de pessoas ao redor do mundo”, relembra Laterman.

O Ibama negou a licença para exploração da área pela Total, na ocasião. Agora, diante da nova negativa ao pedido da Petrobras, a mobilização em defesa dos Corais da Amazônia sai fortalecida. 

“Essa é uma vitória do bom senso, pautada em evidências científicas e no princípio da precaução. Uma oportunidade para que o país e a própria Petrobras se posicionem do lado certo e estratégico da história. Por uma transição energética justa, que valorize o que temos de diferencial: nossa biodiversidade, nosso povo e o enorme potencial em fontes limpas e renováveis”, defende o especialista.

A decisão também é uma vitória das organizações socioambientais que se articularam para alertar a sociedade e as autoridades envolvidas sobre os perigos da exploração petrolífera na área.

Em abril, por exemplo, um ofício assinado por 80 organizaçõesincluindo Greenpeace Brasil, Observatório do Clima, WWF-Brasil e Projeto Saúde e Alegria – foi entregue ao Ibama, ao Ministério de Minas e Energia, ao Ministério do Meio Ambiente e Mudança do Clima, ao Ministério dos Povos Indígenas e à Funai, entre outras pastas. 

Leia também:
Por que os Corais da Amazônia são um milagre da natureza? (fevereiro 2019)
Ibama nega licença para empresa francesa explorar petróleo na área dos Corais da Amazônia (dezembro 2018)
Beleza nas profundezas dos corais da Amazônia
(setembro 2018)

5 coisas que você precisa saber sobre os Corais da Amazônia (maio 2018)
Extensão dos corais da Amazônia é seis vezes maior do que estimado inicialmente
(abril 2018)

Ibama rejeita pedido de licença para exploração de petróleo próxima dos corais da Amazônia (agosto 2017)
Ativistas fazem manifestação em Londres pela proteção dos corais da Amazônia (agosto 2017)
Cientistas revelam primeiras imagens dos recifes de corais da Amazônia, já ameaçados pelo petróleo. Assine a petição!
(janeiro 2017)

______________________________

* Este texto foi publicado no site do Greenpeace Brasil em 18/5/2023, publicado aqui, no Conexão Planeta, por Mônica Nunes

Foto (destaque): Greenpeace Brasil (Algumas áreas dos recifes são de água muito barrenta e escura devido à grande concentração de sedimentos do rio Amazonas. A foto que ilustra este post mostra água límpida porque foi tirada na porção sul, que há menos pluma)

Comentários
guest

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Notícias Relacionadas
Sobre o autor
PUBLICIDADE
Receba notícias por e-mail

Digite seu endereço eletrônico abaixo para receber notificações das novas publicações do Conexão Planeta.

  • PUBLICIDADE

    Mais lidas

    PUBLICIDADE