Ibama faz a maior apreensão de araucária em Minas Gerais, que está ameaçada de extinção

Ibama faz a maior apreensão de araucária em Minas Gerais, que está ameaçada de extinção

Durante uma operação na Serra da Mantiqueira, na cidade de Congonhal, sul de Minas Gerais, a Superintendência do Ibama apreendeu 414 toras cortadas ilegalmente.

A espécie Araucaria angustifolia está na lista de espécies ameaçadas de extinção da IUCN – União Internacional para a Conservação da Natureza e dos Recursos Naturais.

O Ibama declarou que a operação – que ganhou o nome da espécie – foi iniciada na segunda-feira, 10/5, para identificar fraudes no sistema de controle florestal, envolvendo a araucária e que esta é a maior apreensão de araucária já realizada no estado.

Também revelou que os agentes constataram 3.069,33 m³ de araucária em créditos virtuais, “que acobertariam a extração ilegal“. E o que isso significa?

Para que a madeira seja considerada legal, deve “estar ‘coberta’ com o respectivo crédito virtual no sistema”, explica o órgão. “As transações meramente virtuais são infrações administrativas e também podem ser artifícios utilizados para acobertar a madeira extraída de forma ilegal”.

Ibama faz a maior apreensão de araucária em Minas Gerais, que está ameaçada de extinção
Foto: Ibama/Divulgação

Quando os créditos são transferidos da empresas vendedora para a compradora, “cada transferência comercial de madeira deve ser feita com a emissão do Guia de Controle Ambiental (GCA). Contudo, parte dessas transações virtuais – que resultaram na operação na Serra da Mantiqueira – não coincidiam com as transações da madeira física, caracterizando-se infração ambiental”, destaca o Ibama.

De acordo com o órgão, o saldo ilegal que consta no sistema do estado “é suficiente para acobertar mais de 100 carretas carregadas com toras de araucária. E a retirada desse saldo virtual do sistema evita seu uso para o acobertamento de madeira nativa de araucária angustifólia, prevenindo a ocorrência de crimes ambientais e danos à biodiversidade”.

Multa e doação

Tudo começou com uma auditoria realizada no sistema florestal, na qual foram identificadas movimentações suspeitas de créditos virtuais de araucária, originados dos plantios da espécie na Serra da Mantiqueira. E as suspeitas se confirmaram: foram constatados 3.069,33 m³ de araucária.

O resultado da operação foi divulgado pelo Ibama três dias depois da autuação.

Os responsáveis terão que pagar multa no valor de R$ 200 mil (só?) e a madeira foi doada para o Instituto Florestal Sul de Minas e para a Prefeitura do município de Inconfidentes

Habitat

Ibama faz a maior apreensão de araucária em Minas Gerais, que está ameaçada de extinção
Araucária angustifolia – Foto: Webysther Nunes/Wikipedia

A Araucária angustifolia é encontrada principalmente na região Sul do Brasil, mas também ocorre no leste e no sul do estado de São Paulo, no sul de Minas Gerais, principalmente na Mantiqueira, na região serrana do Rio de Janeiro e em pequenos trechos da Argentina e Paraguai.

Entre os nomes populares que recebe estão pinheiro-brasileiro e pinheiro-do-paraná (como é indicada na lista da IUCN).

Leia também:
Projeto de lei ameaça a sobrevivência da já vulnerável Floresta com Araucária do Brasil
Das Araucárias à Amazônia, os insaciáveis desmatadores sulistas
Cooperativa no Paraná produz ervas e protege a floresta de araucárias
Sementes de araucárias bicadas por papagaios germinam melhor

Fontes: Ibama, O Globo, Globoplay

Foto (destaque): Ibama/Divulgação

Mônica Nunes

Jornalista com experiência em revistas e internet, escreveu sobre moda, luxo, saúde, educação financeira e sustentabilidade. Trabalhou durante 14 anos na Editora Abril. Foi editora na revista Claudia, no site feminino Paralela, e colaborou com Você S.A. e Capricho. Por oito anos, dirigiu o premiado site Planeta Sustentável, da mesma editora, considerado pela United Nations Foundation como o maior portal no tema. Integrou a Rede de Mulheres Líderes em Sustentabilidade e, em 2015, participou da conferência TEDxSãoPaulo.

Deixe uma resposta