Greta Thunberg recorda sua primeira greve há 3 anos e diz que, hoje, milhões lutam pelo clima: “as pessoas querem justiça”

Em 20 de agosto de 2018, sexta-feira, a estudante de 15 anos Greta Thunberg faltou às aulas e foi, sozinha, para a frente do parlamento sueco, em Estocolmo, protestar contra a inércia do governo e da sociedade no combate às mudanças climáticas. No cartaz, que colocou a seu lado, estava escrito: “Greve escolar pelo clima”.

Hoje, três anos depois, também uma sexta-feira, Greta lembrou a façanha em suas redes sociais e protestou em frente ao mesmo parlamento, com o mesmo cartaz, acompanhada por milhares de jovens que integram o movimento Fridays for Future, formado a partir de seu primeiro protesto.

Em 2018, sem saber, ela lançava a sementinha que viria a se transformar na Greve Mundial pelo Clima. Hoje, foi realizada a 157ª greve!

Greta Thunberg recorda sua primeira greve há três anos e diz que, hoje, milhões lutam pelo clima: "as pessoas querem justiça climática"
Greta Thunberg em sua 157ª greve pelo clima, em frente ao parlamento sueco
Foto: Reprodução do Instagram

Nas redes sociais, ela republicou o post que escreveu naquele ano, que dizia:

“Nós, crianças, geralmente não fazemos o que você nos diz para fazer, fazemos o que você faz. E já que vocês adultos não dão a mínima para o meu futuro, eu também não vou. Meu nome é Greta e estou na nona série. Estou em greve escolar pelo clima até o dia das eleições”.

Greta em sua primeira greve pelo clima, em 20 de agosto de 2018
Foto: Reprodução do Instagram

E avaliou: “Três anos depois, ainda estou aqui, mas ao lado de milhões de pessoas em todo o mundo. Desde a primeira greve em escolas, o mundo emitiu mais de 120 bilhões de toneladas de CO2“.

Greta ainda declarou que “as mudanças necessárias ainda não estão à vista. Esta crise nunca foi tratada como uma crise”. Também reconheceu avanços, ressaltando que ainda há muito o que fazer e que não há outra saída senão lutar pela causa climática:

“As pessoas estão acordando e exigindo justiça climática. E continuaremos sempre a lutar pelo nosso futuro e presente. Não temos outra escolha”.

Abaixo, a sequência de posts (ou ‘fio’) que publicou hoje no Twitter:

Foto: Reprodução do Instagram

Mônica Nunes

Jornalista com experiência em revistas e internet, escreveu sobre moda, luxo, saúde, educação financeira e sustentabilidade. Trabalhou durante 14 anos na Editora Abril. Foi editora na revista Claudia, no site feminino Paralela, e colaborou com Você S.A. e Capricho. Por oito anos, dirigiu o premiado site Planeta Sustentável, da mesma editora, considerado pela United Nations Foundation como o maior portal no tema. Integrou a Rede de Mulheres Líderes em Sustentabilidade e, em 2015, participou da conferência TEDxSãoPaulo.

Um comentário em “Greta Thunberg recorda sua primeira greve há 3 anos e diz que, hoje, milhões lutam pelo clima: “as pessoas querem justiça”

  • 26 de agosto de 2021 em 2:34 PM
    Permalink

    O aquecimento Global é silencioso, as grandes potências mundiais fazem vista grossa, porém aos poucos as florestas vão diminuindo, as geleiras derretendo, isso que torna muito triste, pois o futuro depende da natureza. Tudo que temos hoje foi produzido através da natureza. Ver a Greta Thunberg fazendo greve nos faz refletir muito sobre isso.

    Resposta

Deixe uma resposta