Galo da Madrugada será feito com material reciclado e desfile terá compensação de carbono com plantio de árvores

Galo da Madrugada, feito com material reciclável, desfila sua beleza no centro de Recife

Falta pouco mais de um mês para o início do Carnaval e um dos mais famosos blocos de carnaval de Recife, o Galo da Madrugada, anunciou que estará, em 2020, mais uma vez, comprometido com a sustentabilidade.

Assim como no ano passado, seu personagem mais famoso – o galo -, será confeccionado com reaproveitamento de material reciclado. O artista plástico e figurinista Leopoldo Nóbrega é o responsável pela criação do “Galo Circense de Olho no Futuro”, que promete muitas surpresas. Entre os resíduos que ele já adiantou que utilizará estão velhos discos de vinil, que serão coloridos por crianças.

Este é o segundo ano que Nóbrega produz o galo. Em 2019, o “Galo Artesão”, na imagem que abre este post, também foi feito com resíduos, mais especificamente, sobras têxteis das fábricas de Caruaru, Toritama e Santa Cruz do Capibaribe. Já a crista tinha mangueiras recicladas e as joias da ave argila e pigmentos naturais. Tudo muito sustentável. O resultado ficou belíssimo, conforme mostramos nesta reportagem!

Neste Carnaval, o artista disse que usará toda a estrutura do Galo e muito do material do ano passado.

Discos de vinil coloridos serão parte da “fantasia” do Galo da Madrugada

Entretanto, uma das maiores novidades da festa em Recife, em 2020, será a compensação de carbono a ser feita pelo bloco. Especialistas vão calcular o quanto a folia gera em emissões de dióxido de carbono (CO2), um dos gases apontados como sendo o principal responsável pelo aquecimento global. Com esse número em mãos, será feita a conta de quantas espécies de árvores nativas deverão ser plantadas para mitigar o impacto provocado.

Recentemente, o Galo da Madrugada divulgou o lançamento de dois selos: o Guardião Gigante da Cultura, que irá homenagear anualmente uma personalidade ou entidade que contribui ou contribuiu para a manutenção, propagação e perpetuação da cultura pernambucana. Já o selo Eu me Manifesto Pelo Planeta prevê uma série de normas e orientações que deverão auxiliar o Galo da Madrugada a ser tornar ainda mais sustentável.

Uma das medidas previstas para este ano é a completa extinção do uso de descartáveis plásticos nos camarotes oficiais do desfile. Outra ação inédita será a coleta e reciclagem de latas descartadas durante a festa.

Criado em 1978, de forma despretensiosa por um grupo de amigos, o Galo da Madrugada arrasta, anualmente, multidões pelas ruas de Recife. Em 2019, dois milhões de turistas e moradores acompanharam o bloco.

No Carnaval de Olinda, o tradicionalíssimo bloco do Homem da Meia-Noite (na imagem abaixo) também terá uma pegada sustentável. O tema do desfile de 2020 será “Chover”. A ideia é levar a conscientização ambiental e a lembrança da importância da água para os foliões, que brincam pelas ladeiras da cidade.

Assim como o Galo da Madrugada, o Homem da Meia-Noite fará ainda os cálculos para poder fazer sua compensação ambiental através do plantio de árvores.

Leia também:
Carnaval da Mangueira, em 2020, terá Nossa Senhora de luto contra a violência e Maria Madalena LGBT
Baleia gigante, enroscada em plástico, é atração em desfile de carnaval
“Carnaval do Bicho Solto” convida brasileiro a se fantasiar de bicho e lutar pela proteção das florestas
Neste carnaval, confete só se for feito de folha de árvore reciclada!
Este corpo é meu! Neste carnaval vai ter tatuagem #NãoÉNão! contra o assédio
Seu Carnaval precisa de glitter e purpurina? Os rios e oceanos, não!

Fotos: reprodução Twitter e divulgação Leopoldo Nóbrega e Ademar Filho (Homem da Meia Noite)

Suzana Camargo

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante 6 anos. Entre 2007 e 2011, morou na Suíça, de onde colaborou para publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Depois de dois anos e meio em Londres, vive agora em Washington D.C.

Deixe uma resposta