Galo da Madrugada tem material reciclado e desfile com compensação de carbono e plantio de árvores

Galo da Madrugada tem material reciclado e desfile compensação de carbono com plantio de árvores

*Atualizado em 23/02/20

Um dos mais famosos blocos de carnaval de Recife, o Galo da Madrugada, desfilou, em 2020, mais uma vez, comprometido com a sustentabilidade.

Assim como no ano passado, seu personagem mais famoso – o galo -, com seus 28 metros de altura e oito toneladas, foi confeccionado com reaproveitamento de resíduos reciclados – 70% do material que reveste o galo gigante foram reutilizados.

O artista plástico e figurinista Leopoldo Nóbrega é o responsável pela criação do “Galo Circense de Olho no Futuro”, com muitas surpresas. Foram usados na escultura mais de 1 mil discos de vinil, coloridos por crianças. Além disso, há 38 painéis de LED, com com imagens que mudam o tempo todo.

Este é o segundo ano que Nóbrega produz o galo. Em 2019, o “Galo Artesão”, na imagem abaixo, também foi feito com resíduos, mais especificamente, sobras têxteis das fábricas de Caruaru, Toritama e Santa Cruz do Capibaribe. Já a crista tinha mangueiras recicladas e as joias da ave argila e pigmentos naturais. Tudo muito sustentável. O resultado ficou belíssimo, conforme mostramos nesta reportagem!

O Galo da Madruga em 2019

Entretanto, uma das maiores novidades da festa em Recife, em 2020, é a compensação de carbono feita pelo bloco. Especialistas vão calcular o quanto a folia gera em emissões de dióxido de carbono (CO2), um dos gases apontados como sendo o principal responsável pelo aquecimento global. Com esse número em mãos, será feita a conta de quantas espécies de árvores nativas deverão ser plantadas para mitigar o impacto provocado.

Discos de vinil coloridos são parte da “fantasia” do Galo da Madrugada

Recentemente, o Galo da Madrugada divulgou o lançamento de dois selos: o Guardião Gigante da Cultura, que irá homenagear anualmente uma personalidade ou entidade que contribui ou contribuiu para a manutenção, propagação e perpetuação da cultura pernambucana. Já o selo Eu me Manifesto Pelo Planeta prevê uma série de normas e orientações que deverão auxiliar o Galo da Madrugada a ser tornar ainda mais sustentável.

Uma das medidas deste ano ainda é a completa extinção do uso de descartáveis plásticos nos camarotes oficiais do desfile. Outra ação inédita é a coleta e reciclagem de latas descartadas durante a festa.

Criado em 1978, de forma despretensiosa por um grupo de amigos, o Galo da Madrugada arrasta, anualmente, multidões pelas ruas de Recife. Em 2019, dois milhões de turistas e moradores acompanharam o bloco.

No Carnaval de Olinda, o tradicionalíssimo bloco do Homem da Meia-Noite (na imagem abaixo) também teve uma pegada sustentável. O tema do desfile de 2020 foi “Chover”. A ideia é levar a conscientização ambiental e a lembrança da importância da água para os foliões, que brincam pelas ladeiras da cidade.

Assim como o Galo da Madrugada, o Homem da Meia-Noite fará os cálculos para poder fazer sua compensação ambiental através do plantio de árvores.

Leia também:
Carnaval da Mangueira, em 2020, terá Nossa Senhora de luto contra a violência e Maria Madalena LGBT
Baleia gigante, enroscada em plástico, é atração em desfile de carnaval
“Carnaval do Bicho Solto” convida brasileiro a se fantasiar de bicho e lutar pela proteção das florestas
Neste carnaval, confete só se for feito de folha de árvore reciclada!
Este corpo é meu! Neste carnaval vai ter tatuagem #NãoÉNão! contra o assédio
Seu Carnaval precisa de glitter e purpurina? Os rios e oceanos, não!

Fotos: reprodução Twitter e divulgação Leopoldo Nóbrega e Ademar Filho (Homem da Meia Noite)

Suzana Camargo

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante 6 anos. Entre 2007 e 2011, morou na Suíça, de onde colaborou para publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Depois de dois anos e meio em Londres, vive agora em Washington D.C.

Deixe uma resposta