Fronteira entre Brasil e Argentina é aberta para a passagem de Mara, a nova moradora do Santuário dos Elefantes, na Chapada dos Guimarães

Fronteira entre Brasil e Argentina é aberta para a passagem da Mara, a nova moradora do Santuário dos Elefantes, na Chapada dos Guimarães

Em meados de março, por causa da pandemia do novo coronavírus, a fronteira entre o Brasil e a Argentina foi fechada para evitar a disseminação da COVID-19. Mas ontem (11/05), a passagem pela Ponte da Fraternidade foi aberta temporariamente para que Mara pudesse seguir caminho para o Santuário dos Elefantes, na Chapada dos Guimarães, no Mato Grosso.

A elefante, que estava em um zoológico em Buenos Aires, O EcoParque, agora ganhará um novo lar, ao lado de Lady, Maia e Rana.

Foi montado um grande aparato, junto com a Polícia Rodoviária Federal, para fazer a escolta do animal. Mara está dentro de um compartimento com janelas, que tem 3 metros de altura por 5 metros de largura e está sendo monitorada o tempo todo. O trajeto total da viagem é de 2.750 km e a previsão é que a elefante chegue ao Santuário na quarta-feira (13/05).

Segundo o Santuário dos Elefantes, os registros existentes sobre Mara indicam que ela nasceu na Índia e foi levada, posteriormente, a um zoológico na Alemanha. Em 1970 foi vendida e trazida para a América do Sul para se apresentar em circos. Em 1995, com a aprovação do decreto que proibia a exploração de animais em circos, Mara, já na Argentina, foi enviada para um zoológico em Buenos Aires, onde viveu até a semana passada. Estima-se que ela tenha pouco mais de 50 anos.

“Hoje, ela diz adeus ao seu passado e recomeça. E nos demonstra, dentro daquela caixa, que tudo o que a vida quer da gente é coragem!”, diz o Santuário em sua página no Facebook.

Por causa da pandemia do coronavírus, infelizmente, as equipes, tanto argentina como a brasileira, que acompanham Mara, foram reduzidas por motivos de segurança. Assim, seus antigos tratadores não puderam participar de todo o trajeto de sua transferência ao Brasil.

Mas ela continua sendo super bem tratada. Durante a noite houve descanso para a caravana e pela primeira vez, hoje cedo, ela experimentou novos alimentos, que adorou: beterrabas, goiabas e abóbora!

Situado a cerca de uma hora do Parque Nacional da Chapada dos Guimarães, o santuário de elefantes brasileiro é o sexto do mundo e primeiro da América Latina. Com 1.100 hectares, é fruto da parceria de duas organizações internacionais – a Global Sanctuary for Elephants (GSE), do Tenessee, nos Estados Unidos, e a ElephantVoices – ambas dirigidas por renomados especialistas.

A iniciativa se deve também à paixão por elefantes de uma brasileira, Junia Machado. Ela representa a ElephantVoices no Brasil e se uniu à Scott Blaiss – que tem mais de 20 anos de experiência no manejo de elefantes africanos e asiáticos em zoos, circos e em santuários e é o fundador da GSE – para tocar o projeto.

A reserva não é aberta ao público, pois não é um zoológico. Ela tem como única missão proteger, resgatar e prover um santuário de ambiente natural para elefantes em cativeiro

Se você quer contribuir com este trabalho sensacional, é possível fazer uma doação. Acessa aqui a página do SEB e veja como ajudar.

Leia também:
Morre Ramba, uma das moradoras do Santuário dos Elefantes Brasil

Lady: em breve, a quarta moradora do Santuário dos Elefantes, na Chapada dos GuimarãesRana: a nova moradora do Santuário dos Elefantes, na Chapada dos Guimarães

Fotos: divulgação Facebook Santuário dos Elefantes Brasil/Tomás Francisco Cuesta (abertura)

Suzana Camargo

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante 6 anos. Entre 2007 e 2011, morou na Suíça, de onde colaborou para publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Depois de dois anos e meio em Londres, vive agora em Washington D.C.

Deixe uma resposta