Fóssil de antepassado dos mamíferos, com sangue frio, é descoberto no Rio Grande do Sul

Fóssil de antepassado dos mamíferos, com sangue frio, é descoberto no Rio Grande do Sul

Poucos dias depois de paleontólogos gaúchos anunciarem a descoberta do fóssil de um anfíbio gigante mais antigo do que os dinossauros, uma nova e surpreendente notícia chega do estado, que atualmente é um dos sítios paleontológicos mais ricos do mundo. Após uma década de estudos sobre um crânio encontrado no município de Dona Francisca foi divulgado que ele pertence a uma nova espécie de animal, um antepassado dos mamíferos.

Batizado de Paratraversodon franciscaensis – o nome científico homenageia a localidade onde ele foi achado, em 2009 -, o animal era um cinodonte, “um elo evolutivo entre répteis e mamíferos, que habitou a região antes mesmo do surgimento dos dinossauros. Espécimes tão completos deste intervalo de tempo são raros, o que tornou o achado ainda mais valioso aos olhos dos paleontólogos”, relatam os paleontólogos do Rio Grande do Sul.

Análises do crânio completo, que incluía a mandíbula, indicaram que esse animal viveu no Período Triássico, entre 241 e 236 milhões de anos atrás.

Para chegar a essa conclusão, o trabalho liderado pelo paleontólogo Leonardo Kerber, do Centro de Apoio à Pesquisa Paleontológica da Universidade Federal de Santa Maria, fez comparações minuciosas com dezenas de outros fósseis de coleções científicas do Brasil, Alemanha e Inglaterra. Foi assim que descobriu-se que o Paratraversodon franciscaensis era uma espécie nunca antes descrita.

Os pesquisadores acreditam também que esse cinodonte tinha cerca de 1 metro, era quadrúpude, herbívoro e diferente dos mamíferos atuais, era um animal ectotérmico, ou seja, de sangue frio, assim como crocodilos e lagartos dos dias de hoje. Outra suspeita é que ele não possuía pelos cobrindo o corpo.

“Essa descoberta contribui significativamente para a nossa compreensão da história evolutiva e da anatomia craniana dos traversodontes do Triássico, lançando luz sobre a diversidade e adaptações dos cinodontes”, dizem os pesquisadores num artigo científico publicado no periódico internacional The Anatomical Record. 

Fóssil de antepassado dos mamíferos, com sangue frio, é descoberto no Rio Grande do Sul

O crânio encontrado em Dona Francisca: uma nova espécie para a ciência,
que viveu há mais de 200 milhões de anos
(Foto: divulgação)

Leia também:
Fóssil de 265 milhões de anos, do maior e mais antigo predador da América do Sul, é descoberto no Rio Grande do Sul
Fóssil de réptil do Rio Grande do Sul, que viveu há 230 milhões de anos, é capa da Nature
Fóssil de 40 milhões de anos achado no Peru pode ser de animal mais pesado que existiu no planeta

Ilustração de abertura: Júlia D’Oliveira

Deixe uma resposta

Suzana Camargo

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante 6 anos. Entre 2007 e 2011, morou na Suíça, de onde colaborou para publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Depois de dois anos e meio em Londres, vive agora em Washington D.C.