Floresta itinerante, com 1 mil árvores, está percorrendo ruas de cidade na Holanda para ressaltar importância da natureza

Floresta itinerante, com 1 mil árvores, está percorrendo ruas de uma cidade na Holanda para ressaltar a importância delas no ambiente urbano

Sombra, melhor qualidade do ar, clima mais ameno, absorção de carbono, habitat para pássaros e insetos… A lista poderia continuar, mas estes são apenas algumas dos benefícios oferecidos pelas árvores em ambientes urbanos e que já são conhecidos há décadas por cientistas. Apesar disso, muitas cidades do mundo decidiram investir mais em “concreto” do que no “verde”. O resultado todos já sabem qual foi…

Para mostrar aos moradores da pequena Leeuwarden, a cerca de 150 km ao norte de Amsterdam, a capital da Holanda, como poderia ser o dia a dia deles com mais cobertura arbórea, o projeto “Bosk – If Trees Could Walk” – “Se as Árvores Pudessem Caminhar”, na tradução para o português -, está levando uma floresta itinerante, com 1 mil árvores, de mais de 50 espécies nativas, a percorrer as ruas centrais da cidade.

Por 100 dias, desde o começo de maio e até 14 de agosto, voluntários têm transportado os 800 caixotes com as árvores dentro de uma rota de aproximadamente 3,5 km. A cada poucos dias a floresta é movida para uma nova área.

Floresta itinerante, com 1 mil árvores, está percorrendo ruas de uma cidade na Holanda para ressaltar a importância delas no ambiente urbano

O projeto, que faz parte do Festival de Arte Arcadia, foi idealizado pelo arquiteto e paisagista holandês Bruno Doedens, em parceria com Joop Mulder. “Neste momento, nós, como espécie, estamos nos comportando como adolescentes que não querem limpar seu quarto”, disse Doedens ao jornal The Guardian. “Precisamos crescer e parar de bagunçar tudo. Precisamos cuidar do nosso entorno”.

Nos locais onde a floresta itinerante se encontra são realizadas ainda atividades comunitárias, ações artísticas e de educação ambiental, dentre outras, como por exemplo, aulas de yoga.

Floresta itinerante, com 1 mil árvores, está percorrendo ruas de uma cidade na Holanda para ressaltar a importância delas no ambiente urbano

Cada um dos caixotes de árvore possui um QR code que identifica sua espécie, características especiais, expectativa de vida e o solo mais adequado para que ela seja plantada. Para garantir que as plantas estejam sempre bem hidratadas, há um sensor na terra que sinaliza quando é necessário que elas sejam regadas.

“Bosk conta uma história que conecta, encanta, amplia horizontes, mas também é relacionável. A humanidade e a natureza se beneficiam de reescrever a história da Terra. É por isso que qualquer pessoa pode se juntar ao Bosk e o projeto convida você a compartilhar seus pensamentos e a participar. Juntamente com os participantes, bairros, aldeias, associações, empresários e organizações, Bosk pretende criar um futuro mais verde plantando muitas árvores”, afirmam os idealizadores do projeto.

Floresta itinerante, com 1 mil árvores, está percorrendo ruas de uma cidade na Holanda para ressaltar a importância delas no ambiente urbano

Após o fim do festival, as 1 mil árvores serão plantadas ao redor de Leeuwarden, incluindo em bairros com comunidades de baixa renda, onde tradicionalmente, não apenas na Holanda mas em vários países, existe pouquíssimo investimento governamental em parques e áreas verdes.

Leia também:
Plantar árvores salva milhões de vidas nas grandes cidades
Uma ‘dose’ de jardinagem duas vezes por semana reduz o estresse e melhora o bem-estar, comprova novo estudo britânico
Gisele Bündchen lança projeto TiNis para incentivar crianças e jovens a cultivarem espaços verdes e se conectarem com a natureza

Fotos: reprodução Facebook Leeuwarden-Fryslân 2028

Suzana Camargo

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante 6 anos. Entre 2007 e 2011, morou na Suíça, de onde colaborou para publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Depois de dois anos e meio em Londres, vive agora em Washington D.C.