Flagrante de um “mar” de águas-vivas na costa de Israel é novo alerta sobre poluição e aumento da temperatura dos oceanos

Flagrante de um "mar" de águas-vivas na costa de Israel é novo alerta sobre poluição e aumento da temperatura dos oceanos

A imagem feita por um drone e divulgada pela Israel’s Parks and Nature Authority, o departamento de Meio Ambiente e Parques de Israel, é impressionante. Do alto, o vídeo mostra uma lancha rodeada por um mar de águas-vivas. São milhares e milhares delas.

O flagrante foi registrado na semana passada durante um trabalho de monitoramento ao longo da Baía de Haifa, ao norte do país.

“Muitas coisas que os humanos fazem contribuem para a disseminação de águas-vivas, incluindo cavar o Canal de Suez, poluir o mar com esgoto, mudanças climáticas, prejudicar competidores e predadores de águas-vivas, como peixes-lua e tartarugas marinhas, e dispersar resíduos sólidos”, alertou Ruthie Yahel, ecologista marinha da Nature and Parks Authority.

Agora no verão do Hemisfério Norte é a época de migração das águas-marinhas no Mar Mediterrâneo. Todavia, a aglomeração flagrada pelas autoridades israelenses é muito alarmante.

Água-viva é o termo popularmente utilizado para se referir às medusas, as quais são organismos que fazem parte do grupo dos cnidários planctônicos.

Estudos internacionais já comprovaram que “grandes proliferações de medusas ocorrem em alguns locais que foram altamente impactados por atividades humanas ao longo dos anos. Dentre os fatores que podem impactar a abundância destes organismos, destacam-se principalmente o aquecimento global, a sobrepesca e a eutrofização*”, diz a oceanógrafa Bruna Costa Oliveira, num artigo publicado no site da Bocaina Biologia da Conservação.

A especialista explica ainda que as altas temperaturas das águas dos oceanos podem aumentar a reprodução assexuada entre algumas espécies de águas-vivas.  

O impacto desse desequilíbrio ambiental não é sentido apenas nos ecossistemas onde esses seres habitam, e se reproduzem mais do que deveriam, mas também nas economias locais, quando turistas deixam de visitar regiões com medo de serem queimados por águas-vivas.

*A eutrofização é caracterizada pelo aumento de nutrientes em corpos d’água. Esse processo pode levar à redução do oxigênio e à redução da quantidade de luz que entra na água, impactando negativamente diversos organismos marinhos. Quando a eutrofização ocorre em determinado local, há uma grande quantidade de alimento disponível, o que acarreta no aumento da quantidade de animais, como as águas-vivas.

Leia também:
Ao confundir plástico com água-viva, tartarugas encontram a morte
Nova espécie de medusa gigante é descoberta na escuridão profunda da costa da Califórnia

Fotos: Rotem SDE

Suzana Camargo

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante 6 anos. Entre 2007 e 2011, morou na Suíça, de onde colaborou para publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Depois de dois anos e meio em Londres, vive agora em Washington D.C.