Flagrante de abraço emocionado feito no Brasil durante a pandemia leva prêmio principal do World Press Photo

Flagrante de abraço emocionado feito no Brasil durante a pandemia leva prêmio principal do World Press Photo

Em agosto do ano passado, após cinco meses, Rosa Luzia Lunardi, de 85 anos, recebeu novamente um abraço, da cuidadora Adriana Souza. Assim como outros milhões de brasileiros, a idosa, moradora do lar Viva Bem, em São Paulo, estava isolada, tentando se proteger da Covid-19.

Para poder oferecer um pouco de carinho e conforto a essas pessoas tão vulneráveis, a casa de idosos inventou a “Cortina do Abraço”, um aparato de plástico que permitia o contato físico, sem o risco da contaminação pelo novo coronavírus.

A imagem emocionante desse primeiro abraço depois de tantos meses foi registrada pelo fotógrafo dinamarquês Mads Nissen e acaba de ganhar o prêmio principal do World Press Photo 2021, anunciado hoje, na Holanda.

concurso é considerado um dos maiores prêmios, se não o mais importante, do fotojornalismo mundial, ao reconhecer anualmente as melhores imagens registradas por esses profissionais sobre temas atuais em nossas sociedades. 

“O presidente brasileiro, Jair Bolsonaro, rejeitou alegações sobre a gravidade da pandemia e o perigo representado pelo vírus, minou as medidas de quarentena adotadas em nível estadual e incentivou os brasileiros a continuarem trabalhando para manter a economia à tona. O Brasil encerrou 2020 com um dos piores recordes mundiais no tratamento do vírus, com cerca de 7,7 milhões de casos notificados e 195 mil mortes”, diz o texto da premiação.

Neste momento, o Brasil já tem mais de 360 mil mortos pela Covid-19 e o número de infectados passa de 13 milhões.

“Para mim, esta é uma história de esperança e amor nos momentos mais difíceis. Quando soube da crise que estava se desenrolando no Brasil e da má liderança do presidente Bolsonaro, que desde o início negligenciava esse vírus, que o chamou de ‘gripezinha’, realmente senti vontade de fazer algo a respeito”, afirmou o fotógrafo vencedor.

Mads Nissen já teve suas fotos divulgadas em publicações como Time, Newsweek, CNN, National Geographic, The Guardian, Stern e Der Spiegel. Em 2018, pela terceira vez, ele foi eleito o “Fotógrafo do Ano”, na Dinamarca. O profissional tem três livros publicados, entre eles, um chamado “Amazonas”, com 132 imagens em preto e branco que mostram a cenas da vida nesse estado brasileiro.

Um outro destaque do World Press Photo 2021 foi o fotógrafo brasileiro Lalo de Almeida, que tirou primeiro lugar na categoria “Meio Ambiente”, com imagens da tragédia dos incêndios no Pantanal.

Leia também:
Duas imagens do fotógrafo brasileiro Victor Moriyama estão entre 12 escolhidas pelo The New York Times para retratar 2020 
“Pantanal – Vida, Morte e Renascimento”: exposição virtual reúne olhar de grandes fotógrafos sobre o bioma tão castigado

Foto: divulgação World Press Photo

Suzana Camargo

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante 6 anos. Entre 2007 e 2011, morou na Suíça, de onde colaborou para publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Depois de dois anos e meio em Londres, vive agora em Washington D.C.

Deixe uma resposta