PUBLICIDADE

Financiamento de ataques terroristas em Brasília pode ter vindo de estados onde está o ‘arco do desmatamento’ na Amazônia

Por Leanderson Lima*

Partiram de estados amazônicos, como Pará, Rondônia e Mato Grosso, os financiamentos dos golpistas que participaram dos ataques terroristas em Brasília, no domingo, 8 de janeiro. A informação foi dada pelo Jornal Nacional a partir dos primeiros depoimentos de presos obtidos pela TV Globo.

Pela apuração, os detidos afirmaram que puderam se locomover até a capital federal com tudo pago pelos financiadores, que não eram dos mesmos estados de onde partiram os ônibus. Em reunião emergencial com governadores dos 26 Estados e do Distrito Federal, nesta segunda-feira, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva afirmou que os acampados nas frentes dos quartéis das Forças Armadas queriam promover um golpe de Estado.

“Eles querem é golpe; e golpe não vai ter”, declarou Lula. “Estavam reivindicando o quê? Reivindicando melhoria na qualidade de vida das pessoas? Reivindicando mais liberdade? Aumento de salário? Não, eles estavam reivindicando o golpe”, completou o presidente sobre os acampamentos levantados na frente dos quartéis, depois da derrota de Jair Bolsonaro no segundo turno das eleições presidenciais, e que começaram a ser desmontados ontem, 9/1, a mando de Alexandre de Moraes, ministro do Supremo Tribunal Federal (STF).

Nos três estados citados está localizado o arco do desmatamento, região que concentra o desmatamento da Amazônia e a expansão do agronegócio. Também é neles que ocorrem as principais frentes de destruição da floresta amazônica, como a grilagem, a mineração ilegal e a invasão de terras indígenas. Não por acaso é também onde Bolsonaro conseguiu, com suas ações e seu discurso anti-ambientalista, eleger governadores aliados.

Na tarde de segunda, 9/1, o ministro da Justiça, Flávio Dino, afirmou que o governo federal já detectou financiadores de dez estados, mas não citou nomes, nem sobre os quais se referia. Pelas redes sociais, os golpistas indicam que receberam patrocínio financeiro de diferentes regiões do país.

Na reunião com os governadores, convocada pelo governador paraense Helder Barbalho (MDB), aliado do presidente, Lula prometeu chegar aos financiadores dos atentados terroristas.

O presidente Lula em reunião com governadores, ministros do STF, ministros de Estado e prefeitos, na noite de 9 de janeiro / Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

“Em nome de defender a democracia, não vamos ser autoritários com ninguém, mas não seremos mornos com ninguém. Vamos investigar e vamos chegar a quem financiou”, afirmou. “Porque aqueles caminhões que vinham para Brasília, às vezes chegavam 80 caminhões desses novos, e não era motorista autônomo, certamente era dono de empresa de caminhão. Essa quantidade de ônibus que estava aqui, certamente não veio de graça, alguém pagou e vamos descobrir”.

O maior ataque terrorista à democracia brasileiraque causou danos ainda não dimensionados em sua totalidade aos prédios do Congresso Nacional, Palácio do Planalto e do STF, foi perpetrado por apoiadores do ex-presidente Bolsonaro, que se encontra nos Estados Unidos. Em seu perfil no Twitter, ele publicou uma foto, dizendo estar internado em um hospital com “nova aderência“.

Terroristas bolsonaristas invadem o Palácio do Planalto, ‘fantasiados’ com a bandeira nacional / Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Em sua fala, Lula defendeu a urna eletrônica e criticou o negacionismo eleitoral dos bolsonaristas. Também fez duras críticas ao governo do Distrito Federal, a quem acusou de omissão. “Tive que tomar uma atitude forte porque a Polícia Militar de Brasília negligenciou”, disse o presidente, que, ainda no domingo, decretou intervenção federal na segurança pública de Brasília

Lula fala em reunião com Ministros de Estado, representantes do legislativo e do judiciário, além dos 27 governadores e da Federação dos Prefeitos, um dia após os atos golpistas / Foto: Agência Brasil/divulgação

Na madrugada desta segunda-feira, o ministro Alexandre de Moraes ordenou o afastamento por 90 dias do governador Ibaneis Rocha (MDB), um confesso bolsonarista. Mesmo assim, a governadora em exercício, Celina Leão, defendeu Ibaneis durante a reunião com Lula.

“O governador eleito do Distrito Federal, Ibaneis Rocha é um democrata. É um homem que exerceu a presidência da Ordem, sabe o que significa o ataque aos poderes da República. Eu preciso trazer este posicionamento do nosso governador que foi interinamente afastado, mas que, por infelicidade, recebeu várias informações equivocadas durante todo momento da crise”, alegou ela.

Todos os governadores participaram do simbólico encontro, inclusive integrantes da oposição, como Tarcisio de Freitas (ex-ministro de Bolsonaro), de São Paulo. Houve poucas exceções. Entre elas, o estado de Mato Grosso, representado pelo vice-governador Otaviano Pivetta, e de Rondônia, por Augusto Leonel de Souza Marques, já que o governador Marco Rocha está licenciado do cargo.

O presidente Lula, governadores, ministros de estado e ministros do STF cruzam a Praça dos Três Poderes rumo à sede do Supremo Tribunal Federal para enfatizar que a Praça dos Três Poderes é do povo / Foto: Agência Brasil/divulgação

Helder Barbalho, representante do Fórum de Governadores, afirmou durante a reunião com Lula: “Estamos aqui presencialmente para reafirmar o compromisso dos 27 estados da Federação com a democracia”.

Acampamentos desmontados

O acampamento de Brasília foi desmontado nas primeiras horas da manhã de segunda-feira, atendendo ordens do ministro Alexandre de Moraes. Mais de 1.500 pessoas foram detidas e conduzidas ao ginásio da Academia Nacional da Polícia Federal, no Lago Norte, por mais de 40 ônibus. A determinação do ministro do STF se estendeu a todos os estados brasileiros.

Em Manaus, a desmobilização do acampamento golpista, instalado na frente do Comando Militar da Amazônia (CMA), comprometeu o trânsito de boa parte da cidade. Parte da Avenida Coronel Pedro Teixeira, onde fica o CMA, foi interditada, causando enormes congestionamentos no sentido oposto da pista e na Avenida do Turismo.

Desmobilização do acampamento dos bolsonaristas golpistas em frente ao Comando Militar da Amazônia, em Manaus, Amazonas / Foto: Leanderson Lima, a Amazônia Real

Apesar da decisão do STF ter determinado a prisão em flagrante de quem estivesse nos acampamentos, em Manaus, a retirada dos terroristas se deu na base da conversa com os golpistas, que ainda chegaram a hostilizar jornalistas que cobriam o desmonte.

A Polícia Militar do Amazonas atuou com a Ronda Ostensiva Cândido Mariano e o Batalhão de Cavalaria, com apoio do Instituto Municipal de Mobilidade Urbana e a Secretaria Municipal de Limpeza Urbana. O Exército não participou da ação.

Amazônia Real procurou a Polícia Militar para saber se alguém foi preso durante a desocupação, mas, até a publicação desta reportagem, a PM não retornou o contato.  

Na capital paraense, o acampamento instalado há dois meses no 2º Batalhão de Infantaria de Selva (2º BIS), localizado na Avenida Almirante Barroso, foi desmontado nas primeiras horas do dia. A PM do Pa contou com o apoio da Guarda Municipal, Corpo de Bombeiros e da Superintendência de Mobilidade Urbana.

A estratégia foi a mesma do Amazonas, a “conversa” com os bolsonaristas. Ainda assim, cinco pessoas se recusaram a sair do local e acabaram sendo detidas pela PM, sendo encaminhadas para a sede da Polícia Federal, em Belém, que fica localizada na mesma avenida. Pela manhã, Barbalho afirmou que o Pará foi o primeiro estado a cumprir a decisão do ministro Alexandre de Moraes. “Aqui no Pará, não vamos admitir atos terroristas e ações como as que aconteceram em Brasília”, tuitou.

Produção de provas 

A reação das autoridades foi rápida e enérgica. Além do imediato afastamento do governador, da desmobilização total dos acampamentos nos quartéis do Exército no prazo de 24 horas, Moraes proibiu ainda a entrada de quaisquer ônibus ou caminhões trazendo manifestantes ao Distrito Federal até 31 de janeiro.

Terroristas bolsonaristas invadem o STF e aviltam a escultura de Alfredo Ceschiatti, que representa a Justiça / Foto: Marcelo Camargo, da Agência Brasil

A decisão do ministro inclui, ainda, o envio do registro de todos os veículos – inclusive os registros telemáticos –, que entraram na capital federal entre 5 e 8 de janeiro

O ministro do STF ordenou que a Polícia Federal obtenha todas as imagens das câmeras do DF, para que possa ser feito o reconhecimento facial dos terroristas que participaram dos ataques terroristas de 8/1. Na internet, movimentos independentes (como o Contra Golpe Brasil, no Instagram*) estão ajudando as autoridades a reconhecer os golpistas que participaram dos atentados em Brasília.

Outra frente de investigação é a listagem de pessoas hospedadas em hotéis e hospedarias na capital federal desde a última quinta-feira, 5/1. Além dos nomes, Moraes quer filmagens do saguão dos hotéis para identificar os participantes dos atos criminosos.

Retratos de ex-presidentes foram rasgados a face / Foto: Jefferson Rudy, da Agência Senado

Suspensão de perfis

A decisão do ministro também foi direcionada às empresas Facebook, TikTok e Twitter, no sentido de bloquear, num prazo de duas horas, de diversas contas sob pena de multa diária de 100 mil reais. Além da suspensão, as big techs terão de informar os dados cadastrais dos usuários.

Na decisão, o ministro do STF apontou que os atos demonstraram “inequivocamente” fortes indícios de materialidade e autoria dos crimes previstos nos artigos 2ª, 3º, 5º e 6º (atos terroristas, inclusive preparatórios) da Lei nº 13.260, de 16 de março de 2016 e nos artigos:
288 (associação criminosa),
359-L (abolição violenta do Estado Democrático de Direito) e
359-M (golpe de Estado),
147 (ameaça),
147-A, § 1º, III (perseguição),
286 (incitação ao crime),
– além de dano ao patrimônio público (artigo 163, III), todos do Código Penal.

Ainda não há um levantamento do prejuízo causado pelos terroristas bolsonaristas na invasão e depredação do Palácio do Planalto, o Congresso e a sede do STF.

“As mulatas” de Di Cavalcanti, vandalizada durante o ataque de bolsonaristas ao Palácio do Planalto (Foto: Fabio Rodrigues-Pozzebom/ Agência Brasil)

No caso do Palácio do Planalto, várias obras de artes que fazem parte do patrimônio nacional foram destruídas nos ataques terroristas.  Só a obra As Mulatas, do artista plástico Di Cavalcanti (acima), é avaliada em 8 milhões de reais. A tela sofreu sete furos.

Outra obra que foi destruída pelos criminosos foi a escultura de bronze O Flautista, do artista Bruno Jorge, avaliada em 250 mil reais.

Outro item de valor inestimável do acervo brasileiro é o relógio de Balthazar Martinot, que pertencia ao rei Dom João VI – um presente dado pela corte francesa. Só existem dois relógios deste modelo no mundo. O primeiro está em exposição no Palácio de Versalhes, na França, o outro foi destruído pelos bolsonaristas.

Os terroristas, que afirmam ser “patriotas”, não pouparam nem mesmo a obra Bandeira do Brasil, do artista plástico Eduardo Jorge, que foi encontrada inundada, depois que os terroristas abriram o registro dos hidrantes do palácio. E o rastro de destruição não parou por aí.

No STF destruíram o Brasão da República, poltronas dos ministros, a bancada de votação no plenário do Senado (*2); o vitral Araguaia, da artista Marianne Peretti (*3), além da escultura de Ulysses Guimarães; isso sem contar a destruição de equipamentos de expediente como telefones, impressoras, computadores, televisores entre outros.

A galeria de todos os ex-presidentes da República foi completamente destruída, exceto a foto de Bolsonaro, que foi furtada do local.

Nota conjunta

A Presidência da República, o Congresso e o STF divulgaram uma nota conjunta em defesa da democracia. Os poderes rechaçaram os atos golpistas ocorridos em Brasília, e reforçaram a união entre as casas.

“Estamos unidos para que as providências institucionais sejam tomadas, nos termos das leis brasileiras. Conclamamos a sociedade a manter a serenidade, em defesa da paz e da democracia em nossa pátria. O país precisa de normalidade, respeito e trabalho para o progresso e justiça social da nação”, diz a nota.

O governo brasileiro divulgou que os presidentes do Brasil e dos Estados Unidos conversaram na tarde desta segunda-feira, por telefone. “O presidente Biden transmitiu o apoio incondicional dos Estados Unidos à democracia do Brasil e à vontade do povo brasileiro, expressa nas últimas eleições do Brasil, vencidas pelo presidente Lula”, declara a nota.

O presidente dos EUA condenou os atos violentos e o ataque às instituições democráticas. Ainda segundo a nota do governo brasileiro, os líderes comprometeram-se em trabalhar juntos em temas enfrentados pelo Brasil e pelos Estados Unidos, “entre os quais mudança do clima, desenvolvimento econômico, paz e segurança”.

_____________

– (*1) Incluído no texto por Conexão Planeta;
– (*2) de acordo com declarações de Randolfe Rodrigues, líder do governo, o plenário da Câmara dos Deputados não foi atingido, somente no Senado;
– (*3) De acordo com Claudia Porto, que trabalha na Câmara dos Deputados, o painel não sofreu danos
.

Leia também:
Vamos falar com o secretário geral da ONU para que a COP de 2025 seja realizada no Brasil e na Amazônia, declara Lula na COP 27, no Egito

_____________

Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil (Terroristas bolsonaristas invadem Congresso, STF e Palácio do Planalto)

* Este texto foi produzido e publicado originalmente pela Amazônia Real em 9/1/2023 e adaptado para publicacao aqui, no Conexão Planeta, por Mônica. A reprodução é permitida graças à Licença Creative Commons – Atribuição 4.0 Internacional 


Comentários
guest

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Notícias Relacionadas
Sobre o autor
PUBLICIDADE
Receba notícias por e-mail

Digite seu endereço eletrônico abaixo para receber notificações das novas publicações do Conexão Planeta.

  • PUBLICIDADE

    Mais lidas

    PUBLICIDADE