Filhotes de tapitis, única espécie de coelho genuinamente brasileira, são achados no Parque Nacional da Tijuca, no Rio de Janeiro

Filhotes de tapitis, única espécie de coelho genuinamente brasileira, são achados no Parque Nacional da Tijuca, no Rio de Janeiro

Pouquíssima gente sabe (inclusive eu, admito!), mas a grande maioria daqueles coelhos lindos que vemos por aí, principalmente na época da Páscoa, não são espécies nativas do Brasil, mas sim, da Europa. Foram trazidos para nosso país ao longo do tempo. Todavia, três filhotes da única espécie genuinamente brasileira, o tapiti (Sylvilagus brasiliensis), foram encontrados no Parque Nacional da Tijuca, no Rio de Janeiro.

O fato é considerado raro porque os tapitis têm hábitos noturnos, o que torna muito difícil a observação desses animais, ainda mais, no meio da floresta – e vale lembrar que o Parque Nacional da Tijuca é considerado a maior floresta urbana do mundo – , pois fica bem no meio da cidade.

Os três filhotes foram achados por um grupo de monitores ambientais e brigadistas. Os tapitis estavam no ninho, mas a mãe não estava próxima a ele.

O ninho dessa espécie de coelho selvagem é feito com vegetação e com o próprio pelo do animal.

Filhotes de tapitis, única espécie de coelho genuinamente brasileira, são achados no Parque Nacional da Tijuca, no Rio de Janeiro

O registro dos três tapitis

Em geral, a fêmea do tapiti tem dois fihotes por gestação. “A descoberta deles mostra que realmente a mãe encontrou condições confortáveis para se nutrir e gerar três filhotinhos, um a mais que a média. Além de condições seguras também”, afirmam os especialistas do parque.

Apesar de o tapiti ser uma espécie nativa do Brasil, ela não é exclusiva do território nacional. Pode ser observada na América do Sul e Central, do México ao Brasil.

Na idade adulta, o Sylvilagus brasiliensis mede entre 21 e 40 cm de comprimento e pesa até 1,25 kg. Suas orelhas são estreitas e pequenas se comparadas a de outros coelhos.

Filhotes de tapitis, única espécie de coelho genuinamente brasileira, são achados no Parque Nacional da Tijuca, no Rio de Janeiro

Um tapiti adulto – a única espécie de coelho selvagem nativa do Brasil

“O registro é uma oportunidade rara de apreciar as joias da casa e se inspirar para protegê-las! Neste caso, coelho-brasileiro de verdade!”, celebrou a equipe do Parque Nacional da Tijuca em suas redes sociais.

E quando visitar esse parque no Rio ou qualquer outro no Brasil, não esqueça das importantes recomendações:

– Não alimente e nem dê de beber a animais selvagens. Nunca faça isso. Eles sabem se alimentar sozinhos, não precisam dos seres humanos. Nem mesmo os macacos-prego, que são bastante comuns no parque, precisam de ajuda para comer ou beber;

– Nada de deixar frutas para eles, muito menos biscoitos. Leve o seu lixo com você para fora do parque e descarte-o na lixeira. Essa é uma das melhores maneiras de se conviver em harmonia com uma fauna tão próxima do contato conosco. Colabore!

Leia também:
Sem humanos por perto, animais se ‘reapropriam’ de seu habitat no Parque Nacional da Tijuca, no Rio de Janeiro
Jabuti-tinga volta ao Parque Nacional da Tijuca depois de 200 anos extinto, e já está se reproduzindo
Nasce primeiro filhote de bugio na Floresta da Tijuca, após reintrodução da espécie

Fotos: Eduardo Brito/Parque Nacional da Tijuca e Brian Henderson/Creative Commons/Flickr (tapiti adulto)

Suzana Camargo

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante 6 anos. Entre 2007 e 2011, morou na Suíça, de onde colaborou para publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Depois de dois anos e meio em Londres, vive agora em Washington D.C.

Um comentário em “Filhotes de tapitis, única espécie de coelho genuinamente brasileira, são achados no Parque Nacional da Tijuca, no Rio de Janeiro

  • 30 de outubro de 2020 em 10:19 PM
    Permalink

    Pelo jeito este ninho foi descaracterizado, os tapitis fazem ninhos conforme descrito no texto, mas em tocas. Os filhotes expostos desta forma ficam vulneráveis ao tempo e à predadores

    Resposta

Deixe uma resposta