Filhote de tartaruga resgatado em praia na Austrália defecou plástico durante seis dias

Filhote de tartaruga resgatado em praia na Austrália defecou plástico durante seis dias seguidos

O pequeno filhote de tartaruga-verde (Chelonia mydas) foi encontrado numa piscina natural perto de pedras, na praia de Tamarama, em Sidney, capital da Austrália. Ele estava de cabeça para baixo, não tinha uma de suas quatro nadadeiras, perdido um pedacinho de outra e no casco havia um buraco. Apesar de tudo isso, ele parecia bem de saúde.

Mas levada para o Taronga Wildlife Hospital, durante os seis dias seguintes, a tartaruga só defecou plástico. Seu estômago estava cheio de resíduos.

“Surpreendentemente o filhote sobreviveu e agora está bem. Alguns dos fragmentos eram muito afiados e poderiam ter causado sérios danos internos, então a tartaruga tem sorte de estar viva”, compartilhou a instituição em suas redes sociais.

O hospital veterinário australiano afirma que atende cerca de 80 tartarugas marinhas por ano, muitas das quais são internadas com ferimentos graves causados ​​por enredamento em linhas de pesca e cestos de caranguejo, além de ingestão de anzol e plástico.

A esperança agora é que uma nova legislação que entra em vigor, gradualmente, possa minimizar o impacto desse dejetos sobre os animais marinhos. A partir de 1º de junho, todas as sacolas plásticas de uso único estão proibidas. E a partir de novembro, outros itens descartáveis, incluindo canudos de plástico, agitadores, talheres, pratos, tigelas e cotonetes.

Apesar dos ferimentos e da falta de uma das nadadeiras, a veterinária do Taronga Wildlife Hospital garante que o filhote poderá ter uma vida normal no futuro, quando se tornar adulto e puder ser devolvido à natureza.

Há algumas semanas, escrevi sobre outro caso praticamente igual aqui no Brasil. Tartaruga resgatada em Santa Catarina é retrato do descaso do ser humano com oceano: uma tartaruga resgatada em Santa Catarina também tinha o estômago cheio de plástico. Durante o tratamento de reabilitação, ela expeliu fios de nylon, barbantes e até uma parte plástica de uma tampa de garrafa.

Leia também:
Ao confundir plástico com água-viva, tartarugas encontram a morte
Tartaruga resgatada presa em rede de pesca tem intestino cheio de lixo plástico
Jornada das tartarugas: em curta-metragem de animação, um alerta sobre as ameaças à vida nos oceanos
Filhote de tartaruga morta tinha mais de 100 pedaços de plástico no estômago

Foto: Taronga Wildlife Hospital

Suzana Camargo

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante 6 anos. Entre 2007 e 2011, morou na Suíça, de onde colaborou para publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Depois de dois anos e meio em Londres, vive agora em Washington D.C.