Filhote de águia jogado pra fora do ninho sem querer pelo pai é resgatado graças a alerta de internautas atentos em transmissão ao vivo

Filhote de águia jogado pra fora do ninho sem querer pelo pai é resgatado graças a alerta de internautas atentos em transmissão ao vivo

Foi tudo muito rápido e poderia ter passado despercebido, caso alguns internautas não estivessem atentos ao que acontecia num ninho com um filhote de águia-de-cabeça-branca, a famosa “bald eagle”, situado num penhasco na Ilha de Catalina, próximo à cidade de Two Harbors, ao sul do estado americano da Califórnia, no arquipélago de Channel Islands.

O ninho é monitorado 24 horas por dia por uma câmera instalada próximo dali pelo Institute for Wildlife Studies (IWS), responsável por um programa de reintrodução da espécie no local já há duas décadas.

Acontece que há poucos dias, ao levantar voo um dos pais, o macho, esbarrou sem querer no filhote que acabou sendo jogado para fora do ninho.

Imediatamente, alguns internautas que acompanham o dia-a-dia dessas aves de rapina acionaram a equipe do IWS e de outra organização local para tentarem resgatar o filhote, que na verdade, tinha caído apenas a alguns metros abaixo do ninho.

No dia seguinte à queda, o biólogo Peter Sharpe acompanhado de vários voluntários foi até o local para localizar a jovem águia, que tinha somente três semanas de vida. Após uma hora de caminhada da estrada mais próxima até a beira do penhasco onde fica o ninho, foram necessários mais 30 minutos de escalada, presos a uma corda de segurança, para chegar ao lugar onde estava o filhote.

Filhote de águia jogado pra fora do ninho sem querer pelo pai é resgatado graças a alerta de internautas atentos em transmissão ao vivo

Sharpe, subindo o penhasco com o filhote

Depois de examinar a ave para se certificar que ela não tinha nenhum ferimento ou perna quebrada, ela foi levada de volta ao ninho, sob os olhares desconfiados do pai, Chase, e da mãe, Cholyn.

Mas, felizmente, após o incidente que você confere abaixo, a história teve um final feliz!

Peter Sharp é um dos principais envolvidos no programa de recuperação da biodiversidade do Parque Nacional de Channel Islands. A população de águias-brancas-americanas praticamente desapareceu dali na década de 50. Descobriu-se que uma empresa de agrotóxicos despejava o pesticida DDT no oceano e a substância tóxica provocava o afinamento das cascas dos ovos da espécie.

Em 2002, águias foram reintroduzidas na área do parque e atualmente já há 60 delas vivendo e se reproduzindo no local.

A águia-da-cabeça-branca

Apesar de em inglês a espécie Haliaetus leucocephalus ter o nome de águia-careca, ela possui penas em todo corpo (são aproximadamente 7 mil) . O termo “bald” vem da palavra do inglês arcaico “balde”, que originalmente significava branco. Era a “águia-da cabeça-branca”.

Em geral, essa ave vive próximo a rios e lagos. Ela se alimenta basicamente de peixes, mas também pode comer outros animais, como pequenos mamíferos (esquilos, guaxinis e coelhos), e até, aves aquáticas.

As águias, assim como outras aves de rapinas, possui um bico curvo que serve para despedaçar suas presas.

Para conquistar seus parceiros, a espécie tem um ritual de cortejo especial, em que mostra sua força e agilidade. Aproximadamente de 5 a 10 dias, após a cópula, a fêmea coloca os ovos e o período de incubação dura cerca de 35 dias.

Especialistas alertam sobre a morte de dezenas de 'bald eagles', vítimas da gripe aviária: águia é símbolo dos Estados Unidos

Em pleno voo: envergadura das asas pode chegar a 2,5 metros

A águia-da-cabeça-branca possui um parceiro para a vida toda. Uma vez que um macho e uma fêmea tenham acasalado e procriado juntos, serão um casal para sempre.

Na vida selvagem, entre 70% e 80% das águias morrem antes de se tornarem adultas, por volta dos cinco anos. Aquelas que conseguem passar dessa fase, podem viver em torno de 20 a 25 anos. Em cativeiro, entretanto, a espécie sobrevive muito mais tempo – 40 ou 50 anos -, por estar em um ambiente seguro, ter alimentação garantida e cuidados veterinários.

Leia também:
Especialistas alertam sobre a morte de dezenas de ‘bald eagles’, vítimas da gripe aviária: águia é símbolo dos Estados Unidos
Milhares de pessoas assistem, ao vivo, o nascimento de dois filhotes de “bald eagle”, águia símbolo dos Estados Unidos
Falcão-morcegueiro, comum nas Américas Central e do Sul, inclusive no Brasil, é observado pela primeira vez nos Estados Unidos

Imagens: reprodução vídeos

Suzana Camargo

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante 6 anos. Entre 2007 e 2011, morou na Suíça, de onde colaborou para publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Depois de dois anos e meio em Londres, vive agora em Washington D.C.

Deixe uma resposta