Fêmea de onça-pintada negra é levada de avião do Pará para acasalamento com macho em São Paulo

Fêmea de onça-pintada negra é levada de avião do Pará para acasalamento com macho em São Paulo

No último dia 15 de julho, Sheilla fez uma longa viagem. A fêmea de onça-pintada (Panthera onca), de 5 anos, deixou sua casa, o Parque Zoobotânico Vale, em Parauapebas, no Pará, para ser levada até São Paulo. O trajeto incluiu 200 km por terra até o aeroporto de Marabá, depois cerca de sete horas de voo para a capital paulista, e ainda mais 600 km em direção ao Parque Ecológico Municipal de Americana, seu destino final. A extensa jornada tinha como objetivo fazer com que ela conhecesse Pantanal, um macho, que até agora vivia sozinho. A expectativa é que os dois formem um casal e gerem filhotes para ajudar na reprodução dessa espécie tão ameaçada no Brasil.

Sheilla nasceu em 2016 no zoológico de Parauapebas. Ela e a irmã, Leila, são onças-pintadas negras, ou seja, apresentam uma variação melânica – possuem mais melanina, o que dá à pelagem uma tonalidade escura (já há registros de outros indivíduos assim no Brasil).

O envio da onça fêmea para possível pareamento com o macho faz parte de um programa de trocas e doações de indivíduos entre zoológicos de todo o país. “São ações muito importantes para a conservação da espécie. Vale ressaltar que os animais que chegam a estas instituições são provenientes do tráfico, permutas ou porque nasceram em cativeiro. Nenhum animal foi retirado da natureza”, explica o biólgo Tarcísio Rodrigues, do Parque Zoobotânico Vale.

Nessas permutas os especialistas sempre pareiam indivíduos que sejam originários do mesmo bioma. Tanto Sheilla como Pantanal são filhos de pais amazônicos.

Atualmente existem sete onças-pintadas no zoo de Parauapebas e cinco delas são fêmeas, por isso Sheilla foi enviada para Americana. Neste primeiro momento, ela passará por um período de quarentena. Só depois é que será apresentada ao macho.

“A aproximação entre os dois será gradual. Ficarão em recintos diferentes e se conhecerão através de grades, tudo feito com muito cuidado”, explica Rodrigues. “Mas se tudo der certo, poderão conviver juntos e no futuro, teremos boas notícias sobre filhotes”.

Fêmea de onça-pintada negra é levada de avião do Pará para acasalamento com macho em São Paulo

Sheilla, ainda no Parque Zoobotânico Vale

Ameaça de extinção

A onça-pintada, também chamada de jaguar, é o maior felino das Américas. Originalmente, este animal era encontrado desde o sudoeste dos Estados Unidos até o norte da Argentina. Nos dias de hoje, está oficialmente extinto em território americano, é muito raro no México, mas ainda pode ser visto na Argentina, Paraguai e Brasil.

Devido ao desmatamento e a fragmentação da mata, pesquisadores temem que a Panthera onca possa desaparecer da Mata Atlântica, como mostramos aqui, neste outro post.

A espécie já perdeu 85% de seu habitat e sobrevive em apenas 2,8% do bioma atlântico, em grupos muito pequenos.

Fêmea de onça-pintada negra é levada de avião do Pará para acasalamento com macho em São Paulo

A caixa em que a onça foi transportada sendo embarcada no avião

O traslado de Sheilla de Marabá para São Paulo foi realizado pelo Programa Avião Solidário da companhia aérea LATAM. A iniciativa auxilia de forma gratuita o transporte de pessoas, animais e carga em situações emergenciais envolvendo saúde, preservação ambiental e desastres naturais. Em dez anos, o programa já ajudou mais de 4.500 animais em risco (conheça aqui outros casos de transporte de animais pelo programa Avião Solidário).

Leia também:
Onça-pintada é morta com mais de 50 tiros de espingarda e jogada de ponte em região de serra de São Paulo
Joujou, onça-pintada resgatada em um dos incêndios no Pantanal, volta à natureza
Pioneiro na pesquisa e conservação da onça-pintada, Peter Crawshaw morre vítima da covid-19
Amanaci, onça-pintada com patas queimadas por incêndios no Pantanal, recebe alta, mas não voltará à natureza
Quase um mês após voltar ao Pantanal, Ousado, onça-pintada com patas queimadas pelos incêndios, é flagrado caçando
Biólogos celebram chegada de três novos filhotes de onça-pintada no Parque Nacional do Iguaçu

Fotos: divulgação LATAM Brasil e Parque Zoobotânico Vale

Suzana Camargo

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante 6 anos. Entre 2007 e 2011, morou na Suíça, de onde colaborou para publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Depois de dois anos e meio em Londres, vive agora em Washington D.C.

Deixe uma resposta