PUBLICIDADE

Ex-ministros do Meio Ambiente repudiam enfraquecimento da pasta comandada por Marina Silva

Ex-ministros do Meio Ambiente repudiam enfraquecimento da pasta comandada por Marina Silva

A noite da quarta-feira, 24/05, marcou um retrocesso na área ambiental brasileira. Depois de todas as expectativas colocadas sobre a nova gestão federal, alavancadas pela promessa do presidente Lula em fortalecer a questão ambiental, os parlamentares conseguiram “passar a boiada” no Congresso. Uma comissão mista aprovou por 15 votos a 3 o relatório que altera a Medida Provisória (MP) 1154 – sobre a estrutura administrativa do governo -, tirou a Agência Nacional de Águas (ANA) e o Cadastro Ambiental Rural (CAR) do Ministério do Meio Ambiente e a demarcação de terras do Ministério dos Povos Indígenas. Com isso ficam esvaziadas as pastas das ministras Marina Silva e Sônia Guajajara (leia mais aqui).

Ex-ministros do Meio Ambiente criticaram com veemência a punhalada dada pelo Congresso. E alertam sobre o impacto que a notícia terá no cenário internacional, onde Lula afirma que o Brasil voltará a ser uma liderança na área ambiental.

“É um desastre para a reputação [do Brasil]”, lamentou Izabella Teixeira, que comandou a pasta entre 2010 e 2016, em entrevista à coluna de Chico Alves no portal UOL. “Um esvaziamento grave na possibilidade de ocupar a liderança mundial na questão ambiental”.

Ela considera a MP 1154 um erro.

“Fragiliza a gestão ambiental pública federal, em particular, na agenda de recursos hídricos e da integridade dos instrumentos de Política Nacional de Meio Ambiente, como o CAR”, analisa.

Ministro do Meio Ambiente no período de 2008 a 2010, o atual deputado estadual pelo Rio de Janeiro, Carlos Minc, afirma que a aprovação da medida provisória é um balde de gelo nas expectativas geradas após a posse de Lula. Deixam de fazer parte ainda do Ministério do Meio Ambiente o Sistema Nacional de Informações sobre a Gestão dos Resíduos Sólidos (Sinir) e o Sistema Nacional de Gerenciamento de Recursos Hídricos (Singreh).

“A lógica disso é enfraquecer a questão ambiental, o ministério e a Marina. É um péssimo sinal para o mundo. Depois do período de governo de Jair Bolsonaro, em que o Brasil foi pária ambiental, a expectativa era grande com a volta de Lula e Marina”, ressalta.

O desgaste não cairá apenas sobre o Brasil, mas também sobre a ministra.

“Como percorrer o mundo inteiro e dizer que vai ser a defensora do clima, pedir recursos para o Fundo Amazônia? Vão dizer que o Ibama decide uma coisa e todo mundo contesta, que o ministério foi desestruturado… É uma situação muito ruim”, acredita Minc.

Outro que repudiou o comportamento antiambiental do Congresso foi Rubens Ricúpero, que foi ministro entre 1993 e 1994.

“É praticamente uma volta ao tempo do Ricardo Salles. São transformações de fundo bolsonarista, com a exclusão de várias áreas, como CAR e a ANA. É uma forma de amarrar as mãos do novo governo, que ganhou a eleição e tem o direito de se organizar como deseja. O Poder Legislativo não tem o direito de impor uma estrutura, isso é algo condenável, uma ação bolsonarista em associação com o Centrão”, destaca.

Para Ricúpero a Câmara é dominada por parlamentares reacionários, nem um pouco preocupados em proteger a biodiversidade do país. “É um grupo que não representa a opinião pública brasileira. As pesquisas mostram que quase 90% da população é a favor da preservação ambiental”.

*Com trechos de entrevistas concedidas ao jornalista Chico Alves

Leia também:
“O governo federal vai respeitar a decisão do Ibama!”, declara ministra Marina Silva sobre exploração de petróleo na bacia da Foz do Amazonas

Fotos de abertura: Izabella Teixeira e Carlos Minc, reprodução Instagram, e Rubens Ricúpero UNCTAD/Creative Commons/Flickr

Comentários
guest

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Notícias Relacionadas
Sobre o autor
PUBLICIDADE
Receba notícias por e-mail

Digite seu endereço eletrônico abaixo para receber notificações das novas publicações do Conexão Planeta.

  • PUBLICIDADE

    Mais lidas

    PUBLICIDADE