Estudo alerta que máscaras com válvulas e viseiras faciais são menos eficientes para evitar transmissão do coronavírus

Estudo alerta que máscaras com válvulas e viseiras faciais são menos eficientes para evitar transmissão do coronavírus

Como já escrevi aqui recentemente, desde que a pandemia do novo coronavírus começou no início deste ano, as máscaras de proteção passaram a ser um instrumento importantíssimo para evitar o contágio do vírus. Segundo profissionais e especialistas de saúde, ao lado de lavar as mãos de maneira correta e constante, o uso da máscara fora de casa é um hábito fundamental para evitar a proliferação da COVID-19.

No mês passado, um estudo realizado por pesquisadores da Universidade de Duke, nos Estados Unidos, comparou a eficácia de diferentes modelos de máscaras e reprovou dois tipos: a balaclava e a bandana.

Esta semana, um novo artigo científico, produzido por cientistas do Departamento de Engenharia Mecânica e Oceanográfica da Florida Atlantic University, também nos Estados Unidos, mostra a análise da eficácia de outros dois modelos de máscara, aquelas que possuem válvulas e as viseiras ou escudos faciais, chamados de “face shields”, em inglês.

Estudo alerta que máscaras com válvulas e viseiras faciais são menos eficientes para evitar transmissão do coronavírus

Testes analisaram a eficiência dos dois tipos de máscaras para evitar a propagação de aerossóis

O experimento usou um manequim vestindo o equipamento de proteção e simulou uma tosse ou espirro com um impulso de pressão de uma bomba manual, aliado a lasers para iluminar o caminho das gotículas expelidas.

“As visualizações indicam que, embora os escudos faciais bloqueiem o movimento inicial do jato, as gotículas expelidas podem se mover ao redor do visor com relativa facilidade e se espalhar por uma grande área dependendo de distúrbios ambientais leves”, afirmam os pesquisadores e conforme você consegue ver na imagem que abre este texto.

Já no caso da máscara equipada com a válvula, os cientistas perceberam que um grande número de aerossóis passa pela “porta de exalação”, o que reduz significativamente sua eficácia como barreira à proliferação do vírus (veja imagem mais abaixo).

“Nossas observações sugerem que, para minimizar a disseminação da COVID-19 na comunidade, é preferível usar máscaras feitas com tecidos de alta qualidade ou máscaras cirúrgicas de design simples, em vez de protetores faciais e máscaras equipadas com válvulas de exalação”, recomendam.

Estudo alerta que máscaras com válvulas e viseiras faciais são menos eficientes para evitar transmissão do coronavírus

Imagem mostra a trajetória das gotículas que passam
pela válvula da máscara

Os especialistas ressaltam que o processo do desenvolvimento de tratamentos e vacinas contra o coronavírus estão em estágio avançado, no entanto, estima-se que a imunização não estará disponível antes de 2021. Até lá, pessoas dos chamados grupos de riscos – com mais de 60 anos e vítimas de co-morbidades -, continuam muito vulneráveis à COVID-19, por isso mesmo, devem se prevenir da maneira mais eficaz possível.

“Diante do cenário atual, tornou-se crucial estabelecer diretrizes claras e específicas que podem ajudar a mitigar a propagação da doença, especialmente dada a alta prevalência de propagação assintomática e pré-sintomática”, afirma o artigo.

Não há contra-indicação, entretanto, quando se faz a utilização da viseira facial junto com uma máscara de proteção, embaixo dela.

Leia também:
Aplicativos conectam pessoas interessadas em comprar máscaras a costureiras próximas de casa
Máscaras pelo bem: se proteja e ajude a proteger alguém!
Um dos efeitos colaterais da pandemia: o aumento da geração de lixo doméstico e hospitalar
Como jogar fora o lixo de casa durante a pandemia?

Fotos: reprodução estudo

Suzana Camargo

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante 6 anos. Entre 2007 e 2011, morou na Suíça, de onde colaborou para publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Depois de dois anos e meio em Londres, vive agora em Washington D.C.

Deixe uma resposta