Estudante ganha prêmio por site com informações sobre coronavírus e recusa oferta de US$ 8 milhões para ter anúncios

Estudante de 17 anos ganha prêmio por site com informações sobre coronavírus e recusa oferta de US$ 8 milhões para ter anúncios

Até o começo de dezembro, a vida do estudante americano Avi Schiffmann era similar a de muitos outros jovens da cidade onde mora, Mercer Island, na área metropolitana do estado de Washington. Com 17 anos, o adolescente se ocupava com as lições de casa, partidas de Fortnite e suas postagens no TikTok. Mas os primeiros casos de pessoas infectadas com o novo coronavírus, em Wuhan, na China, começaram a chamar sua atenção.

Filho de uma médica e um biólogo, Avi percebeu que, naquele momento, havia pouquíssimas informações sobre a nova doença disponíveis na internet. Usando uma tecnologia chamada de web-scraping, Avi criou o ncov2019.live.

Desde que foi lançado em 29 de dezembro de 2019, o site do estudante já teve mais de 700 milhões de visualizações e se tornou um dos mais acessados globalmente para quem busca dados confiáveis e atualizados sobre a pandemia da COVID-19.

Página principal do site, com números atualizados da COVID-19

Avi tem como fonte para seu site alguns dos órgãos de saúde mais respeitados internacionalmente, como a Organização Mundial de Saúde (OMS) e o Centro para a Prevenção e o Controle de Doenças dos Estados Unidos (CDC, na sigla em inglês).

Além de números sobre os casos confirmados de coronavírus e mortes no mundo, e em cada país, constantemente o estudante adiciona novas ferramentas no ncov2019.live. Há, por exemplo, uma calculadora que mostra as chances de cada pessoa de vencer a COVID-19, caso ela seja contaminada, baseando-se em sua idade, sexo e doenças pré-existentes.

Estudante de 17 anos ganha prêmio por site com informações sobre coronavírus e recusa oferta de US$ 8 milhões para ter anúncios

A calculadora que mostra suas probabilidades contra a doença

Outra funcionalidade incluída recentemente é um rastreador de pesquisas relacionadas ao desenvolvimento de vacinas contra o coronavírus. E Avi informa que uma nova página será criada, em breve, apenas para esse tema.

Com tanto interesse e popularidade em torno de seu site, a média diária de visitantes chega a 3 milhões, o jovem foi procurado por empresas interessadas em colocar anúncios no ncov2019.live. O total do investimento seria de US$ 8 milhões, cerca de R$ 42 milhões. Avi recusou a proposta.

“Tenho apenas 17 anos, não preciso de US$ 8 milhões … não quero ser um aproveitador”, afirmou em entrevista ao site Business Insider. Além disso, Avi não quer pop-ups ‘arruinando’ a interface do usuário, o que seria algo fora de controle se ele permitisse propaganda no site. Também não quer ficar amarrado a um contrato, que eventualmente pode obrigá-lo a fazer alterações com as quais não concorda. Outro receio é que com página mais pesada, seguidores de países onde a conexão com internet não é tão eficiente como nos Estados Unidos sejam prejudicados.

Todavia, o site oferece a oportunidade de seus usuários “pagarem um café” ao estudante, ou seja, fazerem uma doação, a partir de US$ 3, como agradecimento pelo seu trabalho, que vamos concordar, é impressionante.

Prêmio e oferta de trabalho

Avi Schiffmann já é uma celebridade na mídia e no mundo digital. Recebeu propostas de trabalho, uma delas da gigante Microsoft, e o convite das Nações Unidas para ser um “Jovem Embaixador pela Tecnologia”. O adolescente revela que começou a programar com 7 anos – aprendeu através de tutoriais no YouTube.

Recentemente, o estudante americano também teve sua história contada em um artigo na famosa revista The New Yorker e foi entrevistado (virtualmente) pelo programa The Daily Show, um dos mais famosos da televisão americana.

E na semana passada, ao lado de grandes nomes da mídia, como The Washington Post, National Geographic, Google, HBO, Spotify e até, da Agência Espacial dos Estados Unidos, a NASA, Avi foi um dos agraciados com o prêmio Webby 2020, na categoria “Personalidade do Ano”.

Nos planos para o futuro, quando a pandemia acabar, o jovem planeja fazer um estágio, participar de um hackaton de programação e se tornar alguém como Bill Gates, que faz um trabalho de filantropia na área de saúde para melhorar a qualidade de vida de pessoas em países carentes do mundo inteiro.

Alguma dúvida que ele conseguirá e ainda vamos ouvir o nome de Avi Schiffmann muitas e muitas vezes? Acho que não!

*Com informações dos jornais The Times, The Verge e Business Insider

Foto: arquivo pessoal

Suzana Camargo

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante 6 anos. Entre 2007 e 2011, morou na Suíça, de onde colaborou para publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Depois de dois anos e meio em Londres, vive agora em Washington D.C.

Deixe uma resposta