Estados Unidos anunciam doação de mais 500 milhões doses de vacinas para países de baixa e média renda

Estados Unidos anunciam doação de mais 500 milhões doses de vacinas para países de baixa e média renda

Há três meses, quando as nações do G7 anunciaram a doação de 1 bilhão de vacinas a países menos favorecidos, os Estados Unidos já tinham se comprometido com a compra de 500 milhões de doses. E ontem, durante uma reunião global sobre a pandemia da covid-19, o presidente americano Joe Biden afirmou que outras 500 milhões de unidades serão adquiridas da farmacêutica Pfizer e enviadas através da aliança global Gavi Covax, liderada pela Organização Mundial de Saúde.

Durante o encontro, um evento paralelo à Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas, que contou com a participação virtual de outros líderes mundiais, como o primeiro-ministro do Canadá, Justin Trudeau, e Ursula Leyen, presidente da Comissão Europeia, além do diretor-geral da Organização Mundial de Saúde (OMS), Tedros Adhanom Ghebreyesus, Biden afirmou que seu governo irá doar também U$ 370 milhões para ajudar na administração dos imunizantes. Além disso, outros U$ 250 milhões serão investidos em um novo fundo internacional que tem como objetivo combater futuras pandemias.

“Não vamos resolver esta crise com meias-medidas ou ambições de meio-termo. Precisamos ser ambiciosos. E precisamos fazer a nossa parte: governos, setor privado, líderes da sociedade civil, filantropos”, disse Biden. “Devemos nos unir com base em alguns princípios: que nos comprometamos a doar, não vender – doar, não vender – doses para países de baixa renda e que as doações venham sem amarras políticas”, ressaltou.

Apesar do gesto americano – o país já doou até o momento 1,1 bilhão de doses -, há muitas críticas em relação aos Estados Unidos e outros governos da Europa que aprovaram a aplicação de uma terceira dose da vacina, um reforço, para adultos com mais de 65 anos e aqueles pertencentes a grupos de risco, enquanto menos de 10% da população das nações mais pobres – e menos de 4% dos africanos – estão totalmente vacinados.

Em todo o mundo, 79% das doses administradas foram em países de alta e média alta rendas, de acordo com o projeto Our World in Data da Universidade de Oxford.

Internamente, Biden também lida com a pandemia dos “não-vacinados”. Pouco mais de 50% dos americanos já receberam as duas doses da vacina, enquanto milhões ainda se recusam a ser imunizados. O resultado disso é que o número de mortes relacionadas com a covid voltou a subir nos últimos meses e está em cerca de 2 mil óbitos por dia. 678 mil pessoas já morreram vítimas da doença no país. Globalmente, são 4,7 milhões de vítimas da pandemia.

A pressão internacional cresce também para que as companhias farmacêuticas, como a Pfizer, compartilhem a tecnologia para a fabricação de vacinas com outros laboratórios, permitindo assim que a produção local garanta um acesso mais rápido a todos os cantos do mundo.

O Brasil não aparece na lista de países que devem receber as vacinas a serem doadas pelos Estados Unidos.

*Com informações da assessoria de comunicação da Casa Branca e do jornal The New York Times

Leia também:
Greta doa €100 mil de sua fundação para apoiar distribuição de vacinas em países pobres através da iniciativa global COVAX
Nova Zelândia irá doar vacinas para nações vizinhas

Fundação de Bill Gates doa U$ 250 milhões para compra de testes, medicamentos e vacinas anti-COVID em países pobres

Foto: reprodução Facebook White House

Suzana Camargo

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante 6 anos. Entre 2007 e 2011, morou na Suíça, de onde colaborou para publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Depois de dois anos e meio em Londres, vive agora em Washington D.C.

Deixe uma resposta