Especialistas alertam: para não desaparecerem, coalas devem ser classificados como ‘ameaçados de extinção’ na Austrália

Especialistas alertam: para não desaparecerem, coalas devem ser classificados como 'ameaçados de extinção' na Austrália

Em maio de 2019, como contamos aqui, os coalas foram declarados ‘funcionalmente’ extintos devido ao declínio da população que comprometia a segurança e a variação genética da espécie, já que o acasalamento, muitas vezes, ocorre entre “parentes” muito próximos.

Mas, em novembro desse ano, vieram os incêndios florestais na Reserva Natural do Lago Innes, em New South Wale (NSW), e a situação se agravou: morreram centenas deles; em dezembro, eram mais de mil desaparecidos.

Em março de 2020, estudo revelou o impacto dos incêndios essa região, que foi a mais atingida pelo fogo: estima-se que quase 12% da população da espécie desapareceu, cerca de cinco mil indivíduos.

Essa espécie icônica muito amada em todo o mundo já lutava pela sobrevivência devido ao desmatamento, à seca, doenças, tráfego de carros e ataques de cães. Com os incêndios de 2019/2020, foi dizimada e boa parte de seu habitat precioso, destruído.

Agora, um painel federal que reuniu especialistas em espécies ameaçadas trouxe mais informações e um novo alerta: os coalas podem ser extintos em NSW até 2050, a menos que uma ação urgente seja tomada

Só nessa região, suas populações diminuíram entre 33% e 61% desde 2001 e pelo menos 6.400 foram mortos nos incêndios. Em Queensland, a população de coalas caiu, pelo menos, 50% desde 2001 devido ao desmatamento, seca e incêndios florestais. Nos dois estados, a espécie foi listada como vulnerável ​​em 2012.

Por tudo isso, especialistas e representantes das organizações Humane Society International, International Fund for Animal Welfare (Fundo Internacional para o Bem-Estar Animal) e WWF alertam que a espécie seja incluída na lista de espécies ameaçadas de extinção, com urgência, em três jurisdições: NSW, Queensland e no território da capital da Austrália (Canberra), como última esperança.

Josey Sharrad do Fundo Internacional para o Bem-Estar Animal declarou: “Isso confirma nossos temores de que os coalas estão em vias de extinção e precisam de maiores proteções se quisermos que sobrevivam no futuro”.

Ela ainda reclamou que o plano nacional de recuperação do coala está atrasado. “Pedimos aos governos que tomem medidas imediatas para enfrentar as principais ameaças que levam a espécie à extinção”.

Alexia Wellbelove, gerente sênior de campanha da organização, acrescenta: “Esta é uma notícia da qual nenhum australiano pode se orgulhar, mas ainda temos tempo para agir”.

No início deste ano, anunciou um plano para ajudar a proteger o coala, com investimentos de US $ 18 milhões. No painel, o ministro do Meio Ambiente, Sussan Ley, propôs uma auditoria nacional para ajudar a direcionar o financiamento e o apoio, que pode custar US $ 2 milhões. E que o restante do dinheiro pode ser destinado à pesquisa em saúde, suporte médico e restauração de habitat.

Até final de outubro, o painel fornecerá seu parecer final ao ministro, que também ajudará a balizar os esforços para salvar os coalas.

Com informações do The Guardian

Leia também:
Inteligência artificial será usada para fazer reconhecimento facial de coalas e, assim, estar atropelamentos na Austrália
Usando drones e análises de cocôs, Austrália fará censo nacional para contar população de coalas

Foto: domínio público/Pixabay

Mônica Nunes

Jornalista com experiência em revistas e internet, escreveu sobre moda, luxo, saúde, educação financeira e sustentabilidade. Trabalhou durante 14 anos na Editora Abril. Foi editora na revista Claudia, no site feminino Paralela, e colaborou com Você S.A. e Capricho. Por oito anos, dirigiu o premiado site Planeta Sustentável, da mesma editora, considerado pela United Nations Foundation como o maior portal no tema. Integrou a Rede de Mulheres Líderes em Sustentabilidade e, em 2015, participou da conferência TEDxSãoPaulo.

Deixe uma resposta