Equipamento criado por designers para dar mais segurança a coletores de açaí ganha destaque em evento internacional

Equipamento criado por designers para dar mais segurança a coletores de açaí ganha destaque em evento internacional

A frutinha redonda e roxa que sempre foi muito apreciada pelos amazônidas conquistou o mundo. O açaí, fruto da palmeira Euterpe oleracea,  virou mania nas academias do Rio de Janeiro e São Paulo na década de 90. Logo, logo, a fama de seus benefícios nutricionais, rica em antioxidantes, antocianinas, fibras e com alto valor energético, chegou aos ouvidos dos estrangeiros, e só no estado do Pará, o maior produtor do Brasil, nos últimos dez anos houve um aumento de quase 15 mil% em suas exportações.

Para atender essa demanda cada vez maior não apenas do mercado nacional, mas do internacional, produtores de açaí começaram a trabalhar dobrado. Entretanto, a coleta dos cachos da fruta até hoje ainda é realizada de forma manual e num processo muito rudimentar. Os coletores utilizam a peconha, uma espécie de cinto feita com fibras de algumas plantas e usada para a escalada do tronco da palmeira, que é impulsionada pela força das pernas para que se chegue ao topo da árvore, que pode atingir até 20 metros de altura. Com um facão nas costas e sem roupas apropriadas, eles estão sujeitos a muitos acidentes.

Em 2016, o Instituto Peabiru fez o primeiro levantamento sobre os riscos enfrentados pelos peconheiros – nome dado aos apanhadores de açaí. A pesquisa revelou que 89% dos coletores entrevistados relataram já ter sofrido acidentes durante a atividade, sendo que metade deles precisou de atendimento especializado.

Enquanto isso, na Polônia, duas designers que já tinham feito trabalhos para o Brasil estavam em busca de um projeto que aliasse design e segurança. Monika Brautsch e Dorota Kabala se depararam então com o estudo do Peabiru e decidiram desenvolver novas ferramentas para os peconheiros.

Equipamento criado por designers para dar mais segurança a coletores de açaí ganha destaque em evento internacional

Desde então, em parceria com a designer brasileira Carolina Menezes, além de membros de uma comunidade do Pará, as profissionais fizeram várias viagens à região, promoveram workshops com os peconheiros e criaram inúmeros protótipos. Para isso, conversaram como os apanhadores para entender qual a real necessidade deles e assim oferecer algo que realmente ajudasse na coleta do açaí e garantisse maior segurança. “Conversando com eles entendemos, por exemplo, que a principal preocupação deles era que o equipamento desse agilidade ao trabalho porque os coletores trabalham por conta própria, não para empresas, e dependem desse dinheiro para sustentar suas famílias”, conta Monika.

Desses bate-papos, as designers também constataram que muitos dos acidentes envolvem as facas, usadas para soltar os cachos das palmeiras, por isso elas acharam importante criar uma bainha onde ela pudesse ser acondicionada.

Equipamento criado por designers para dar mais segurança a coletores de açaí ganha destaque em evento internacional

O protetor de antebraço com luva aumenta o atrito entre a palmeira e os antebraços,
facilita a subida e evita quedas

Após quatro anos de muitos estudos e testes, o “Kit dos Peconheiros” foi aprovado pelos coletores. Ele consiste de um protetor de antebraço (com luva e sem luva), cinto multifuncional, bainha e laços.

“Nosso objetivo foi proteger os antebraços e também criar uma solução para que eles possam pendurar os cachos, através dos laços que são encaixados no cinto, assim como a bainha para a faca”, revela Monika.

Todas as peças foram fabricadas com aço, juntas de alumínio, linho e algodão orgânico, e couro natural. Houve uma preocupação para que o material utilizado fosse o mais sustentável possível. “Esses produtos são para pessoas que trabalham na floresta e lá é muito difícil, por exemplo, achar reciclagem para lixo”, diz Dorota.

Equipamento criado por designers para dar mais segurança a coletores de açaí ganha destaque em evento internacional

O laço para segurar o cacho do açaí

Recentemente o projeto foi um dos destaques da Austin Design Week, uma feira internacional de design, que aconteceu no Texas, nos Estados Unidos.

O próximo passo da equipe é desenvolver peças para a proteção das pernas e pés e viabilizar a produção do kit com um custo baixo. “Nosso objetivo é encontrar ONGs ou parceiros que atuem na região e que tenham expertise em produzir e comercializar o Kit dos Peconheiros, a valores acessíveis. Estes produtos têm potencial para melhorar as condições de trabalho destes profissionais, reduzindo o número de acidentes”, acredita Monika.

Uma das possibilidades é envolver a comunidade local na produção das peças. “Esperamos que o kit reflita e mostre um pouco da beleza desse trabalho que é perto da natureza e da floresta, e que também, ajuda a manter uma boa condição física para os peconheiros, assim como uma boa fonte de renda para essas famílias, contribuindo bastante para a economia local”, ressalta a designer.

O cinto multifuncional tem lugar para a faca

Abaixo o vídeo que apresenta o projeto do “Kit dos Peconheiros”:

Leia também:
O impacto da crescente demanda global do açaí nas florestas de várzea da Amazônia

Engenheiro do Pará cria produto inédito que usa açaí no tratamento de água

Fotos: Chico Kfouri @chicokfouri

Suzana Camargo

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante 6 anos. Entre 2007 e 2011, morou na Suíça, de onde colaborou para publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Depois de dois anos e meio em Londres, vive agora em Washington D.C.

Deixe uma resposta