Entra em vigor na França lei que proíbe embalagens de plástico para frutas e legumes

Desde o último dia 1o de janeiro entrou em vigor na França uma lei que tem como principal objetivo reduzir o uso de plástico descartável no país e consequentemente, a poluição do meio ambiente. Parte da nova legislação já estava em prática desde 2021, como por exemplo, o uso de copos, talheres e pratos plásticos e de isopor, que deveriam ser substituídos por similares biodegradáveis.

Todavia, o governo francês deu mais dois anos para que a indústria se adaptasse à exigência de encontrar também alternativas biodegradáveis para as embalagens plásticas utilizadas em frutas e legumes. A nova lei, que inclui 30 tipos desses produtos, entre eles, tomates, berinjelas, maçãs, bananas e laranjas, deixou de fora alguns mais sensíveis, como amoras, ou aqueles vendidos em grandes volumes, com peso superior a 1,5 kg. Estes últimos têm até junho de 2026 para se adequar à atual legislação.

Os estabelecimentos comerciais e empresas que desobedecerem à regra poderão pagar multas que chegam a até 5 mil euros (R$ 95 mil).

“Usamos uma quantidade absurda de plástico descartável em nossa vida diária. A lei da economia circular visa reduzir o uso de plástico descartável e aumentar sua substituição por outros materiais ou embalagens reutilizáveis ​​e recicláveis”, afirmou Barbara Pompili, ministra do Meio Ambiente em um comunicado.

Entra em vigor lei que proíbe embalagens de plástico para frutas e legumes na França

Embalagem 100% biodegradável desenvolvida pela rede francesa Carrefour

A França tem apertado cada vez mais o cerco contra o plástico. Em 2019, colocou uma taxa sobre embalagens fabricadas com plástico não-reciclado e também aumentou o valor de impostos para o despejo de lixo em aterros sanitários, além de reduzir os encargos para empresas que trabalham no setor de reciclagem.

O presidente francês Emmanuel Macron estabeleceu uma meta para que 100% do plástico seja reciclado na França até 2025.

Atualmente uma quantidade absurda de plástico é jogada nos mares do planeta todos os anos. As correntes oceânicas formaram cinco ilhas gigantes destes resíduos, chamadas de Vortex, que se movem lentamente, em redemoinhos.

Estudo revelam que cerca de 5 trilhões de resíduos plásticos, pesando mais de 250 mil toneladas, boiam pelos oceanos. Apesar de grande parte deste volume estar nos Vortexes, uma parcela significativa deste lixo é levada para a costa ou digerida por animais marinhos, que acabam morrendo sufocados por esses dejetos.

O plástico demora milhares de anos para se decompor na natureza. E para piorar, há mais de 50 tipos diferentes desse material. Cientistas afirmam que até 2050, quase todas as aves marinhas terão plástico em seus organismos. Não escaparão nem as mais remotas comunidades de pinguins da Antártica ou albatrozes nascidos em ilhas e rochedos distantes do continente (leia mais sobre o assunto neste post).

*Com informações da agência de notícias Reuters

Leia também:
Embalagem de xampu feita com lixo plástico marinho chega às prateleiras da França
Mais de 25 mil toneladas de lixo plástico proveniente da pandemia foram despejados nos oceanos
Quase 100% do plástico descartado no mar acaba no fundo dos oceanos
Resort de esqui italiano é o primeiro da Europa a banir o plástico

Fotos: reprodução Facebook Carrefour France

Suzana Camargo

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante 6 anos. Entre 2007 e 2011, morou na Suíça, de onde colaborou para publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Depois de dois anos e meio em Londres, vive agora em Washington D.C.

Deixe uma resposta