Enquanto Senado ainda debate proibição de tatuagens e piercings em animais, vários estados brasileiros já criminalizaram a prática

Enquanto Senado ainda debate proibição de tatuagens e piercings em animais, Paraná segue exemplo de outros estado e criminaliza a prática

Difícil acreditar, mas infelizmente, como visto em postagens nas redes sociais, há casos de animais que são submetidos a procedimentos impostos por seus donos para a colocação de piercings e até mesmo, aplicação de tatuagens.

Na semana passada, a Comissão de Constituição e Justiça do Senado aprovou o Projeto de Lei (PL) 4.206/2020, que altera a Lei de Crimes Ambientais (Lei 9.605, de 1998) e proíbe as tatuagens e os piercings em cães e gatos, com fins estéticos, e prevê a detenção de três meses a um ano para os infratores. Agora o texto do deputado mineiro Fred Costa segue para a análise do plenário da casa.

“Todos nós sabemos, por experiência própria ou por relatos de conhecidos, que fazer uma tatuagem é algo sempre doloroso… Mas a liberdade de tatuar a pele não significa que podemos tomar essa decisão pelos animais que convivem conosco. Infringir dor e sofrimento a um animal é uma prática cruel, proibida pela nossa Carta Magna, e que pode levar à prisão os infratores, de acordo com o art. 32 da Lei 9.605, de 1998 – Lei de Crimes Ambientais”, diz Costa em sua proposta.

O parlamentar ressalta que além do sofrimento causado pela dor, os “animais tatuados são expostos a
diversas outras complicações, como reações alérgicas à tinta e ao material utilizado no procedimento, infecções, cicatrizes, queimaduras e irritações crônicas”.

Mas enquanto o PL não é aprovado ainda, vários estados brasileiros já decidiram dar um basta nessa prática tão ignorante e cruel. Rio de Janeiro, Minas Gerais e Paraná aprovaram legislações sobre o tema. Neste último, a nova lei entrou em vigor no começo de junho e proíbe as tatuagens e piercings em animais silvestres, domésticos ou domesticados, nativos ou exóticos.

O tutor do animal que infringir a nova legislação perderá a guarda do animal e ficará proibido de obter a guarda de outros pelo prazo de cinco anos. Já pessoas jurídicas (como pet shops ou lojas de tatuagens) pagarão uma multa de 50 UPF/PR, que no mês de julho equivale a pouco mais de R$ 6 mil.

Enquanto Senado ainda debate proibição de tatuagens e piercings em animais, vários estados brasileiros já criminalizaram a prática

Imagens divulgadas nas redes sociais

*Com informações do site Senado Notícias

Leia também:
Brownie, ‘o Primeiro-Cão da República do Chile’, promete lutar pela adoção de animais e contra maus-tratos
França aprova lei contra maus-tratos aos animais em petshops, circos e aquários
Belo Horizonte inaugura o primeiro Instituto Médico Legal Veterinário do país, que ajudará no combate a crimes de maus-tratos contra animais
Projeto aprovado no Senado prevê pena de até 5 anos para maus-tratos contra cães e gatos
Cortar orelha e rabo de animais por estética não é nada bonito: é crime!

Foto: geckoam/creative commons/flickr

Suzana Camargo

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante 6 anos. Entre 2007 e 2011, morou na Suíça, de onde colaborou para publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Depois de dois anos e meio em Londres, vive agora em Washington D.C.