Enorme variedade de espécies de borboletas em Curitiba surpreende pesquisadores

Enorme variedade de espécies de borboletas em Curitiba surpreende pesquisadores

A bióloga curitibana Maristela Zamoner é referência nacional em “lepidópteros”, a ordem de insetos que inclui as borboletas e mariposas. Ao analisar as matas da Grande Curitiba, ela chegou a uma conclusão surpreendente: a biodiversidade de borboletas da capital paranaense é subestimada!

Em pouco mais de um ano, um levantamento revelou que foram registradas 410 espécies em apenas três pontos de estudo na cidade. Com a participação da população, tirando fotos, o total subiu para 520. Em todo o Estado foram observadas 578 espécies e no Brasil, 1.473.

Os resultados estão hospedados no portal internacional de mapeamento da biodiversidade iNaturalist, mantido pela Academia de Ciências da Califórnia, com o apoio da revista National Geographic. Podem contribuir com a inclusão de fotos das diferentes espécies avistadas, fotógrafos de natureza, estudantes, professores, pesquisadores, consultores ambientais, profissionais de borboletários e a interessados em geral.

A rotina de Maristela inclui décadas de acompanhamento do comportamento desses animais em diferentes pontos, como a unidade de conservação do Jardim Botânico de Curitiba e em outras reservas, como o bosque do Capão da Imbuia, a propriedade da família dela, em Quatro Barras, e a chácara de seu marido, Deni Schwartz Filho, em Campina Grande do Sul, que, após muitos anos de exploração agrícola, foi recuperada por ele com plantio de espécies da Floresta com Araucária.

O principal desafio da pesquisadora sempre foi estudar as borboletas sem sacrificá-las, conhecendo esses animais em vida e não em morte.

“A gente vem de uma história com biólogos de séculos anteriores em que o conhecimento foi construído, basicamente, por meio das coletas. E esse conhecimento foi muito importante para que pudéssemos descobrir as características das borboletas. Mas a partir do momento em que começamos a desenvolver novas tecnologias, é possível abrir os olhares para formas diferentes de se conhecer essa biodiversidade”, acredita.

As borboletas são responsáveis pela produção de comida, graças aos serviços ecossistêmicos que oferecem, como a polinização de 75% das plantações de todo mundo. Elas também são bioindicadores da qualidade ambiental, servem de alimento para pássaros e outros animais, reabastecem o solo, mantendo o equilíbrio de todo o planeta, contribuindo para a sobrevivência dos seres humanos.

Borboleta rara na de Mata Atlântica

A Prepona-deiphile-deiphile é uma espécie que está ameaçada de extinção e só existem três registros no estado de São Paulo. Um deles foi feito pela bióloga Laura Braga, dentro do Legado das Águas, reserva particular de 31 mil hectares, localizada no Vale do Ribeira, em São Paulo.

A floresta de alto grau de conservação é berçário e refúgio para espécies raras e ameaçadas de extinção. Há possibilidade de existir mais borboletas como essa, pois são difíceis de serem avistadas porque se alimentam de frutas fermentadas e vivem na copa de árvores muito altas.

O Legado iniciou o levantamento de borboletas no Vale do Ribeira, em 2016, em parceria com o Governo do Estado de São Paulo e a empresa Votorantin. Até o momento, foram registradas 226 espécies na área.

Enorme variedade de espécies de borboletas em Curitiba surpreende pesquisadores

A belíssima e rara Prepona-deiphile-deiphile

Observação de borboletas

Também conhecida como butterfly watching, ou butterflying, a atividade tem ganhado mais adeptos a cada dia. Ela permite um contato maior com a natureza e traz vários benefícios à saúde mental, física e espiritual.

Já do ponto de vista profissional, entender o comportamento desses insetos é importante para compreender seu papel no ciclo de vida de todo um ecossistema. As borboletas são excelentes bioindicadores, como já mencionado acima, seres que revelam condições ou desequilíbrios ambientais, além de cumprir papel fundamental na polinização e como sustentáculo da cadeia de várias outras espécies.

Quer ler mais sobre Observação de Borboletas e as espécies encontradas em Curitiba? Escaneie os QR Codes abaixo para ter acesso gratuito a diversos livros!

Enorme variedade de espécies de borboletas em Curitiba surpreende pesquisadores

Sabia que…

40% dos insetos de todo o planeta, como as borboletas, podem ser extintos nas próximas décadas? A pesquisa foi publicada em janeiro de 2019 no periódico científico Biological Conservation. Segundo o estudo, entre as principais causas para a ameaça estão a agricultura, com uso de pesticidas, a perda do habitat com a urbanização e as mudanças climáticas.

*Este artigo foi publicado originalmente em fevereiro de 2020, no jornal online e gratuito do Observatório de Justiça e Conservação. Para acessar as demais reportagens clique aqui.

Leia também:
A visita das borboletas monarcas no meu jardim
Soltar borboletas em festa de casamento não é legal. Na verdade, é ilegal. É crime ambiental!
As borboletas do rio Juruena
Borboletas para saudar a primavera

Fotos: Bernard Dupont/Creative Commons/Wikimedia (abertura) e divulgação Legados das Águas

Observatório de Justiça & Conservação

O Observatório de Justiça e Conservação (OJC) é uma iniciativa apartidária e colaborativa que trabalha fiscalizando ações e inações do poder público no que se refere à prática da corrupção e de incoerências legais em assuntos relativos à conservação da biodiversidade, prioritariamente no Sul do Brasil, dentre os quais se destacam, a Floresta com Araucária

Deixe uma resposta