PUBLICIDADE

Encurralado por canoas, golfinho rotador salta e cai em cima de turista em Noronha: especialistas denunciam o turismo excessivo na ilha

Encurralado por três canoas, golfinho rotador salta e cai em cima de turista em Noronha: especialistas denunciam o turismo excessivo na ilha

Os golfinhos rotadores são uma das principais atrações em Fernando de Noronha. Com seus saltos no ar, em que giram o corpo, encantam turistas. Mas há poucos dias um incidente acontecido na ilha foi compartilhado pela equipe do Projeto Golfinho Rotador e soa como mais um alerta sobre o modelo de turismo no local, que vale lembrar, é um Parque Nacional Marinho, criado justamente com a finalidade de preservar inúmeras espécies de animais.

No vídeo, que foi enviado de forma anônima para o time do projeto, aparecem três grupos de turistas em canoas havaianas remando e bem próximo a eles vários golfinhos. De repente, os animais começam a rodopiar no ar e um deles bate na canoa e em cima de uma pessoa, que cai na água. Rapidamente ela é socorrida e colocada de volta na embarcação.

Os biólogos acreditam que o golfinho deva ter ficado machucado. E explicam que o grupo de animais deve ter se sentido encurralado pelas canoas.

“O salto dos rotadores é uma das formas de se comunicarem, e as rotações intensas como esta estão associadas a chamar os demais golfinhos para saírem rápido da área. Como um alerta de perigo ou molestamento. Sim, eles não saltam para a gente ver ou porque estão alegres. Essa cena que recebemos anonimamente nos deixou muito triste. Ela mostra que já é real o que viemos alertando há anos. A forma do turismo em Fernando de Noronha precisa mudar”, escreveu o Projeto Golfinho Rotador.

Os especialistas ressaltam que não são contra o ecoturismo, mas regras precisam ser seguidas.

“Os golfinhos desenvolvem atividades fundamentais para sua vida na Baía de Santo Antônio, onde fica o porto e de onde saem todas as embarcações da ilha. Para que as atividades humanas e as dos animais não sejam afetadas, existem normas que precisam ser seguidas. A canoa havaiana é uma atividade turística com grande potencial de ajudar na sensibilização dos turistas, mas o crescimento descontrolado da quantidade delas em Fernando de Noronha foi demais”, denunciam.

De acordo com o Projeto Golfinho Rotador, recentemente foram estabelecidas normas de tráfego, dentre elas, que no máximo duas canoas se aproximem, por vez, a grupo de golfinhos. No vídeo aparecem três.

Pressão do governo federal para aumentar o turismo em Noronha

O modelo turístico adotado em Fernando de Noronha já vem sendo questionado há alguns anos. Apesar do plano de manejo da ilha prever a entrada de cerca de 89 mil turistas por ano, em 2019, estimativas apontaram que mais de 100 mil pessoas estiveram ali, um recorde (em 2020 houve uma queda devido à pandemia).

Mas desde que assumiu a presidência, o presidente Jair Bolsonaro tem expressado sua vontade de “incrementar” o turismo no local, assim como seus ministros.

Há pouco mais de dois anos, Bolsonaro falou que queria acabar com a taxa ambiental cobrada no Parque Nacional Marinho de Fernando de Noronha, a qual chamou de “um roubo” – o dinheiro é revertido em serviços prestados aos turistas e essenciais para a preservação da vida marinha existente no arquipélago.

Em 2020, o senador Flávio Bolsonaro, acompanhado do presidente da Embratur, Gilson Machado, afirmou que estava trabalhando para liberar, novamente, a operação de cruzeiros marítimos na região. Entretanto, logo após, o governo de Pernambuco disse que a proposta federal “não respeitava a natureza”. No mesmo ano, o ex-ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles anunciou a minuta de um “termo de compromisso” que liberava a pesca da sardinha em Noronha (leia mais aqui).

E não é apenas o governo que sonha com a “flexibilização” das normas de proteção ambiental na ilha. Vários empresários gostariam também de lucrar mais com o turismo local. Biólogos já questionaram, por várias vezes a realização de mega eventos, como festas de Reveillon, e seu impacto sobre a vida marinha.

Há poucos dias escrevi ainda sobre outra polêmica envolvendo Fernando de Noronha. Após o ataque de um tubarão na Praia de Sueste a uma menina de 8 anos, que infelizmente teve a perna amputada, o agora ministro do Turismo, Gilson Machado Neto, acompanhado do presidente do Instituto Chico Mendes da Biodiversidade (ICMBio), Marcos Castro Simanovic, informaram que governo estuda a colocação de telas de contenção para evitar a aproximação de tubarões e assim, garantir a segurança dos banhistas.

Todavia, alguns biólogos ressaltam que o ideal seria fechar a praia definitivamente e priorizar a vida marinha, afinal Noronha é um parque marinho. Para saber a opinião de especialistas contra e a favor da solução, confira esta outra reportagem.

Leia também:
Nova portaria do governo exclui análise do ICMBio em autorizações para grandes obras em Fernando de Noronha
Em expedição, pesquisadores se deparam com espécies de peixes nunca antes registradas em Fernando de Noronha

Foto: reprodução vídeo

Comentários
guest

1 Comentário
Oldest
Newest Most Voted
Inline Feedbacks
View all comments
Sandra
Sandra
2 anos atrás

Humanos são perigosos para os animais, mesmo quando não usam rifles, arpoes ou flechas porque o fato de serem a espécie predadora no habitat de espécies pacíficas, já as incompatibiliza, desequilibra e desajusta a rotina delas e conseguem machucar, assustar, amedrontar e ferir, mesmo sorrindo.

Notícias Relacionadas
Sobre o autor
PUBLICIDADE
Receba notícias por e-mail

Digite seu endereço eletrônico abaixo para receber notificações das novas publicações do Conexão Planeta.

  • PUBLICIDADE

    Mais lidas

    PUBLICIDADE