Em setembro, Amazônia tem pior taxa de desmatamento da última década: por dia floresta perdeu área equivalente a 4 mil campos de futebol

Amazônia tem pior taxa de desmatamento em setembro da última década: por dia floresta perdeu área equivalente a 4 mil campos de futebol

Os dados são chocantes. E as comparações feitas pelos especialistas do Instituto do Homem e do Meio Ambiente da Amazônia (Imazon) para que os brasileiros tenham noção do tamanho da tragédia estarrecedoras: no mês passado a Amazônia perdeu diariamente uma área de floresta maior do que 4 mil campos de futebol. No total, a área desmatada apenas em setembro de 2021 equivale à cidade do Rio de Janeiro. Foram devastados 1.224 km², a pior marca para esse mês nos últimos dez anos.

Os números são do Sistema de Alerta de Desmatamento (SAD), obtidos através do monitoramento da floresta por meio de imagens de satélites. Ainda segundo o Imazon, setembro foi o sexto mês de 2021 em que a Amazônia teve a maior área destruída na década.

No  acumulado de janeiro a setembro deste a área destruída já chegou a 8.939 km², 39% a mais do que no mesmo período em 2020 e o pior índice em dez anos.

“A intensificação do desmatamento na Amazônia Legal não favorece a imagem do Brasil na COP-26. É necessário que o país adote urgentemente medidas significativas para combater o desmatamento e, consequentemente, reduzir as emissões dos gases de efeito estufa”, alerta a pesquisadora do Imazon Larissa Amorim.

A COP-26, a Conferência das Nações Unidas para o Clima, que começa no fim da semana que vem em Glasgow, na Escócia, reunirá líderes do mundo inteiro que discutirão as questões climáticas. O Brasil está sob forte pressão devido às altas e crescentes taxas de desmatamento e a inaptidão, ou melhor, falta de vontade, do governo federal em combater o problema, assim como a devastação causada pelas madeireiras e os garimpos ilegais na Amazônia.

“Um estudo do Imazon indicou que quase 30% da Amazônia Legal é formada por terras públicas que ainda não possuem um uso definido. Ou seja, para reduzir o desmatamento, também é necessário torná-las áreas protegidas, como terras indígenas, unidades de conservação e territórios quilombolas”, ressalta Larissa.

Assim como em meses anteriores, o Pará foi o principal responsável pela destruição da floresta. 39% do desmatamento registrado pelo sistema do Imazon em setembro ocorreu no estado. Amazonas e Rondônia aparecem logo em seguida, com 21% e 14%.

“Nos nossos últimos monitoramentos, estamos percebendo um avanço da destruição da floresta na divisa entre Amazonas, Rondônia e Acre, o que indica uma nova fronteira do desmatamento. Isso pode ter relação com a localização de um polo agropecuário na região”, explica a pesquisadora.

Em setembro, Amazônia tem pior taxa de desmatamento da última década: por dia floresta perdeu área equivalente a 4 mil campos de futebol

Gráfico mostra o ritmo crescente do desmatamento na maior floresta tropical do planeta

————————————————————————————————————

*O Sistema de Alerta de Desmatamento (SAD), desenvolvido pelo Imazon, é uma ferramenta que utiliza imagens de satélites (incluindo radar) para monitorar a floresta. Além do SAD, existem outras plataformas que vigiam a Amazônia: Deter, do Inpe, e o GLAD, da Universidade de Maryland. Todas são importantes para a proteção ambiental, pois garantem a vigilância da floresta e a emissão de alertas dos locais onde há registro de desmatamento. Os dados fornecidos ajudam os órgãos de controle a planejarem operações de fiscalização e identificarem desmatadores ilegais.

Leia também:
Pará, Acre e Mato Grosso concentram quase 65% das queimadas ilegais na Amazônia em setembro
Em 36 anos, Amazônia perdeu 74,6 milhões de hectares de vegetação, área equivalente a um Chile, revela MapBiomas
Com ‘empurrãozinho’ de famosos ativistas globais, governadores de estados da Amazônia fazem novos compromissos pelo clima e pela proteção da floresta

Foto: Victor Moriyama/Amazônia em Chamas/Divulgação Greenpeace

Suzana Camargo

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante 6 anos. Entre 2007 e 2011, morou na Suíça, de onde colaborou para publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Depois de dois anos e meio em Londres, vive agora em Washington D.C.

Um comentário em “Em setembro, Amazônia tem pior taxa de desmatamento da última década: por dia floresta perdeu área equivalente a 4 mil campos de futebol

  • 21 de outubro de 2021 em 6:38 PM
    Permalink

    A punição exemplar para aqueles que desmataram a floresta deveria ser utilizar a força dos seus braços para replantar onde devastaram, restituindo o que roubaram. Antes de punir os ladrões, indispensável que eles devolvam à Natureza, de joelhos, cada folha verde que roubaram dela.

    Resposta

Deixe uma resposta