PUBLICIDADE

Em registro inédito, lobo-guará é capturado para monitoramento no Parque Nacional da Serra Geral, no RS

Em registro inédito, lobo-guará é capturado para monitoramento no Parque Nacional da Serra Geral, no RS

ICMBio, o Ibama e um grupo de pesquisadores se uniram para realizar programa de captura e monitoramento de grandes carnívoros para fins científicos no Parque Nacional da Serra Geral, em Cambará do Sul (RS). E pouco depois de iniciarem as atividades, fizeram a captura inédita de uma fêmea adulta de lobo-guará (Chrysocyon brachyurus), em novembro de 2023.

A presença desta espécie ameaçada de extinção – é o maior canídeo da América do Sul – na região já era de conhecimento dos cientistas devido a registros de avistamento há cerca de dez anos. 

A loba ganhou o nome de Viração em referência à neblina que assola os abismos do Parque Nacional Aparados da Serra, UC localizada na Serra Geral. E a veterinária goiana Ana Carolina da Cunha Ribeiro, explica:

“Quando chegamos no rastro de espécies tão importantes, como o leão-baio e o guará, animais que estão no topo da cadeia alimentar, pensamos em batizá-los com nomes que sejam representativos para a região”.

No mesmo trabalho de campo, os pesquisadores ainda capturaram uma onça-parda(Puma concolor), espécie conhecida na região como leão-baio, que também está sendo monitorada.  

Os dois animais foram sedados e examinados no local onde foram capturados. Após a coleta de material biológico para análises epidemiológica e genética, receberam rádio colar para monitoramento por sistema de satélite e foram soltos.

Solo sagrado

Fábio Mazim, ecólogo gaúcho especializado em felinos e um dos participantes do projeto, destaca que “a captura da loba Viração é muito significativa para começaremos a entender como a espécie resistiu durante todo esse tempo aqui, nestes banhados, campos e peraus (barrancos); se migrou de outro bioma, seus hábitos e territórios de vida”. 

Ele diz isso pois o lobo-guará é típico do Cerrado brasileiro. Mas também pode ser encontrá-lo em áreas de transição com a Caatinga, o Pantanal, a Mata Atlântica e o Pampa, além de países como Paraguai, Bolívia, Argentina e Uruguai.

A bióloga Juliana Nascimento Martins ressalta que, para chegarem à loba dos Aparados, foram necessários anos de pesquisas precursoras. “Estamos pisando em solo sagrado”, diz ela nos rastros do animal, em uma fazenda limítrofe ao cânion Fortaleza”, considerado um dos mais bonitos do Brasil. 

Segundo o ICMBio, em 2021, com o apoio do proprietário da área, Juliana e equipe mapearam os corredores ecológicos dos mamíferos predadores. Meses depois, Juliana identificava a incrível imagem de um lobo-guará nas armadilhas fotográficas

Sua ocorrência no Parque Nacional da Serra Geral certamente é sinal da boa conservação da região.

Leia também:
– Lobos-guará ganham monitores cardíacos para avaliar estresse diante da destruição do Cerrado
Um ano depois, lobo-guará que quase morreu por causa de sarna sarcóptica está forte e saudável na natureza
Dois meses após soltura na natureza, o lobo-guará Canelinha já desbravou mais de 680 km
Após dois anos de reabilitação em projeto pioneiro de conservação, lobo-guará Canelinha volta à natureza!

Resgatados, lobo-guará Canelinha e tamanduá-bandeira Aurora em breve voltarão à vida livre

________________

Agora, o Conexão Planeta também tem um canal no WhatsApp. Acesse este link, inscreva-se, ative o soninho e receba as novidades direto no celular.

Com informações do ICMBio

Foto: Daniel Herrera/Instituto Vento/Tecniflora/divulgação

Comentários
guest

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Notícias Relacionadas
Sobre o autor
PUBLICIDADE
Receba notícias por e-mail

Digite seu endereço eletrônico abaixo para receber notificações das novas publicações do Conexão Planeta.

  • PUBLICIDADE

    Mais lidas

    PUBLICIDADE