Em poucos dias, quatro baleias jubarte apareceram presas em redes de pesca em Santa Catarina. Duas morreram

Em poucos dias, quatro baleias jubartes aparecem presas em redes de pesca em Santa Catarina. Duas morreram

Há menos de um mês noticiamos aqui no Conexão Planeta que uma baleia jubarte tinha aparecido morta em Santa Catarina com artefatos de pesca presos ao corpo. Pois nos últimos dias, mais quatro animais foram encontrados da mesma maneira, enredados em em petrechos de pesca. Equipes de resgate conseguiram ajudar dois desse cetáceos, mas infelizmente, as outras duas baleias morreram.

Desde o começo do ano, já foram registrados nove casos de baleias presas em redes de pesca.

De acordo com informações divulgadas por organizações locais envolvidas nas operações de resgate (instituições que formam o Protocolo de Encalhe e Desenredamento de Baleias da APA da Baleia Franca), na segunda-feira, 14/06, a primeira baleia-jubarte foi avistada enredada próximo à Praia de Canasvieiras, ao norte da capital catarinense. Na manhã seguinte, o animal foi liberado com sucesso.

Logo depois, foi observada uma segunda baleia-jubarte, um indivíduo juvenil, preso em material de pesca, desta vez, na Praia do Pântano do Sul.
Embarcações da Polícia Militar Ambiental, do Núcleo de Gestão Integrada (NGI-Florianópolis/ICMBio) e do Corpo de Bombeiros localizaram o animal e seguindo protocolos internacionais, avaliaram o melhor procedimento para o desenredamento, levando em conta a segurança da equipe e do animal.

Já as baleias mortas estavam na Praia da Solidão e próximo à Praia da Galheta, em Florianópolis, no sul da ilha.

Vale ressaltar que quando uma baleia é achada, presa em redes de pesca, o procedimento para retirada desse material é arriscado tanto para o cetáceo como para as pessoas, por isso ele só deve ser realizado por uma equipe treinada, devidamente equipada e oficialmente autorizada.

Em poucos dias, quatro baleias jubarte apareceram presas em redes de pesca em Santa Catarina. Duas morreram

Baleia libertada em Pântano do Sul

Baleias jubarte no litoral brasileiro

Todos os anos as baleias jubarte (Megaptera novaeangliae) podem ser vistas no litoral brasileiro. Elas chegam ao país, vindas da Antártica, para se reproduzir nas águas quentes dos trópicos. O Parque Nacional Marinho dos Abrolhos, no sul da Bahia, é considerado o berçário da espécie no Oceano Atlântico Sul Ocidental. Com o aumento de sua população nos últimos anos, as jubartes estão aparecendo com mais frequência em outros locais da costa do Brasil.

Descrita pela primeira vez na Nova Inglaterra (Estados Unidos), a baleia jubarte tem seu nome científico vindo deste local – novaeangliae -, e Megaptera – que em grego antigo significa “grandes asas”, já que suas imensas nadadeiras peitorais podem medir até 1/3 do comprimento total de seu corpo, algo em torno de 16 metros.

As jubartes podem ser encontradas em todos os oceanos. Chegam a pesar até 40 toneladas. Se alimentam basicamente de pequenos crustáceos chamados de krills, filtrando água através das barbatanas (placas de queratina que descem do céu da boca). Como é um animal do topo da cadeia alimentar, é um excelente indicador da qualidade e do equilíbrio das águas do planeta.  

——————————————————————————————————

*Caso você aviste um mamífero, ave ou tartaruga marinha debilitada ou morta na praia, no Paraná, Santa Catarina ou São Paulo, ligue para o Projeto de Monitoramento de Praias da Bacia de Santos (PMP-BS), no telefone 0800 642 3341. No Rio de Janeiro o número é 0800 9995151Sua ajuda é fundamental para salvar vidas!

Leia também:
Quase 50 toneladas de resíduos plásticos e redes de pescas são recolhidas na maior área de proteção marinha do planeta
Filhotes de golfinho aparecem mortos em praias de Florianópolis, suspeita é que foram sufocados por redes de pesca
Baleia achada morta na Escócia tinha 100 kg de plástico e redes de pesca no estômago

Fotos: divulgação APABF (abertura) e R3 Animal/Emanuel Ferreira

Suzana Camargo

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante 6 anos. Entre 2007 e 2011, morou na Suíça, de onde colaborou para publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Depois de dois anos e meio em Londres, vive agora em Washington D.C.

Deixe uma resposta