Em novo site, Ministério do Meio Ambiente suprime dados sobre áreas protegidas brasileiras

Em novo site, Ministério do Meio Ambiente suprime dados sobre áreas protegidas brasileiras

No dia em que o Ministério do Meio Ambiente completou 28 anos, o “presente” foi apagar o passado. O órgão comemorou a data na quinta-feira (19/11) lançando um novo site, que foi ao ar sem a maior parte das informações, registros e dados históricos disponíveis há anos na página antiga.

A situação pegou servidores de surpresa. Ele viram sistemas com o Cadastro Nacional de Unidades de Conservação, atualizado frequentemente por Estados e municípios, apagados do site. Entre os outros itens que não migraram para o novo portal estão mais de 30 livros sobre a biodiversidade, o macrodiagnóstico da zona costeira e marinha, cartilhas referentes ao patrimônio genético, entre outros.

Em resposta à inquietação dos servidores, a área de informática do MMA afirmou que não houve perda de informação e que isso faz parte do processo de migração. Explicaram, ainda, que quando for concluído, as informações estarão disponibilizadas novamente.

O “processo de migração”, porém, não parece ter afetado os programas da atual gestão do MMA. Quem for ao site novo na área de “áreas protegidas e ecoturismo” encontrará links apenas para duas iniciativas do atual ministro: a concessão de parques nacionais (que começou no governo Dilma, mas ganhou ênfase no atual) e o Adote 1 Parque, que nem sequer existe. No site antigo havia links para sete iniciativas, entre elas o cadastro nacional de UCs, as diretrizes para reduzir a perda de biodiversidade e a câmara de compensação ambiental.

Não é a primeira vez que informações desaparecem da página do MMA. Em abril de 2019, todos os dados sobre áreas prioritárias para a conservação foram eliminados do site após entidades empresariais reclamarem deles. Segundo o portal Direto da Ciência, a ordem para a supressão foi dada pela então secretária-executiva do MMA, Ana Pellini. Após a cobertura de imprensa do caso, as páginas foram repostas.

Questionada, a assessoria de comunicação do MMA não soube dar um prazo sobre quando o processo será finalizado. Enquanto isso, os dados e arquivos estão acessíveis somente no endereço antigo do site, o que não é informado a quem entra na página nova (que tem o mesmo endereço da antiga).

Avisamos aqui: se você quiser ter acesso às informações enquanto a migração não termina, o link é: antigo.mma.gov.br

*Texto publicado originalmente em 19/11/20 no site do Observatório do Clima

Leia também:
Justiça Federal dá 72 horas para que o governo justifique liberação da pesca da sardinha em Fernando de Noronha
Projeto de Lei pretende mutilar 10 mil hectares do Parque Nacional de São Joaquim, em Santa Catarina
Sociedade civil divulga nota de apoio a ambientalista, vítima de intimidação pelo ministro Ricardo Salles
Ministério Público Federal pede afastamento de Ricardo Salles por improbidade administrativa

Foto: reprodução site MMA

Deixe uma resposta