Em meio a rígido lockdown, falcões peregrinos se tornam xodó de moradores de Melbourne, que acompanham online o dia dia das aves

Em meio a rígido lockdown, falcões peregrinos se tornam xodó de moradores de Melbourne, que acompanham online o dia dia das aves

Desde o dia 2 de agosto, a população de Melbourne, na Austrália, vive em meio a um dos mais rigorosos confinamentos impostos no mundo para conter o avanço da pandemia do novo coronavírus. Os moradores podem sair de casa apenas para fazer compras essenciais e praticar esportes ao ar livre duas horas por dia e num raio de 5 km. Visitas são proibidas, restaurantes e cafés estão fechados (só funcionam para entrega e retirada de comida) e o uso de máscara é obrigatório em todos os lugares. E quem desobedecer as regras impostas pelo governo pode pagar multas. Bem caras.

Confinados ao espaço restrito da própria casa, os moradores de Melbourne se voltaram à internet para passar o tempo e espairecer. E encontraram nela uma nova razão para ligar o computador ou acessar o tablete ou o celular todos os dias: uma adorável e “nova” família de falcões peregrinos.

As aves fizeram um ninho no alto de um prédio no Distrito de Negócios no centro da cidade. No mesmo lugar, que desde 1991, outros casais de falcões peregrinos escolhem para ter seus filhotes.

Então há quatro anos foi instalada uma câmera no local pelo projeto Victorian Peregrine. Nessa beirada do edifício, também foi colocada uma caixa com um substrato de areia, que atrai essas aves.

Agora em 2020 a câmera registrou que a fêmea colocou três ovos. Desde então, milhares de pessoas, diariamente, acompanham, ao vivo, o dia a dia dos falcões, seja através do site especialmente criado para a transmissão ou do canal do projeto no YouTube.

No último dia 2 de outubro, diante dos olhos do público que estava online, os filhotes nasceram. Três pequenos falcões, que mostram estar muito saudáveis, para a alegria de todos.

Abaixo, o momento exato em que o primeiro filhote eclodiu do ovo.

Os filhotes são alimentados pelos pais com carcaças de outras aves menores. O macho e a fêmea são companheiros pelo resto da vida.

No ano passado, outro casal de falcões também usou o mesmo ninho, mas um dos filhotes morreu. Os biólogos do BirdLife Australia explicam que a espécie dificilmente usa o mesmo ninho para reproduzir mais de uma vez.

A expectativa é que, em aproximadamente um mês, em meados de novembro, os três filhotes deixem o ninho, ao alçar seus primeiros voos. Esperança compartilhada pelos moradores de Melbourne, que também sonham em poder sair de suas casas e reconquistar sua liberdade em um futuro próximo, quando a pandemia estiver controlada.

A ave mais veloz do mundo

O falcão peregrino (Falco peregrinus) é uma ave de rapina que pode ser encontrada em todos os continentes, com exceção da Antártica. Apesar de preferir montanhas e regiões costeiras, é vista também em grandes centros urbanos, como Melbourne.

É o pássaro mais rápido que existe. Há registros de voos que alcançaram mais de 300 km/h.

Leia também:
Surpresas da quarentena: homem se depara com três filhotes gigantes de coruja em sua sacada
Há mais de 20 anos, Projeto Harpia trabalha para salvar da extinção a maior ave de rapina do Brasil

Foto: reprodução vídeo The Guardian

Suzana Camargo

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante 6 anos. Entre 2007 e 2011, morou na Suíça, de onde colaborou para publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Depois de dois anos e meio em Londres, vive agora em Washington D.C.

Deixe uma resposta