Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro reconhece direito de alunos que se recusam a usar animais em estudos e pesquisas

Em decisão histórica, Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro reconhece direito de alunos que se recusam a fazer pesquisa usando animais

Em 2007, o estudante de Ciências Biológicas da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Róber Bachinski, decidiu entrar na justiça para que ele conquistasse o direito de não ser obrigado a participar de aulas em que houvesse sacrifício ou dissecação de animais. No processo contra a instituição, que ganhou atenção nacional, ele alegava ser inconstitucional a obrigação de assistir às aulas que contrariem seus princípios éticos. O termo jurídico usado para isso é “objeção de consciência“. Sete anos depois, em 2014, ele se tornou o primeiro brasileiro a ganhar o prêmio internacional Lush, por suas pesquisa para o desenvolvimento de métodos alternativos ao uso de animais em testes.

Quase 15 anos após a batalha judicial de Bachinski, numa decisão histórica, outra universidade brasileira, a Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ), decidiu reconhecer o direito dos estudantes à objeção de consciência. No texto aprovado no dia 30 de julho, a instituição reconhece que esse é um “direito fundamental, garantido constitucionalmente, de uma pessoa não se ver obrigada a fazer algo que lhe fira a consciência. No caso dessa norma, a objeção de consciência consiste no direito de discentes não se submeterem a processos educativos que se utilizam de animais vivos por métodos não curativos ou mortos e suas partes, a não ser os de origem ética com sua respectiva documentação que assim os comprove”.

Ainda de acordo o regulamento aprovado pelo Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão da UFRRJ, coordenações de cursos, chefias de departamento e demais instâncias acadêmicas são estimuladas a fazer uma divulgação ampla desse direito dos estudantes, sobretudo, para aqueles que estão entrando na universidade agora. Para quem tiver interesse em requisitar este direito, é necessário preencher um formulário, no semestre anterior ao que irá cursar a disciplina, e entregá-lo na secretaria da coordenação do curso.

A UFRRJ garante que irá incentivar a produção e eventual compra de sistemas e métodos substitutivos ao uso de animais.

“A Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro incorporou essa possibilidade à sua rotina didática. É inédita essa normatização, ainda mais numa instituição federal, e isso é um precedente maravilhoso que estimula outras universidades a criarem essa sistemática”, afirma Maurício Varallo, diretor da ONG Olhar Animal.

Ele acredita também que a decisão fará com que estudantes também exijam o direito perante as suas instituições de ensino. “É o sinal dos tempos, uma mudança muito importante. Vale destacar que ela foi resultado do ativismo e dos esforços de defensores dos direitos humanos e animais”.

No começo deste ano, como mostramos nesta outra reportagem, cientistas israelenses criaram um medicamento contra o câncer sem usar animais em testes. Os pesquisadores da Hebrew University de Jerusalém usaram uma tecnologia com um chip contendo tecido humano com sensores microscópicos, que permite o monitoramento preciso da resposta do sistema imune ao tratamento.

Leia também:
STF valida lei do Rio de Janeiro que proíbe testes em animais pelas indústrias de higiene pessoal e limpeza
Rodrigo Santoro dá voz a Ralph, personagem principal de campanha tocante pelo fim dos testes com animais na indústria de cosméticos
Brasileira recebe prêmio internacional por pesquisa com alternativa a testes com animais

Imagens chocantes revelam crueldade e abusos em testes com animais em laboratório na Espanha
#LiberteSeDaCrueldade: Xuxa, modelos e influenciadores se unem em campanha pela proibição de testes de cosméticos em animais

Foto: Ricky Kharawala on Unsplash

Suzana Camargo

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante 6 anos. Entre 2007 e 2011, morou na Suíça, de onde colaborou para publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Depois de dois anos e meio em Londres, vive agora em Washington D.C.

Um comentário em “Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro reconhece direito de alunos que se recusam a usar animais em estudos e pesquisas

  • 24 de agosto de 2021 em 1:32 AM
    Permalink

    Fim dos tempos? Não!
    Fim dos arcaicos tempos? Sim!
    Maravilhosa notícia. Finalmente!
    Que este exemplo seja seguido por toda a rede de ensino relacionada à situação.
    Parabéns!

    Resposta

Deixe uma resposta