Em carta ao Brasil, o astrofísico Neil deGrasse Tyson exalta a ciência e questiona falta de incentivo

Em sua conta no Twitter, na última sexta-feira, 30/10, o astrofísico Neil deGrasse Tyson, um dos cientistas mais populares do mundo, divulgou uma carta que escreveu ao Brasil em 10 de setembro.

Nela, destaca nossa exuberante floresta tropical, o rio Amazonas (que disse ser o maior do mundo, mas, na verdade, é o segundo, perdendo para o Nilo), a castanha do Brasil (que é a do Pará) e também a beleza de nossa bandeira.

Fala de Carnaval, futebol, café, praias e música também (destaca Garota de Ipanema), clichês exaltados pelos estrangeiros. Confessa que não conhece o nosso país, mas ficou um tempão no Chile, de onde pode ver o céu estrelado do Atacama, e nos acompanhar um pouco mais de perto.

Disse tudo isso para chegar a seu objetivo: falar da ciência brasileira, que admira, mas sabe que tem sido vilipendiada no país, nos últimos dois anos.

Por que valorizamos tanto o futebol, as praias e o Carnaval e falta de apoio, reconhecimento e divulgação para a ciência?

A carta foi publicada no site da Planetário Hayden (instituição pública dirigida pelo cientista em Nova York), em 10/9, e divulgada apenas agora no Twitter. Estratégia.

Ela faz parte da coletânea Letters from an Astrophysicist, que está sendo lançada este mês em países de língua inglesa. A tradução em português – Respostas de um astrofísico -, saiu pela Editora Record e está em pré-venda em diversas livrarias.

Até ontem – dois dias depois da publicação do tweet, praticamente -, o post de Tyson provocou 10 mil retweets, 4,2 mil comentários e 35,7 mil likes.

Fabricados no Brasil

No texto, assim que fala da ciência produzida pelo Brasil, ressalta a importância de sua tecnologia – da agricultura à aeronáutica. Fala da Embraer e de Santos-Dumont.

“Um dos grandes pioneiros nos primórdios da aviação era brasileiro!”, escreve. “Engenheiro brilhante e inventivo, altamente condecorado, Alberto Santos-Dumont liderou a transição mundial do transporte aéreo mais leve que o ar para o mais pesado que o ar. O valor de uma semente cultural como essa, plantada no nascimento de uma indústria, é incalculável”.

Lembra que somos pioneiros e líderes no desenvolvimento de biocombustíveis, como também de Tecnologia da Informação. E que temos importante agência espacial, além de estarmos entre as seis maiores indústrias espaciais do mundo.

Ressalta também que o primeiro (e único) astronauta sul-americano foi um engenheiro aeronáutico brasileiro, Marcos Pontes, que levou para o espaço uma bandeira do Brasil e uma camisa da seleção brasileira de futebol.

Tyson só esqueceu de citar que esse cidadão é o atual ministro de Ciência e Tecnologia e que tem participado de várias medidas de retrocesso em sua área, como a exoneração do diretor do Inpe, Ricardo Galvão, em agosto de 2019, atendendo aos caprichos de Bolsonaro.

Para Tyson, está mais do que na hora de exibirmos, com orgulho, uma chancela assim: “Fabricado no Brasil”. Porém, sem reconhecimento e investimentos à altura, nada feito. Sem democracia também.

É preciso ter eleitores bem informados para que possam escolher “líderes esclarecidos e que entendem o valor da educação, das pesquisas e das descobertas”.

E faz um apelo ao Brasil (leia-se governo Bolsonaro): Você tem os recursos e o legado para liderar toda a América Latina, se não o mundo, no que um país do futuro deveria ser — no que um país do futuro deveria aspirar ser”.

Abaixo, a íntegra da carta de Tylson, traduzida pelo Planetário Hayden.

Caro Brasil,

Das minhas muitas viagens à América do Sul, nunca tive a oportunidade de visitar você. A maioria delas teve como destino a cordilheira dos Andes, com o objetivo de observar o magnífico céu do hemisfério sul por meio de telescópios de alta tecnologia de um consórcio internacional. Mas, mesmo assim, tenho pensado em você com bastante frequência.

Como nativo dos Estados Unidos da América, sei em que costumamos pensar quando se trata de você. Não seguindo uma ordem específica, você possui a maior e mais importante floresta tropical do mundo. Você abriga o maior rio do mundo, que, a cada minuto que passa, escoa para o oceano Atlântico um volume de água que daria para encher um estádio de futebol. E, sim, nós sabíamos da existência de seu rio e de sua floresta tropical muito antes de a Amazon.com pegar o nome emprestado.

Quer mais? Não há quem não goste de castanha-do-brasil (a castanha-do-pará). Na verdade, nos EUA, nós precisamos pagar pelo pacote “premium” para que elas venham incluídas em nossos mix de castanhas. E mesmo aqueles de nós que quase não acompanham futebol sabem da existência de seus times famosos, ficando na maior expectativa de ver você na final da Copa do Mundo a cada quatro anos.

Também sabemos das suas praias deslumbrantes pelas músicas que as cantam — a “Garota de Ipanema” sendo uma delas. Sabemos de suas festas populares, principalmente o Carnaval, e tentamos imitar a intensidade e a alegria dessas celebrações — com dança e música — aqui no nosso hemisfério.

Sabemos do seu café. E eu, particularmente, amo a sua bandeira. Há um pedaço do céu noturno estampado nela; mais de duas dezenas de estrelas retraçam constelações autênticas, incluindo o Cruzeiro do Sul.

Então, se você perguntasse a qualquer um de nós nos EUA o que vem à nossa cabeça quando seu nome é mencionado, normalmente selecionaríamos algo a partir dessa lista.

Você sabe do que nós não nos damos conta? Metade das vezes que embarcamos em voos domésticos, da American Airlines ou de outras companhias aéreas, viajamos num avião da Embraer. Tudo bem, o folheto com instruções de segurança traz impresso nele o nome Embraer. Nós podemos até achar Embraer escrito em letras miúdas em algum lugar da fuselagem.

Mas quase nenhum de nós sabe que a aeronave é projetada e fabricada no Brasil. Você poderia alardear Tecnologia Brasileira, mas não o faz. Por que não? A Alemanha não hesita em se gabar da dela. Nada mais justo, claro. Todo mundo conhece a qualidade dos produtos fabricados na Alemanha, que, por sua vez, permeiam sua economia aeroespacial, a terceira maior do mundo.

Mas, espere. Um dos grandes pioneiros nos primórdios da aviação era brasileiro. Engenheiro brilhante e inventivo, altamente condecorado, Alberto Santos-Dumont liderou a transição mundial do transporte aéreo mais leve que o ar para o mais pesado que o ar. O valor de uma semente cultural como essa, plantada no nascimento de uma indústria, é incalculável.

Um século depois, você se tornou líder em tecnologias de biocombustíveis — um passo fundamental em direção a uma economia verde onde nossa harmonia com a natureza vai determinar se iremos prosperar, sobreviver ou nos extinguir.

Você também possui uma ambiciosa agência espacial, além de ser a sexta maior indústria aeroespacial do mundo. Na América Latina, você também é líder em Tecnologia da Informação. E num país famoso por sua agricultura, quase um terço de sua economia se apoia num setor produtivo impregnado de tecnologia.

Então talvez seja a hora de o mundo saber mais a respeito disso. Talvez seja a hora de os brasileiros saberem mais sobre isso. Talvez esteja mais do que na hora de você exibir produtos que declarem: “Fabricado no Brasil”.

Seja o que mais for, ou não, verdade no mundo, as economias de crescimento do futuro — mesmo as que possam ser puramente agrícolas — vão girar em torno dos investimentos feitos hoje em ciência, tecnologia, engenharia e matemática. 

Numa democracia, esses investimentos fluem de um eleitorado letrado cientificamente, que elege líderes esclarecidos e que entendem o valor da educação, das pesquisas e das descobertas. Sem essas perspectivas, ainda estaríamos vivendo em cavernas, com alguns de nós resmungando: “Você não pode explorar o mundo exterior. Primeiro precisa resolver os problemas da nossa caverna.”

Para que ninguém se esqueça, o primeiro (e único) astronauta sul-americano foi um engenheiro aeronáutico brasileiro (Marcos Pontes). E quando se deu o lançamento de sua missão? Em 2006, ano do centenário do primeiro avião bem-sucedido de Santos-Dumont. E o que ele levou para o espaço? Uma bandeira do Brasil e uma camisa da seleção brasileira de futebol.

Os países que mais passam por dificuldades no mundo tendem a ser aqueles com baixos níveis de instrução e com ausência de STEM* em sua cultura. Você tem os recursos e o legado para liderar toda a América Latina, se não o mundo, no que um país do futuro deveria ser — no que um país do futuro deveria aspirar ser.

Se você abraçar e apoiar suas indústrias STEM — e o setor de tecnologia inteiro — então os sonhos dos alunos em toda a cadeia educacional não terão limites, conforme eles forem introduzidos num mundo em que foguetes são o que alimentam as ambições das pessoas que saem pela porta da caverna”.

Atenciosamente,
Neil deGrasse Tyson
Estados Unidos da América

* STEM: Science, Technology, Engineering e Mathematics (Ciência, Tecnologia, Engenharia e Matemática, em português).

Foto: Divulgação

Mônica Nunes

Jornalista com experiência em revistas e internet, escreveu sobre moda, luxo, saúde, educação financeira e sustentabilidade. Trabalhou durante 14 anos na Editora Abril. Foi editora na revista Claudia, no site feminino Paralela, e colaborou com Você S.A. e Capricho. Por oito anos, dirigiu o premiado site Planeta Sustentável, da mesma editora, considerado pela United Nations Foundation como o maior portal no tema. Integrou a Rede de Mulheres Líderes em Sustentabilidade e, em 2015, participou da conferência TEDxSãoPaulo.

Deixe uma resposta