Em Berlim, árvores de Natal que não foram vendidas viram comida e diversão para animais de zoológico

Em Berlim, árvores de Natal que não foram vendidas viram comida e diversão para animais de zoológico

Na grande maioria dos países do Hemisfério Norte ainda se mantem a tradição do uso de árvores de Natal naturais. Existe um plantio e comercialização específicos para esse fim, com diversas espécies de pinheiros. Só nos Estados Unidos, estima-se que sejam compradas quase 30 milhões dela nesta época do ano. No começo de janeiro, elas são recolhidas junto com a coleta de lixo orgânico. Mas o que acontece com aquelas que não foram vendidas? Pelo menos em Berlim as árvores ganham um finalidade divertida e prazerosa para os animais dos zoológicos da cidade!

Na capital da Alemanha já é uma tradição: após o Natal, as árvores não comercializadas são doadas aos zoológicos e “presenteadas” a elefantes, búfalos, renas, cabras e outros animais, que fazem a festa! Além de se divertirem com os galhos e troncos – com seus formatos e tamanhos diferentes-, eles também os comem e experimentam sabores diferentes. Segundo os veterinários do Berlin Zoo, essas plantas contêm óleos essenciais e as agulhas frescas são o equivalente a doces para os bichos.

Em Berlim, árvores de Natal que não foram vendidas viram comida e diversão para animais de zoológico

“Já é uma tradição: depois do Natal, nossos residentes podem esperar uma surpresa especial: as árvores de Natal. Sejam como palitos de dente, escovas para as costas ou brinquedos – os animais provam sua criatividade com a madeira. A forma invulgar, o cheiro interessante e a sensação dos espinhos na língua criam um festival completamente diferente, um festival de sentidos. Para os elefantes, as árvores também são uma expansão incomum da dieta alimentar”, diz o texto compartilhado pelo Berlin Zoo em suas redes sociais.

A tradição também ajuda a minimizar o descarte das árvores naturais. Apenas plantas que não foram tratadas com substâncias químicas podem ser dadas aos animais.

Em Berlim, árvores de Natal que não foram vendidas viram comida e diversão para animais de zoológico

Outro zoológico de uma cidade europeia que também distribui árvores de Natal aos animais é o de Praga, na República Tcheca. Lá além dos elefantes, gorilas e hienas receberam a surpresa de final de ano.

Além dos zoos, entidades e santuários de animais também recebem esse tipo de doação. Durante a pandemia todas essas organizações sofreram muito com a falta de verbas e auxílio financeiro de terceiros. Por isso, qualquer ajuda extra é sempre bem-vinda! Ainda mais quando faz a alegria de seus moradores!

*Com informação da BBC e do Washington Post

Leia também:
Zoológicos: a transição de um modelo exploratório para importantes aliados da pesquisa e conservação
Projeto de lei quer proibir novos zoológicos e aquários em São Paulo e mudar regras dos já existentes
Mais animais, como gorilas e leões, testam positivo para a covid em zoológicos dos Estados Unidos
Papagaios-de-peito-roxo, nascidos em zoológico de Curitiba, ajudam a repovoar área em Santa Catarina, onde espécie foi extinta

Foto: reprodução vídeo e Instagram Berlin Zoo

Suzana Camargo

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante 6 anos. Entre 2007 e 2011, morou na Suíça, de onde colaborou para publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Depois de dois anos e meio em Londres, vive agora em Washington D.C.

Um comentário em “Em Berlim, árvores de Natal que não foram vendidas viram comida e diversão para animais de zoológico

  • 5 de janeiro de 2022 em 12:06 PM
    Permalink

    Uma forma legal de reciclar árvores, mastigando elas e ressuscitando, quem sabe, lembranças atávicas nestes animais, do tempo em que eram livres e podiam escolher suas próprias árvores, sem precisar esperar pelo descarte pós Natal. Melhor assim.

    Resposta

Deixe uma resposta