Em ação inédita no mundo, micos-leões-dourados são vacinados contra a febre amarela no Brasil

Em ação inédita no mundo, micos-leões-dourados começam a ser vacinados contra a febre amarela no Brasil

Depois de décadas de um programa de conservação que conseguiu salvar da extinção o mico-leão-dourado no Brasil, uma nova ameaça surgiu e voltou a colocar em risco a espécie: a febre amarela. Em maio de 2018, a primeira morte de um exemplar desse primata foi registrada na natureza após um surto da doença em todo país.

Assim como os seres humanos, os macacos também são vítimas da febre amarela, que é transmitida por mosquitos, principalmente o Aedes aegypti*.

Em 2014, um censo realizado pela Associação Mico-Leão-Dourado indicou que a população de micos-leões-dourados, na única região de ocorrência da espécie, a Mata Atlântica do interior do estado do Rio de Janeiro, era de 3.700 indivíduos.

Todavia, após o surto da febre amarela, em 2019, foi registrado um declínio de 32% na população do macaco. Estima-se que hoje sejam cerca de 2.500 micos-leões-dourados.

No ano passado, a associação, em parceria com a Fundação Instituto Oswaldo Cruz (FioCruz), a Universidade Estadual Norte Fluminense (UENF), o Centro de Primatologia do Rio de Janeiro e a ONG Save The Golden Lion Tamarin, começaram a estudar a possibilidade de imunizar os macacos para protegê-los da febre amarela e assim, evitar uma redução ainda maior da espécie.

A vacina foi produzida pela FioCruz e foi testada primeiro em micos-leões-dourados que viviam em cativeiro, com acompanhamento de órgãos dos Ministério da Saúde e do Meio Ambiente.

Com a obtenção de resultados positivos, foi iniciada então a vacinação nos animais de vida selvagem, iniciativa pioneira e inédita no mundo, realizada pela primeira vez no Brasil.

“Esse trabalho requer uma logística cuidadosa, que inclui a captura dos grupos familiares animais na mata para que sejam levados ao laboratório, vacinados, observados por 24 horas antes de serem devolvidos à natureza”, explica Luís Paulo Ferraz, secretário executivo da Associação Mico-Leão-Dourado.

Segundo Luís Paulo, desde outubro até o dia 26 de novembro, já foram vacinados 71 micos. A imunização dos animais poderá levar de dois a três anos. Alguns grupos, depois de receberem a vacina, serão translocados para florestas cuja população foi reduzida  pela doença.

Em ação inédita no mundo, micos-leões-dourados são vacinados contra a febre amarela no Brasil

Um dos micos capturado sendo vacinado

Desde 1992, a Associação Mico-Leão-Dourado trabalha pela preservação dessa espécie símbolo do Brasil. Na década de 70 eles foram praticamente extintos pelo tráfico de animais silvestres e pelo desmatamento. Restavam apenas 200 na natureza.

Endêmico do Rio de Janeiro, o mico-leão-dourado (Leontopithecus rosalia) tem uma pelagem que varia entre tons de vermelho e dourado. Apesar de pequeno, mede em média 60 cm de altura, precisa de bastante espaço. Sociável e muito dócil, vive em grupos, que contam com oito a 14 indivíduos, aproximadamente.

Em ação inédita no mundo, micos-leões-dourados são vacinados contra a febre amarela no Brasil

A vacinação dos micos deve levar entre dois e três anos

*Vale ressaltar, sempre, que o mico-leão-dourado, assim como outros primatas não humanos, não transmitem a febre amarela, mas são importantes indicadores da presença do mosquito e dos vírus em seus ambientes.

Leia também:
Corredor florestal será novo aliado na proteção ao mico-leão-dourado
Mico-leão-dourado: um história de sucesso nos 25 anos de conservação da espécie

Aumento no número de mortes de macacos por febre amarela aponta que vírus se espalha no Paraná
Bugios: eles não precisam de mais uma ameaça!
O silêncio dos bugios inocentes

Fotos: Andreia Martins/AMLD (abertura) e Luiz Thiago de Jezus/AMLD

Suzana Camargo

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante 6 anos. Entre 2007 e 2011, morou na Suíça, de onde colaborou para publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Depois de dois anos e meio em Londres, vive agora em Washington D.C.

Deixe uma resposta