Em 2020, mudança climática será assunto obrigatório em todas as séries das escolas italianas

Em 2020, mudança climática será assunto obrigatório em todas as séries das escolas italianas

A partir de setembro de 2020, quando começará o ano escolar em grande parte dos países do Hemisfério Norte, alunos – de todas as idades -, das escolas da Itália, aprenderão mais a fundo sobre mudança climática e desenvolvimento sustentável.

A inclusão obrigatória desses dois assuntos foi determinada pelo ministro da Educação, Lorenzo Fioramonti, e fará parte do currículo escolar não apenas dentro das aulas de civismo, mas também em matérias como matemática, física e geografia. Com a nova medida, os alunos italianos terão 33 horas por ano dedicadas à crise climática.

“Quero tornar o sistema educacional italiano o primeiro do mundo que coloca o meio ambiente e a sociedade no centro de tudo o que aprendemos na escola”, afirma Fioramonti.

Para elaborar o novo conteúdo pedagógico, o ministério da Educação da Itália conta com a consultoria de especialistas internacionais, entre eles, Jeffrey Sachs, diretor do Centro de Desenvolvimento Sustentável da Universidade de Columbia e do Sustainable Development Solutions Network das Nações Unidas.

A ideia inicial, por exemplo, é que a abordagem da crise climática para as crianças menores seja através de histórias infantis, como contos de fadas, que ilustrem o papel do meio ambiente no planeta. Já estudantes mais velhos teriam como foco as alterações do clima dentro das ciências e os adolescentes, do Ensino Médio, fariam a correlação com a Agenda do Desenvolvimento Sustentável da ONU para 2030.

Lorenzo Fioramonti faz parte do partido alternativo Movimento 5 Stelle, que tem entre suas principais prioridades, a conservação ambiental. Desde que assumiu o cargo, há apenas dois meses, ele já fez diversas propostas que irritaram os radicais de direita, entre elas, a cobrança de sobretaxas sobre passagens aéreas, plástico e bebidas com açúcar.

Apesar das críticas, duas das medidas recomendadas por Fioramonti – os impostos sobre o plástico e as bebidas açucaradas -, foram aprovadas pelo parlamento italiano e entram em vigor em 2020.

O político também já escreveu vários livros em que defende que o Produto Interno Bruto (PIB) deveria deixar de ser usado como métrica para analisar o desenvolvimento econômico e social dos países.

*Com informações da Agência de Notícias Reuters

Leia também:
Educação para a sustentabilidade: vamos incentivar essa prática nas escolas?
Sustentabilidade na escola: como ensinar seus princípios para as crianças?
Educação Inclusiva: um caminho para o desenvolvimento sustentável
Nova lei obriga estudantes das Filipinas a plantarem ao menos dez árvores para poderem se formar

Foto: reprodução Fridays For Future Italia/Alessio Verardo

Suzana Camargo

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante 6 anos. Entre 2007 e 2011, morou na Suíça, de onde colaborou para publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Depois de dois anos e meio em Londres, vive agora em Washington D.C.

Deixe uma resposta