PUBLICIDADE

Em 2015 cientistas do clima alertaram sobre chuvas mais intensas no Rio Grande do Sul

Em 2015 cientistas do clima alertaram sobre chuvas mais intensas no Rio Grande do Sul

Uma das desgraças da crise climática é a maneira como ela modifica a própria linguagem. Além de termos novos incorporados ao léxico, como “microexplosão” e “ciclone-bomba”, expressões como “o estado inteiro está debaixo d’água” deixam de ser figura de linguagem. Nesta semana, todos os municípios do Rio Grande do Sul foram atingidos pela pior tempestade já registrada no estado, apenas oito meses depois da tragédia do Vale do Taquari, em setembro de 2023. Os gaúchos ainda contam seus mortos e tentam calcular os prejuízos enquanto Porto Alegre tem sua região central evacuada devido à cheia do rio Guaíba, que já passou dos 5 metros, um recorde histórico.

A causa próxima é a bolha de ar quente estacionada no Centro-Sul do Brasil, que levou a temperatura da cidade de São Paulo ao recorde histórico para o mês de maio. Ela impede que as frentes frias que atingem o Sul no outono avancem Brasil adentro, fazendo-as despejar toda a chuva no mesmo lugar. A causa última, claro, é o El Niño turbinado pela mudança do clima.

Mas os modelos climatológicos já previam há pelo menos uma década o aumento na precipitação da região Sul e do entorno da bacia do Prata. Todavia, ações de adaptação não foram adotadas. Ao contrário, como mostrou a Agência Pública, o governo gaúcho engavetou planos para lidar com a mudança do clima. E os parlamentares do estado têm se dedicado com afinco a desmontar a legislação ambiental do Brasil, o que retira ainda mais a resiliência do Rio Grande do Sul a choques climáticos que são, infelizmente, o novo normal.

A tragédia anunciada no Rio Grande do Sul

Mapas presentes no relatório publicado em 2015 mostram mais umidade no Sul
Imagem: divulgação

A catástrofe que afoga o Rio Grande do Sul pela segunda vez em oito meses e que já é considerada a pior da história do estado poderia ser deduzida há uma década por quem prestasse atenção aos modelos climáticos. Em 2015, um estudo produzido pelo próprio governo federal afirmava que o sul da América do Sul, em especial a bacia do Prata, poderia ter chuvas mais intensas e por mais tempo, conforme o aquecimento global piorasse. 

O governo parece não ter dado muita bola para o alerta. O “Brasil 2040: cenários e alternativas de adaptação à mudança do clima” foi divulgado sem alarde, após o então ministro Roberto Mangabeira Unger assumir a Secretaria de Assuntos Estratégicos e demitir a equipe responsável pela pesquisa. Hoje é difícil encontrar o documento on-line. É preciso recorrer a mecanismos como o Web Archive

Natalie Unterstell, presidente do Instituto Talanoa e um das coordenadoras do estudo, conta que foram contratados três modelos climáticos globais, que o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) regionalizou para o Brasil, num esforço inédito. Todos os modelos mostram um aumento da temperatura no país até o meio do século, que poderia chegar a 8ºC no pior cenário. Todos eles também indicaram um aumento na precipitação, tanto em volume quanto em duração, na região Sul, além de uma redução na média da vazão de rios no Norte.

“É muito seguro dizer que o governo federal não se preparou. A União tem uma responsabilidade”, diz Natalie. A crítica tem relação com a lentidão para a implementação de um plano de adaptação climática no país. “Sistema de alerta e previsão meteorológica não são adaptação. Adaptação é quando você vê que os extremos vão ficar mais extremos e você se prepara para esse novo clima. Isso [adaptação] está acontecendo pouco”, completa.

O que está ocorrendo no Rio Grande do Sul tem influência de vários fatores, mas a contribuição do aquecimento global está lá. “[Tem] os [fatores] meteorológicos, como bloqueio atmosférico, corredor de umidade vindo da Amazônia e o próprio El Niño. A questão é que provavelmente tudo foi potencializado pelo aquecimento global antropogênico. O oceano mais quente gera energia e combustível para eventos extremos de chuva”, explica Karina Bruno Lima, doutoranda em climatologia na Universidade Federal do Rio Grande do Sul. As temperaturas da superfície do oceano têm batido recordes desde o ano passado.

*Texto publicado originalmente em 06/05/24 no site do Observatório do Clima

—————————

Agora o Conexão Planeta também tem um canal no WhatsApp. Acesse este link, inscreva-se, ative o sininho e receba as novidades direto no celular

Leia também:
Vítimas das chuvas no Rio Grande do Sul precisam de ajuda: veja como doar!
Mais de 3,5 mil animais são resgatados em municípios alagados no Rio Grande do Sul 
“O maior desastre que nosso estado já enfrentou”, diz governador do Rio Grande do Sul
Atletas de canoagem ajudam a resgatar pessoas e animais no Rio Grande do Sul
Queimadas recordes no Norte, chuva sem precedentes no Sul: governos precisam agir no novo normal

Foto de abertura: Gustavo Mansur / Palácio Piratini / Fotos Públicas

Comentários
guest

2 Comentários
Oldest
Newest Most Voted
Inline Feedbacks
View all comments
Josué
13 dias atrás

Não se pode modificar as regras da natureza, mas podemos alterar a infraestrutura do ambiente contornando seus efeitos. É o que tem feito países como o Japão a China e Israel. O caso das enchentes que acontecem na maioria dos locais no Brasil são recorrentes, portanto, factível de ser planejado com antecedência para se evitar o pior. E no caso dessa região no Rio Grande do Sul, teve tempo demais para se planejar, pois desde 1941 quando uma enchente devastadora ocorreu.

Alan Carlos Dias da Silva
Alan Carlos Dias da Silva
13 dias atrás

Matéria extemporânea. Esses debates são para depois de morrerem cidadãos vítimas da tragédia. Se é tema político, excusas, mas têm que estudar estratégia e tática.

Notícias Relacionadas
Sobre o autor
PUBLICIDADE
Receba notícias por e-mail

Digite seu endereço eletrônico abaixo para receber notificações das novas publicações do Conexão Planeta.

  • PUBLICIDADE

    Mais lidas

    PUBLICIDADE