EarthWalk: caminhada global incentiva pessoas de 31 países a darem uma volta ao mundo pelo clima, durante a COP26

EarthWalk: caminhada global incentiva pessoas de 31 países a percorrerem 40 mil km por justiça climática, durante a COP26

Uma volta ao mundo dá 40 mil quilômetros e é, pelo menos, essa distância que a organização internacional ActionAid quer registrar com a adesão de milhares de pessoas ao movimento que está promovendo em prol do debate sobre as mudanças climáticas e seus impactos nas comunidades mais vulneráveis. 

“Vamos dar voltas ao mundo juntos às comunidades mais afetadas pelo aquecimento global para chamar a atenção daqueles que têm o poder de decisão sobre o futuro do planeta”, convida. 

A caminhada global por justiça climática, EarthWalk 2021, será realizada no mesmo período da COP26, conferência sobre mudanças climáticas da ONU, em Glasglow, na Escócia, que reunirá líderes mundiais, além de cientistas, empresários, acadêmicos e ativistas: de 31 de outubro a 12 de novembro.

O convite da ActionAid é para que caminhantes e corredores – mas também ciclistas, nadadores, outros esportistas e usuários de cadeiras de rodas -, registrem sua performance e imagens numa página individual criada no site da iniciativa.

E também compartilhem dados registrados em seu aplicativo de corrida nas redes sociais com a hashtag #CadaPassoConta, ou ainda diretamente de seu aplicativo para o site, alimentando sua página com seus passos.

“A EarthWalk da ActionAid possibilita que as pessoas, em qualquer lugar do planeta, possam dar um passo à frente, para que os políticos ouçam os apelos daqueles que já estão na linha de frente da crise climática“.

Outra questão é que muitas vozes importantes das comunidades mais vulneráveis do mundo não poderão comparecer à Cúpula do Clima, que decidirá pontos cruciais sobre seu futuro. Isso foi definido pela pandemia de Covid-19 – que não acabou!! – e a distribuição injusta de vacinas

31 países já aderiram ao chamado da ActionAid. São eles: África do Sul, Austrália, Bangladesh, Brasil, Burundi, Camboja, Espanha, Etiópia, França, Gâmbia, Gana, Grécia, Haiti, Indonésia, Itália, Jordânia, Libéria, Malawi, Moçambique, Nigéria, Palestina, Reino Unido, Ruanda, Senegal, Serra Leoa, Tailândia, Quênia, Uganda, Vietname, Zâmbia e Zimbabwe.

Ações durante a COP26

Além da EarthWalk, a ActionAid promoverá uma série de intervenções públicas durante a conferência do clima em Glasgow, “para que as vozes do mundo todo sejam ouvidas nas negociações entre os líderes mundiais”.

Imagens da caminhada, publicadas nas redes sociais e no site, serão projetadas em uma área ao ar livre de grande circulação na cidade sede do evento. Dessa forma, mais pessoas tomaram conhecimento sobre o movimento e que o mundo clama para que as sérias consequências sociais que as mudanças climáticas vêm provocando sejam mitigadas ou evitadas.

Eventos climáticos por todo o planeta

EarthWalk: caminhada global incentiva pessoas de 31 países a percorrerem 40 mil km por justiça climática, durante a COP26

Em pesquisa divulgada em 19 de outubro pela Organização Meteorológica Mundial, da ONU, revelou que a temperatura na África subiu acima da média global em 2020. Isso representa um impacto profundo na vida das pessoas que vivem nesse continente.

E a previsão dos cientistas aponta que as três grandes massas de gelo do continente – entre elas o Monte Kilimanjaro -, deixarão de existir até 2040.

Em 2020 também, devido a secas e enchentes, a quantidade de pessoas em situação de insegurança alimentar aumentou cerca de 40% em relação ao ano anterior.

Sabemos que o clima afeta desproporcionalmente as populações mais pobres. E esse cenário se repete no Brasil, que vive uma crise hídrica sem precedentes e está em vias de vivenciar um período de crise energética, devido à má gestão, que tem contribuído com a severidade com que as mudanças climáticas afetam o país.

Em agosto deste ano, o IPCC – Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas, da ONU, divulgou relatório histórico com dados terríveis sobre o estado de saúde do planeta.

Histórico pelo fato de ter sido a primeira vez em que o IPCC demonstrou, de forma muito clara, a relação direta entre a ação humana e a elevação da temperatura e as mudanças climáticas. Inclusive no Brasil, onde as chuvas e as secas cada vez mais intensas geram graves consequências, sobretudo para os mais vulneráveis.

Muito importante o trabalho que a ActionAid realiza, pelo fim da pobreza, em 43 países. No Brasil, atua desde 1999 realizando projetos pela garantia de direitos à alimentação, igualdade de gênero, participação popular e educação

Infelizmente nem todo mundo que precisaria participar destas negociações poderão estar lá. Com a pandemia de Covid-19 em andamento e a distribuição injusta de vacinas, muitas vozes importantes das comunidades mais vulneráveis do mundo não poderão comparecer à Cúpula, que decidirá pontos cruciais sobre seu futuro.

Levaremos as vozes das pessoas excluídas das negociações sobre o clima, aquelas que possuem seu futuro em jogo, para transmitir uma mensagem poderosa aos políticos. Faremos o possível para que as pessoas mais afetadas pela crise climática, principalmente mulheres e jovens, sejam vistas e ouvidas, inclusive na Conferência sobre Mudanças Climáticas (COP26) em Glasgow.

Em 2020, foram mais de 120 mil km!

EarthWalk: caminhada global incentiva pessoas de 31 países a percorrerem 40 mil km por justiça climática, durante a COP26
Foto: ActionAid/Divulgação

Em plena pandemia, no ano passado, foi realizada a primeira edição da caminhada global da ActionAid. O intuito era reivindicar um mundo mais justo e sustentável para todos e todas, especialmente após os impactos da Covid-19.

A adesão surpreendeu: foram percorridos 121.711 quilômetros, o equivalente a três voltas no planeta! Bem que podíamos superar essa marca em favor do clima e das populações mais vulneráveis aos efeitos das alterações climáticas que já são sentidas em todo o mundo..

Para acompanhar tudo, siga os perfis da ActionAid nas redes sociais: Facebook, Twitter e Instagram

Fotos: ActionAid/Divulgação

Deixe uma resposta

Mônica Nunes

Jornalista com experiência em revistas e internet, escreveu sobre moda, luxo, saúde, educação financeira e sustentabilidade. Trabalhou durante 14 anos na Editora Abril. Foi editora na revista Claudia, no site feminino Paralela, e colaborou com Você S.A. e Capricho. Por oito anos, dirigiu o premiado site Planeta Sustentável, da mesma editora, considerado pela United Nations Foundation como o maior portal no tema. Integrou a Rede de Mulheres Líderes em Sustentabilidade e, em 2015, participou da conferência TEDxSãoPaulo.