O pinguim Dindin não voltou para o pescador! Foi o ‘Agente Kowalski’ que (re)apareceu na Ilha Grande e confundiu todo mundo

A aparição de um pinguim na paradisíaca praia de Provetá, na Ilha Grande, RJ, na semana passada, causou alvoroço e confusão, como contamos aqui. Ao verem a ave saindo do mar em direção à praia, moradores da região imaginaram que poderia ser Dindin, o pinguim-de-magalhães que, em 2011, apareceu desfalecido e foi resgatado pelo pescador João Pereira Souza. Então, o levaram até ele. Todos queriam que fosse Dindin!

Diante da sinergia entre os dois – pareciam amigos de longa data -, foi possível acreditar que Dindin havia voltado depois de cinco anos sumido. O pinguim passeou pela casa do pescador e até se dirigiu ao local onde Dindin tomava banho, como se conhecesse o caminho.

João, por sua vez, ficou encantado com Kowalski e, assim, pode reviver a emoção que sentia com o amigo toda vez que se viam. Mas logo o engano foi revelado.

Kowalski foi atencioso com João e circulou pela casa como se a conhecesse / Fotos: Julia Passos

Assim que souberam da aparição do pinguim, pesquisadores do Projeto de Monitoramento de Praias o levaram para o Centro de Reabilitação e Despetrolização (CRD) de Angra dos Reis, constatando que não era Dindin, mas, sim, uma das aves resgatadas por eles em novembro.

Batizado de Agente Kowalski em homenagem ao personagem da animação Os Pinguins de Madagascar, ele estava muito debilitado e ficou cinco meses aos seus cuidados.

Segundo o jornalista Feiippe Abillio, que mora na região e apurou a história, na semana passada ele foi solto no mar com outros pinguins, mas deve ter encalhado e voltou à praia.

“A coordenadora geral do projeto, a veterinária Anne Kyllar, contou que ele passou muito tempo em tratamento, tendo contato com humanos todos os dias, por isso aceitou bem a amizade com seu João”, contou Abillio em seu Instagram.

Nas telas do cinema

A amizade entre Dindin e João ficou muito conhecida devido ao forte vínculo que se estabeleceu entre eles. Assim que o animal se recuperou, o pescador compreendeu que a ave precisava voltar pra casa, na Patagônia, e o levou até o mar.

Mas ele não quis ir embora. Permaneceu em sua companhia por mais 11 meses até que, por vontade própria, se lançou nas águas do Atlântico e partiu.

Para surpresa de todos, o pinguim visitou João por sete anos seguidos, mas, em fevereiro de 2018, ele partiu novamente e não voltou mais.

A história comovente foi roteirizada, filmada e está em pós-produção, devendo estrear nos cinemas em 2023. Na direção de O Pinguim e o Pescador está David Schurmann e o francês Jean Reno interpreta João.

Foto: Julia Passos (que cedeu a imagem gentilmente)

Deixe uma resposta

Mônica Nunes

Jornalista com experiência em revistas e internet, escreveu sobre moda, luxo, saúde, educação financeira e sustentabilidade. Trabalhou durante 14 anos na Editora Abril. Foi editora na revista Claudia, no site feminino Paralela, e colaborou com Você S.A. e Capricho. Por oito anos, dirigiu o premiado site Planeta Sustentável, da mesma editora, considerado pela United Nations Foundation como o maior portal no tema. Integrou a Rede de Mulheres Líderes em Sustentabilidade e, em 2015, participou da conferência TEDxSãoPaulo.